Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

Negada a modulação em causa que trata de honorários de R$ 80 milhões



A Corte Especial do STJ negou pedido para definir se os honorários de sucumbência pertencem aos advogados mesmo antes do Estatuto da Advocacia de 1994 (Lei nº 8.906) e durante a vigência do Código de Processo Civil de 1973.

Um recurso em agravo de instrumento julgado na terça-feira (19) buscava a modulação dos efeitos de uma decisão do colegiado. Em abril passado, a corte dispôs que os honorários sucumbenciais pertencem aos advogados mesmo antes da vigência do atual estatuto.

A decisão, por maioria apertada (8 x 7), foi proferida no julgamento de recurso da Cooperativa Central dos Produtores de Cana de Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo. O valor em discussão chega a R$ 80 milhões, em valor atualizado e arredondado.

Para a Cooperativa Central, o entendimento não pode ser aplicado de forma automática para todos os casos anteriores, porque a decisão da Corte Especial significa uma virada de jurisprudência do órgão, que até então entendia que a verba pertencia à parte - inclusive originalmente na mesma ação, numa decisão proferida em 2011.

Os advogados Cezar Peluso (ex-presidente do STF) e Antonio de Pádua Soubhie Nogueira defenderam a Copersucar. Eles sustentaram que “a modulação - expressamente autorizada pelo CPC de 2015 - é necessária pois, caso contrário, há risco de revisão das decisões anteriores, o que provocaria um caos processual”.

De acordo com o artigo 927, § 3º, do CPC: “Na hipótese de alteração de jurisprudência dominante do Supremo Tribunal Federal e dos tribunais superiores ou daquela oriunda de julgamento de casos repetitivos, pode haver modulação dos efeitos da alteração no interesse social e no da segurança jurídica”.

Os embargos, porém, foram rejeitados por unanimidade pela Corte Especial do STJ. (EAG nº 884487)

Leia a íntegra do acórdão da Corte Especial do STJ


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.