Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 19 de junho de 2018.

Chamar profissional do Direito de “advogado de porta de cadeia” é ofensa



Um advogado será indenizado em R$ 2 mil por ter sido de chamado de profissional de “porta de cadeia” em um grupo de WhatsApp. A decisão é da juíza Lucélia Alves Caetano Marçal, do 3º Juizado Especial Cível de Contagem (MG).

Conforme a sentença, a indenização é devida porque ofensas feitas em meios digitais faz com que a “divulgação desenfreada de mensagens” atinja um número incontável de pessoas.

No caso, aquela ofensa ao advogado – mais a assacadilha de “meia tigela” foram feitas em uma discussão no grupo de WhatsApp que tinha 24 integrantes.

A sentença – ainda sem trânsito em julgado – concluiu que “as postagens nas redes sociais que integram o ambiente virtual nos dias atuais possuem enorme alcance, que pode ser majorado de forma ilimitada por meio dos compartilhamentos de seus usuários”.

O julgado qualificou a postagem de “ofensiva e desabonadora”. (Proc. nº 0079.17.004.510-2 – com informações do TJ-MG).

Leia a íntegra da sentença


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Longa espera em fila de banco é mero dissabor

STJ afasta a incidência de dano moral e confirma improcedência de ação em que cliente do Bradesco buscava reparação após uma hora e 33 minutos de espera pelo atendimento.

Os riscos do excesso de exposição à radiação

Condenação da União, para reparar danos morais sofridos por técnica em radiologia, no Hospital Militar de Porto Alegre.O tempo máximo para operar uma máquina de raio-x, permitido por lei, é de 24 horas semanais.

Charge de Gerson Kauer

Zaffari é condenado por racismo, danos morais e má-fé processual

 

Zaffari é condenado por racismo, danos morais e má-fé processual

Sentença analisa a repressão abusiva de cinco seguranças, contra três adolescentes, na loja supermercadista da Rua Otto Niemeyer, em Porto Alegre: “Exatamente assim, como meros 'neguinhos', pessoas sem importância, adolescentes sem defesa, não humanos, seres invisíveis e sem valor, quando expostos a uma revista desmotivada, humilhante e truculenta".