Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.

Lula diz ter “certeza absoluta que não cometi nenhum crime”



O ex-presidente Lula está assistindo ao lado dos filhos, netos e de militantes do PT, no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, o julgamento do recurso no TRF-4 da ação penal em que, em primeiro grau, foi condenado a nove anos e seis meses de prisão pelo juiz Sergio Moro, no caso do tríplex em Guarujá.

Lula chegou ao sindicato às 10h08, junto com o pré-candidato do PT ao governo de São Paulo Luiz Marinho; Roberto Teixeira, seu compadre e advogado; e o presidente do sindicato, Wagner Santana.

No prédio do sindicato Lula foi recebido por cerca de 500 pessoas que o saudaram com o grito "Brasil urgente, Lula presidente".

O ex-presidente ficou o tempo todo no segundo andar do prédio, que teve as janelas e varandas protegidas por panos azuis e vermelhos para impedir imagens de Lula ao longo do julgamento.

Apesar de tentar demonstrar otimismo, Lula já apontou para o futuro caso seja condenado. "Temos muito tempo pela frente para mostrar o equívoco, as mentiras contadas contra o PT e o Lula nesses últimos anos" – afirmou.

Ele disse que tem muita tranquilidade para enfrentar adversidades e que tem noção dos problemas que o país está vivendo.

Tenho certeza de que não cometi crime algum, assim como tenho certeza de que o que está acontecendo comigo é muito pouco perto do que estão fazendo com milhões de brasileiros que não entenderam a reforma trabalhista e vão ser massacrados”.

Antes de encerrar sua rápida conversa com os jornalistas, Lula deu um aviso: "Só o dia em que eu morrer eu vou parar de lutar pela democracia."


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

 

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

Magistrado Felipe Keunecke de Oliveira estava na mira para ser morto numa das suas habituais idas à sede náutica do União, ou antes de um grande jogo noturno na Arena do Grêmio. A juíza do regime de exceção da Vara Criminal do Foro Regional do Alto Petrópolis em Porto Alegre – embora sem deferir a prisão dos advogados acusados – proibiu-lhes o exercício da profissão, o que já foi comunicado à OAB-RS. Leia também e-mail enviado, ao Espaço Vital, pela magistrada Betina Meinhardt Ronchetti, titular da vara mencionada.