Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

Negada a inclusão da OAB em caso sobre grampo telefônico em escritório



Ante o entendimento de que “não há como reconhecer o interesse jurídico da OAB no caso envolvendo grampo telefônico no escritório Teixeira, Martins e Advogados – que defende o ex-presidente Lula - o desembargador João Pedro Gebran Neto, do TRF da 4ª Região, negou os pedidos do Conselho Federal e da Seccional SP da OAB para ingressarem como interessados no mandado de segurança em que é pedida a destruição do material gravado. Segundo o relator, “o caso afeta somente a banca advocatícia e não a classe de advogados como um todo”.

Conforme a decisão, "o interesse jurídico para o processo diz respeito ao seu resultado útil, ao conteúdo da decisão -  no caso, mandamental -  e não às teses e fundamentos de direito que a circundam”.  Gebran Neto avaliou também que a tese jurídica que o CF-OAB e a OAB-SP - como supostos terceiros interessados - querem fazer prevalecer ou mesmo a sua intenção de formar uma jurisprudência sobre o tema, não lhes conferem legitimidade, “pois tal objetivo é irrelevante ao interesse jurídico processual".

No mandado de segurança, o escritório de advocacia pede a destruição do material gravado em 2016, durante investigação de supostos crimes cometidos por Lula. O grampo foi autorizado pelo juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, sendo realizado na empresa LILS Palestras, Eventos e Publicações, da qual Lula é dono.

No pedido do MPF, o número de telefone atribuído à LILS era, na verdade, o do escritório de advocacia. Os procuradores afirmaram que obtiveram o número associado à LILS em um cadastro de CNPJs, na internet.

Desde então o Ministério Público Federal tentando, sem sucesso, o acesso ao material gravado – mas o juiz Sérgio Moro vem negando, sob o argumento de que se trata da gravação de conversas de 25 advogados e inúmeros clientes - o que configuraria violação de prerrogativas.

Apesar de negar os pedidos do MPF, as gravações também não foram inutilizadas. Tal levou o escritório a entrar com mandado de segurança, cuja liminar, no entanto, também foi negada pelo desembargador Gebran Neto, que considerou não haver urgência para a medida. (MS nº 5061114-07.2017.4.04.0000).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.