Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

Anamatra contesta no STF limites às indenizações por dano moral



A Anamatra – Associação Nacional dos Magistrados Trabalhistas ajuizou ADIn no Supremo Tribunal Federal contra dispositivos da CLT, alterados na reforma trabalhista (Lei nº 13.467/17) e pela MP nº 808/17, que estabelecem limites para a fixação de valores da indenização por dano moral decorrente da relação de trabalho. Segundo a petição inicial, “a lei não pode impor limitação ao Judiciário para a fixação de indenização por dano moral, sob pena de limitar o próprio exercício da jurisdição”.

O relator sorteado é o ministro Gilmar Mendes. A Anamatra pede, liminarmente, a suspensão dos incisos I a IV do parágrafo 1º do artigo 223-G da CLT. No mérito, pede a declaração da inconstitucionalidade dos mesmos dispositivos.

A petição inicial discorre que a Lei nº 13.467/17, em seu texto original, “previa que a indenização decorrente de um mesmo dano moral teria valor diferente em razão do salário de cada ofendido, violando o princípio constitucional da isonomia”. Segundo a primeira versão da nova norma, a indenização decorrente de um mesmo dano moral a um servente ou ao diretor da mesma empresa não seria a mesma.

Com a redação dada pela MP nº 808/17, a ofensa ao princípio da isonomia foi afastada, segundo a Anamatra, na medida em que a base de cálculo passou a ser o valor do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social, implicando em aumento significativo do valor das indenizações aos trabalhadores de menor renda.

A despeito de a medida provisória ter ampliado o direito da indenização a esses trabalhadores, a Anamatra ressalta que subsiste a violação ao contido no inciso XXVIII do artigo 7º da Constituição Federal , que garante ao empregado uma indenização ampla do dano extrapatrimonial decorrente da relação de trabalho.

A restrição ao ofício judicante viola a independência dos juízes para julgar as causas e aplicar a lei de acordo com o texto constitucional e com suas convicções” – escreve o advogado Alberto Pavie Ribeiro que representa a entidade autora.

Além disso, ele sustenta que o Supremo, quando declarou a inconstitucionalidade da Lei de Imprensa (ADPF nº 130), firmou jurisprudência no sentido de que o dano decorrente da ofensa praticada pela imprensa não poderia ficar limitado, para fins de indenização, a valores previamente fixados em lei. Segundo a Anamatra, a questão em debate é semelhante.
(ADIn nº 5.870).


Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 23.01.18 | 11:18:06

É fácil a Anamatra defender isso... Não são eles que pagam. E viva a Loteria do Poder Judiciário...

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STF proíbe a condução coercitiva de réus e investigados

Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança. Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança.

STF cassa censura a publicações jornalísticas

Duas decisões do ministro Luís Roberto Barroso, em reclamações, liberam publicações jornalísticas envolvendo dois governadores. Flexibilidade do conceito de segredo de justiça, quando houver interesse público, inclusive como fator inibidor de transgressões futuras.

Com maioria para o fim do foro privilegiado, STF retoma hoje o julgamento

Cronologia da demora: o julgamento começou em maio de 2017, com o voto do ministro Luís Roberto Barroso, que manteve no Supremo somente processos por crimes ocorridos durante o mandato e relacionados ao cargo. Prosseguiu em novembro, com o voto de Alexandre de Moraes, que deixa no STF apenas os casos ocorridos durante o mandato, ainda que não relacionados ao cargo. Quando estava 8 x 0, então Toffoli pediu vista...