Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Negada a inclusão da OAB em caso sobre grampo telefônico em escritório



Ante o entendimento de que “não há como reconhecer o interesse jurídico da OAB no caso envolvendo grampo telefônico no escritório Teixeira, Martins e Advogados – que defende o ex-presidente Lula - o desembargador João Pedro Gebran Neto, do TRF da 4ª Região, negou os pedidos do Conselho Federal e da Seccional SP da OAB para ingressarem como interessados no mandado de segurança em que é pedida a destruição do material gravado. Segundo o relator, “o caso afeta somente a banca advocatícia e não a classe de advogados como um todo”.

Conforme a decisão, "o interesse jurídico para o processo diz respeito ao seu resultado útil, ao conteúdo da decisão -  no caso, mandamental -  e não às teses e fundamentos de direito que a circundam”.  Gebran Neto avaliou também que a tese jurídica que o CF-OAB e a OAB-SP - como supostos terceiros interessados - querem fazer prevalecer ou mesmo a sua intenção de formar uma jurisprudência sobre o tema, não lhes conferem legitimidade, “pois tal objetivo é irrelevante ao interesse jurídico processual".

No mandado de segurança, o escritório de advocacia pede a destruição do material gravado em 2016, durante investigação de supostos crimes cometidos por Lula. O grampo foi autorizado pelo juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, sendo realizado na empresa LILS Palestras, Eventos e Publicações, da qual Lula é dono.

No pedido do MPF, o número de telefone atribuído à LILS era, na verdade, o do escritório de advocacia. Os procuradores afirmaram que obtiveram o número associado à LILS em um cadastro de CNPJs, na internet.

Desde então o Ministério Público Federal tentando, sem sucesso, o acesso ao material gravado – mas o juiz Sérgio Moro vem negando, sob o argumento de que se trata da gravação de conversas de 25 advogados e inúmeros clientes - o que configuraria violação de prerrogativas.

Apesar de negar os pedidos do MPF, as gravações também não foram inutilizadas. Tal levou o escritório a entrar com mandado de segurança, cuja liminar, no entanto, também foi negada pelo desembargador Gebran Neto, que considerou não haver urgência para a medida. (MS nº 5061114-07.2017.4.04.0000).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

TJRS mantém multa a advogado gaúcho que abandonou o júri

Sanção financeira é de R$ 9.540,00 (dez salários mínimos).  O artigo 265 do CPP proíbe que o defensor se afaste do processo sem motivo imperioso. A questão penal envolve acidente de trânsito com o atropelamento de dois policiais rodoviários; um morreu. Causador do acidente estava alcoolizado e recebeu pena de 7 anos e 7 meses, no regime semiaberto.

Vínculo empregatício de advogada com escritório porto-alegrense

Ela foi recrutada como empregada na filial de Florianópolis (SC). Mas, sucessivamente, passou a “associada” e depois “sócia” da banca. Procedência da ação inclui horas extras (acréscimo de 100%) no regime horário das 8h30 às 20h30, com 90 minutos de intervalo, cinco dias por semana.

Deputado recebe permissão para atuar como advogado de Lula

O advogado, ex-presidente da OAB do Rio de Janeiro e deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) teve reconhecido o direito de ser incluído como advogado de Lula. Com isso, poderá visitar o ex-presidente, preso desde 7 de abril. A decisão do TRF-4 acolheu mandado de segurança interposto pela OAB do Paraná.

Cuidado para não perder o prazo!

Decisão do STJ estabelece a prevalência da intimação eletrônica sobre a publicação no Diário de Justiça, em caso de duplicidade. Mas o TST tem entendimento contrário: a publicação no Diário Eletrônico prevalece sobre a intimação via sistema do processo judicial eletrônico.