Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Lula diz que só vai desistir no dia em que morrer...



Lula assistiu a derrota jurídica ao lado dos filhos, netos e de militantes do PT, no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Paulista. Ele chegou às 10h08, junto com o pré-candidato do PT ao governo de São Paulo Luiz Marinho; Roberto Teixeira, seu compadre e advogado; e o presidente do sindicato, Wagner Santana. À frente do sindicato, foi recebido por cerca de 500 pessoas que o saudaram com o grito "Brasil urgente, Lula presidente".

O ex-presidente ficou o tempo todo no segundo andar do prédio, que teve as janelas e varandas protegidas por panos azuis e vermelhos para impedir imagens da intimidade ao longo do julgamento.

Apesar de tentar demonstrar otimismo, Lula já apontou para o futuro: "Temos muito tempo pela frente para mostrar o equívoco, as mentiras contadas contra o PT e contra mim nesses últimos anos".

Ele disse também que tem muita tranquilidade para enfrentar adversidades, com noção dos problemas que o país está vivendo. “Tenho certeza de que não cometi crime algum, assim como tenho certeza de que o que está acontecendo comigo é muito pouco perto do que estão fazendo com milhões de brasileiros que não entenderam a reforma trabalhista e vão ser massacrados”.

Antes de encerrar sua rápida conversa com os jornalistas, Lula deixou um aviso: "Só no dia em que eu morrer eu vou parar de lutar pela democracia”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Passagens da sentença e as penas dos cinco condenados

Juíza Vanessa Silva de Oliveira escreve sobre o ex-colega Diego Magoga Conde: “A culpabilidade dele exacerbou o normal, porque o acusado era magistrado na comarca, de modo que, com muito mais vigor deveria respeitar o ordenamento jurídico e proceder com ética no exercício das atividades (...) Ademais, utilizou-se de conhecimentos técnico-jurídicos para obter vantagens ilícitas”. Não há trânsito em julgado. Leia trechos da sentença.

 

Imagens Google

   "Bandido de toga" em versão gaúcha

 

"Bandido de toga" em versão gaúcha

Seis anos e meio depois de uma investigação que causou bulício na Justiça Estadual do RS, surge a condenação – em primeiro grau – de um ex-juiz de Direito e seu ex-assessor, ambos da comarca de São Lourenço do Sul. Sentença também alcança o pai do juiz, e um casal de advogados. “O magistrado se mostrou influenciável por seu círculo e relações” – disse o primeiro relator do caso.

A história do advogado da faculdade de papel

A fraude, a conquista do império e a queda. Alguns tópicos sobre a trajetória de Faustino da Rosa Junior – agora suspenso pela OAB-RS - condenado por falsificar diplomas universitários.