Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

O peso da pressão política sobre o Supremo



Pressionado politicamente pela condenação de Lula – e por outras cabeças que estarão, no futuro, sob risco - o Supremo vai julgar, breve, de novo, se os réus condenados em segunda instância podem ser logo levados a começar a cumprir pena.

Acompanhe em potins:

• Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes (este, trocando de lado) confirmarão que a prisão só é possível após esgotados todos os recursos possíveis.

•  Celso de Mello poderá votar contra a mudança do entendimento atual, em relação ao qual ele foi vencido. Com a sua condição de decano, ele se ergueria contra o casuísmo da “jurisprudência sob encomenda”, sem ter de mudar a sua convicção pessoal.

• Dias Toffoli (íntimo de Lula) e Alexandre de Moraes (íntimo de Temer) sustentarão a tese de prisão após o Superior Tribunal de Justiça confirmar a condenação aplicada pelas instâncias inferiores.

• Rosa Weber já votou pela prisão só após o trânsito em julgado, mas já disse que poderá “mudar de opinião” e aderir à outra tese (que não disse exatamente qual é). Segundo crítica irradiada pela “rádio-corredor” do Conselho Federal da OAB, “a ministra está, por ora, pensando em cima do muro”.

• Edson Fachin, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e Cármen Lúcia são favoráveis ao cumprimento da pena após a decisão de segundo grau.

• Detalhe: Moraes ocupa o lugar de Teori Zavascki (morto em janeiro de 2017) e que, em 2016, votou pela execução antecipada da pena. Na ocasião, o placar pela possibilidade da prisão imediata foi apertado: 6 x 5.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Prefeito vira réu em ação penal por fraude em concurso público

Fatos ocorreram no pequeno município gaúcho de Jacuizinho, com apenas 2.666 habitantes. Entre os réus estão a esposa do prefeito, o vice-prefeito, dois secretários municipais e suas esposas, o assessor jurídico, um técnico contábil e os sócios da empresa IDRH, responsável pelo concurso.