Ir para o conteúdo principal

Edição de Terça-feira, 24 de abril de 2018.

Anamatra contesta no STF limites às indenizações por dano moral



A Anamatra – Associação Nacional dos Magistrados Trabalhistas ajuizou ADIn no Supremo Tribunal Federal contra dispositivos da CLT, alterados na reforma trabalhista (Lei nº 13.467/17) e pela MP nº 808/17, que estabelecem limites para a fixação de valores da indenização por dano moral decorrente da relação de trabalho. Segundo a petição inicial, “a lei não pode impor limitação ao Judiciário para a fixação de indenização por dano moral, sob pena de limitar o próprio exercício da jurisdição”.

O relator sorteado é o ministro Gilmar Mendes. A Anamatra pede, liminarmente, a suspensão dos incisos I a IV do parágrafo 1º do artigo 223-G da CLT. No mérito, pede a declaração da inconstitucionalidade dos mesmos dispositivos.

A petição inicial discorre que a Lei nº 13.467/17, em seu texto original, “previa que a indenização decorrente de um mesmo dano moral teria valor diferente em razão do salário de cada ofendido, violando o princípio constitucional da isonomia”. Segundo a primeira versão da nova norma, a indenização decorrente de um mesmo dano moral a um servente ou ao diretor da mesma empresa não seria a mesma.

Com a redação dada pela MP nº 808/17, a ofensa ao princípio da isonomia foi afastada, segundo a Anamatra, na medida em que a base de cálculo passou a ser o valor do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social, implicando em aumento significativo do valor das indenizações aos trabalhadores de menor renda.

A despeito de a medida provisória ter ampliado o direito da indenização a esses trabalhadores, a Anamatra ressalta que subsiste a violação ao contido no inciso XXVIII do artigo 7º da Constituição Federal , que garante ao empregado uma indenização ampla do dano extrapatrimonial decorrente da relação de trabalho.

A restrição ao ofício judicante viola a independência dos juízes para julgar as causas e aplicar a lei de acordo com o texto constitucional e com suas convicções” – escreve o advogado Alberto Pavie Ribeiro que representa a entidade autora.

Além disso, ele sustenta que o Supremo, quando declarou a inconstitucionalidade da Lei de Imprensa (ADPF nº 130), firmou jurisprudência no sentido de que o dano decorrente da ofensa praticada pela imprensa não poderia ficar limitado, para fins de indenização, a valores previamente fixados em lei. Segundo a Anamatra, a questão em debate é semelhante.
(ADIn nº 5.870).


Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 23.01.18 | 11:18:06

É fácil a Anamatra defender isso... Não são eles que pagam. E viva a Loteria do Poder Judiciário...

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

PEN quer desistir de ação que poderia livrar Lula

Presidente do Partido Ecológico Nacional, Adilson Barroso, diz que “somos de direita”. Ele analisa, agora, que a ação declaratória de constitucionalidade “estaria ajudando a esquerda que mais criou problema de corrupção no País”.

Débitos judiciais da EPTC serão pagos por precatórios

STF dá provimento a recurso da empresa pública porto-alegrense e reforma acórdão do TJRS. Decisão do ministro Edson Fachin determina que “a condenação judicial da recorrente se submete ao regime constitucional dos precatórios”.