Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 15 de junho de 2018.

Predileção por lâmpadas vermelhas



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

No século passado, as casas de prostituição situavam-se fora das cidades, geralmente em beiras de estradas. Para diferenciá-las das residências, os proxenetas e/ou as cafetinas mandavam instalar luzes vermelhas, para que todos soubessem que ali era uma casa onde se encontrava sexo mediante dinheiro.

Um pouco estagnado no tempo e sem ter reformulado os seus conceitos, determinado magistrado solteiro – nos anos 90 – após ter passado o fim-de-semana em Porto Alegre, subia a serra gaúcha, dirigindo seu incrementado Opala pela BR-116. Era uma noite cálida de meados de dezembro.

Solitário, cansado e sonolento, o juiz seguia rumo a um hotel serrano, onde pernoitaria para, às 10 da manhã seguinte, tomar posse como titular de uma vara trabalhista da região.

Trinta quilômetros antes do destino, o magistrado vislumbrou, à direita, uma casa, estilo italiano, de onde pendiam displicentes lâmpadas vermelhas – daquelas antigas de 30 anos atrás.

Como houvesse aparentemente estacionamento disponível, o cidadão-juiz foi chegando com seu carro. Deu duas buzinadas, desembarcou e logo galgou a escadaria da casa, adentrando à sala – de porta aberta - que estava às escuras.

- Meninas, cheguei! – bradou fagueiro e oferecido.

Antes que pudesse ambientar-se, o visitante foi alcançado por vigorosas vassouradas de uma provecta senhora cinquentona, que detonava palavrões contra o indesejado intruso:

- Aqui é casa de família, seu f-d-p!

Forçado a retirar-se, o doutor juiz não teve tempo, sequer, de explicar seu equívoco. Pensara que a residência familiar - modestamente adornada por lâmpadas vermelhas que convidavam a uma digressão natalina – fosse uma “casa de tolerância”.

Já aposentado, o magistrado ainda é (dezembro de 2017) “chegado numa luz vermelha”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge Gerson kauer

Mulher juíza, não!

 

Mulher juíza, não!

Caro leitor(a), palpite onde ocorreu. Envie o cupom eletrônico, depois de ler a história de um ´machista´ que – durante audiência - deixou em polvorosa uma magistrada, uma promotora, uma defensora pública, uma escrevente e uma estagiária. Ele era acusado de crime ambiental: maus tratos contra o seu próprio cavalo.

Charge de Gerson Kauer

   Recurso especial com sabor de queijo francês

 

Recurso especial com sabor de queijo francês

Não se tratou do já tolerado erro do “copia e cola”. Era uma folha à parte, íntegra e autêntica, contendo um ensinamento culinário: “Em uma tigela, misture três tomates maduros, três colheres de azeite e três colheres de manjericão fresco picado”.

Gerson Kauer

Reunião da turma de Direito

 

Reunião da turma de Direito

Por que, de 1988 a 2018, o mesmo grupo de advogados (as), magistrados(as) e promotores(as) decidiu, a cada dez anos, sempre comemorar o aniversário de formatura na... churrascaria Picanha Excelência.

Charge de Gerson Kauer

Barbatimão jurídico

 

Barbatimão jurídico

Em processo de divórcio litigioso, o estagiário – que sempre faz minuciosos projetos de sentença - deparou-se, estupefato, em meio às petições, com uma confidência que um dos advogados da causa fizera à sua dileta noiva. Era mais um caso de erro do “copia e cola”

Charge de Gerson Kauer

Exagero na relação conjugal

 

Exagero na relação conjugal

Meia-noite de uma sexta-feira, Sua Excelência e a esposa – ele cinquentão, ela quarentona - tentam apimentar o relacionamento sexual. Por isso combinam que ela, em decúbito ventral, será algemada num dos decorativos vãos da cabeceira da própria cama do casal