Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 15 de junho de 2018.

Obrigação de trabalhar 14 horas diárias, com apenas duas folgas mensais



O TST proveu recurso de um instalador de linhas telefônicas e condenou solidariamente a Oi S. A. e a terceirizada Serviços de Rede S.A ao pagamento de indenização a um empregado que – mesmo recebendo horas extras – era obrigado a trabalhar 14 horas diárias, com apenas 30 minutos de intervalo e finais de semana alternados.

A decisão admitiu configurado o dano existencial, que consiste em “lesão ao tempo razoável e proporcional assegurado ao trabalhador para que possa se dedicar às atividades sociais inerentes a todos”. 

Segundo o relator do recurso do trabalhador, ministro Maurício Godinho Delgado, “a gestão empregatícia que submete o indivíduo a reiterada jornada extenuante, muito acima dos limites legais, com frequente supressão do repouso semanal, agride alguns princípios constitucionais e a própria noção estruturante de Estado Democrático de Direito”.

Em época de abonados penduricalhos para a magistratura brasileira, a indenização moral foi pífia e talvez agressiva: ridículos R$ 5 mil. (RR nº 1355-21.2015.5.12.0047).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Negado pedido de trabalhador que queria receber bens de grupo empresarial

O grupo Vogel é réu em mais de 200 ações na Justiça do Trabalho de São Sebastião do Caí (RS), onde figura no polo passivo de uma reunião de diversas execuções trabalhistas. A presidente do TRT-RS, Vania da Cunha Mattos afirma que “não se pode chancelar este tipo de mentalidade, em que o mero interesse individual tenta suplantar o interesse coletivo”.

Nulidade de cláusula com turnos de 12 horas em jornada de 15 dias consecutivos

Apesar de haver norma coletiva, julgado do TST diz ser “desprovida de validade a cláusula coletiva que, a um só tempo, ignora os limites constitucionais da jornada de trabalho; não permite o descanso adequado do trabalhador; e suprime direitos mínimos dos obreiros, a exemplo do descanso semanal remunerado”.