Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 15 de junho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Editora não indenizará mulher que teve seu nome e foto incluídos, em livro, como amante do patrão



Amante sem direito ao segredo

Amantes de homens públicos, atenção! Decisão da 10ª Câmara Cível do TJ de São Paulo dispôs que a Editora Schwarcz Ltda. não terá que indenizar uma ex-empregada de Assis Chateaubriand, mencionada na biografia "Chatô - O Rei do Brasil" como suposta amante do jornalista.  A mulher – que buscava indenização mínima de R$ 350 mil - alegou que sua imagem e sua história foram publicadas sem autorização prévia.

Chateaubriand, falecido em 1968, aos 75 de idade, foi um magnata das comunicações no Brasil de 1939 a 1960, dono dos Diários Associados, o maior conglomerado de mídia da América Latina durante mais de 20 anos. Em seu auge, teve mais de cem jornais, emissoras de rádio e tevê, revistas e agência telegráfica.

Conforme o julgado, “a autorização não seria necessária, uma vez que a obra retrata fatos da vida de um dos homens públicos mais influentes do país”.

Consta nos autos que a mulher trabalhou como faxineira por dois anos na casa de Chateaubriand, e que, segundo a obra, escrita pelo jornalista Fernando Morais, ela passava horas no quarto com o empresário, "furunfando”.

A sentença já havia rejeitado o pedido da empregada, entendendo que os fatos narrados e expostos por depoimentos, “comprovam as histórias presentes na biografia”.  O arremate é que “presente a verossimilhança dos fatos narrados no livro em relação à empregada, a obra poderia ter veiculado, sem autorização, a imagem e fatos relacionados à requerente, como coadjuvante da vida de Assis Chateaubriand, importante representante da cultura brasileira, cuja trajetória, assim, deveria ser conhecida em virtude do interesse público despertado". (Proc. nº 0178622-49.2010.8.26.0100).

 Calcinhas e sutiãs em leilão

Lojistas especializados no nicho da moda íntima habilitem-se! Serão vendidos em leilões judiciais (23 de janeiro e 20 de fevereiro), na Justiça do Trabalho do Rio, 16.685 sutiãs, 7.885 calcinhas e 1.700 cintas, na expectativa de arrecadar R$ 726.373,80.

As peças pertencentes ao estoque da fabricante Duloren foram penhoradas na sede da empresa, que fica no Rio. Mas a ordem provém da 10ª Vara do Trabalho de Vitória (ES).

O crédito exequendo é de dois ex-representantes comerciais da Duloren que trabalharam durante cinco anos sem formal vínculo empregatício – afinal reconhecido, e já com trânsito em julgado.  Para facilitar a alienação, a venda das 26.270 será por lotes, que variam de 785 a 2.000 peças. O preço médio mínimo por peça será, assim, de R$ 27,65.

O advogado Domingos Salis de Araújo, que defende os reclamantes, disse que “o desfecho da ação é decorrência de uma prática irregular conhecida como pejotização”. É mais ou menos assim: a empresa contrata os vendedores como pessoas jurídicas, sem assinar a carteira de trabalho, para evitar o vínculo empregatício. No caso capixaba, no final de cada mês os vendedores tinham que emitir notas fiscais para receber seus salários.

A Duloren informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que “não comentará o caso”.

Para recordar

Uma das primeiras a abrir esse filão de indenização por “pejotização coagida”, foi - a hoje mais notória do que nunca - Claudia Cruz, esposa de Eduardo Cunha.

Ela prestou serviços como pessoa jurídica para a Tv Globo do Rio, como apresentadora do telejornal Hoje, de 1989 e 2001.

O desfecho foi no TST, em 2008, obrigando a empresa a desembolsar R$ 5 milhões.

 “Energia para a luta”

O notório – e por ora livre – José Dirceu está fazendo campanha para conclamar uma corrente para 24 de janeiro, quando será julgada a apelação de Lula, contra a condenação a 14 anos de prisão.  A mensagem do ex-chefe da Casa Civil lulista é nesta linha: “A hora é de ação, não de palavras, transformar a fúria e a revolta, a indignação e mesmo o ódio em energia para a luta e o combate”.

A propósito, passada a ressaca comemorativa das festas de Ano Novo, as principais autoridades que administram a segurança (?) em Porto Alegre começarão a se reunir assiduamente a partir da terça-feira 3 de janeiro de 2018. Serão, ao longo de três semanas, reuniões quase diárias.

Vão esquadrinhar tudo o que for possível para que a terça-feira 24 de janeiro seja – na medida do possível – um dia normal em Porto Alegre. Haverá uma óbvia aglomeração (pacífica) de jornalistas e emissoras do mundo inteiro.

Mas nada de protestos na Borges de Medeiros, Loureiro da Silva, Esquina Democrática, muito menos na Rua Otávio Francisco Caruso da Rocha e no entorno do prédio do TRF da 4ª Região. Todo os contingentes de Brigada Militar, Polícia Civil, Polícia Federal e Exército estarão de sobreaviso.


Comentários

Iolanda Ramos Noble - Advogada 15.12.17 | 17:21:34
Todos são iguais perante a lei! A privacidade, a honra e a imagem da mulher que dizem, foi amante de Chateaubriand deveria ter sido protegida pela lei. A popularidade do homem não pode ser motivo para exposição, inclusive da imagem da mulher, que era anônima. Se não ganhou a ação isso se deve ao fato, que todos negam e mentem, porque é evidente, de que pobre não tem vez! A dita cuja além de pobre era uma simples faxineira, portanto, desprotegida. Já se fosse rica, ou juíza ... bah!
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Político exitoso de sete mandatos, Pompeo de Mattos tem ação trabalhista contra o Banco do Brasil

  Na Justiça do Trabalho de Porto Alegre, o deputado federal (PDT-RS) busca até indenização pela perda de uma chance. E chegou a pedir gratuidade da justiça.

 A maldição do impeachment de Dilma segue “tarrafeando” políticos de vários partidos.

  Parabéns mulheres! Pesquisa revela que o tempo médio gasto, por elas, com afazeres domésticos e/ou cuidando de pessoas da família, totaliza 92 horas por mês.

  Ministério Público oferece denúncia contra cinco diretores da Net. E o que é que Embratel, Claro e Globo tem a ver com isso?

Uma ação de pequena entidade gaúcha contra a poderosa General Motors

 Propaganda dita “enganosa” da picape S10 General Motors estaria atingindo os ambientalistas, exibindo “uma carga pejorativa a quem cumpre o papel de suma importância, que é a defesa do meio ambiente”.

 O que pode estar embutido na campanha “Agro é Pop, Agro é Tech, Agro é Tudo, Está Aqui, Está na Globo”.

  Em outra frente um pedido ao CONAR – Conselho Nacional de Auto Regulamentação Publicitária para que suspenda a veiculação do comercial.

FEPAM festeja proteção ambiental com ´banner´ de aves e mamífero que não são da fauna gaúcha

 O desmanche no RS das instituições ligadas à proteção do meio ambiente, ciência e tecnologia.

 “O Brasil que eu quero/ É um país com todos os corruptos presos /E sem liminar do Gilmar /Que os possa soltar”...

 Projeto de lei federal com gratuidade judicial para advogados cobrarem seus honorários.

  Que ciúme! Salário inicial de advogado em grande escritório dos EUA: piso de US$ 190 mil por ano (US$ 15.833 por mês, cerca de R$ 60 mil), a partir de 1º de julho

A grande vitória jurídica do Grêmio no STJ

 O clube vence demanda ajuizada pelo filho de Lupicínio Rodrigues e pelo instituto que leva o nome do falecido compositor.

 A questão envolve direitos autorais sobre o Hino do Grêmio e a expressão “Imortal Tricolor”. Relator esclarece que a expressão foi uma loa a Eurico Lara (acima, a foto do grupo que tinha o goleiro como expoente).

 Em Caxias do Sul, a tartaruga forense está na “mesa da Elenita”.

  Ex-procurador investigado quer ser juiz federal.

 OAB-RS exclui mais uma advogada: a lista tem 50 nomes.

Segredos que agradam baderneiros

  No regime democrático, por que cultuar o mistério em favor de uma minoria que vai aos estádios para delinquir?

  Lembrando Celso de Mello: “Não há no regime democrático possibilidade de se preservar ou de se cultuar o mistério”.

  Trânsito em julgado de condenação da Unimed: o pagamento do tratamento “home care” em caso de mal de Alzheimer.

  Padilha, Marun e um congestionamento causado por imprevisíveis leões de verdade...

A íntima prevaricação entre o então juiz e seu fiel assessor

 A apreensão de um Mercedes Benz horas antes do Natal.

 O magistrado de plantão no 24 de dezembro em confraternização familiar a 326 km de distância.

• Uma folha assinada em branco pelo juiz, que o servidor aproveitou em causa própria.

 E um arremate cômico: cobrança de autos da “advogada Corregedoria-Geral da Justiça”.