Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

O sexo e a vizinhança



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Quatro ou cinco vezes por mês, em um prédio da Independência, ouve-se o eco de tapas seguidos de gemidos altos. Os vizinhos já sabem que, pelas próximas duas ou três meias-horas, haverá muitos gritos decorrentes de cenas explícitas de sexo. Afinal, a condômina pratica suas atividades rente à janela, aproveitando ao máximo as vindas do companheiro, tripulante de empresa aérea, que costuma aportar no Portinho, uma vez por semana.

Fetiche, voyeurismo, descuido, paixão ou apenas e principalmente prazer – não se sabe. O inegável é que logo após os primeiros sinais, o interfone toca. É algum vizinho reclamando. Tanto a condômina fez, tanto o parceiro faz, tanto os vizinhos reclamaram... que o assunto chegou a Juízo.

Os advogados sustentaram teses antagônicas. O do condomínio escreveu que “são problemas de barulho e comportamento inadequado”. O da ré disse que “o que cada um faz dentro do lar está fora de questionamentos e julgamentos”.

A juíza intimou a ré e o representante legal do condomínio para a audiência de tentativa de conciliação. Concitou os litigantes a concessões recíprocas. Sem sucesso.

A prova oral – todos condôminos e, como tal, contraditados – confirmaram as orgias amorosas e rumorosas no recôndito da unidade barulhenta.

A sentença definiu as relações sexuais como “tema polêmico”, admitiu que “ninguém vive em mosteiro”, mas reconheceu que “do lado da contígua parede, ou no andar acima, ou no pavimento abaixo moram crianças pequenas e idosos”. E fixou a indenização em “simbólicos R$ 2 mil”, concitando as partes “à tolerância e à moderação, pelo bem social”.

Há recursos de ambos os demandantes ao tribunal. O relator já recomendou atenção ao estagiário-chefe que fará o projeto de voto: “O caso vai da garantida privacidade aos lamentáveis exageros, o que requer cuidado”.

A controvérsia ainda será objeto da próxima reunião da assessorcracia.


Comentários

Tania Machado De Sa Tania Sa - Advogada 30.01.18 | 10:46:09

Gente, o pessoal não sabe ainda morar em condominio. É preciso respeitar limites. No caso do Romance Forense acima foi sexo escandaloso, mas pode ser qualquer outro ruido inconveniente. A verdade é que democracia demais é tão ruim quanto ditadura!

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Barbatimão jurídico

 

Barbatimão jurídico

Em processo de divórcio litigioso, o estagiário – que sempre faz minuciosos projetos de sentença - deparou-se, estupefato, em meio às petições, com uma confidência que um dos advogados da causa fizera à sua dileta noiva. Era mais um caso de erro do “copia e cola”

Charge de Gerson Kauer

Exagero na relação conjugal

 

Exagero na relação conjugal

Meia-noite de uma sexta-feira, Sua Excelência e a esposa – ele cinquentão, ela quarentona - tentam apimentar o relacionamento sexual. Por isso combinam que ela, em decúbito ventral, será algemada num dos decorativos vãos da cabeceira da própria cama do casal

Charge de Gerson Kauer

Os vinhos da Lava-Jato

 

Os vinhos da Lava-Jato

O destacado advogado gaúcho, recém divorciado, atuante na defesa de gente alcançada por decisões de Sérgio Moro, entra com a jovem namorada num notório restaurante em Porto Alegre, olha a carta de vinhos e pede uma garrafa do mais caro dos itens disponíveis.

Charge de Gerson Kauer

Quando a vida vira Coca-Cola

 

Quando a vida vira Coca-Cola

O departamento de aposentados da grande e atuante associação de juízes realiza um encontro de colegas jubiladas. Por sugestão de desembargadora oriunda do Ministério Público, convidam-se também promotoras e procuradoras de justiça.

Charge de Gerson Kauer

Amor à prova de balas

 

Amor à prova de balas

O homem é denunciado por tentativa de homicídio contra a própria companheira. Um tiro de raspão na cabeça; o outro num dos olhos dela. A vítima fica com apenas 50% da visão. Mais tarde, após a condenação dele, a reconciliação do casal. Adivinhem como era o nome dele?