Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

Advogado deve pagar por serviços de “agenciador de clientes”



O artigo 34, inciso III, do Estatuto da Advocacia (Lei nº 8.906/1994), proíbe o advogado de se valer do agenciador de causas, mediante participação em honorários, para captação de clientela. Entretanto, essa prática só é proibida e punível no âmbito da OAB, porque fere o Código de Ética advocatício, não atingindo quem presta o serviço para o advogado.

Com esse entendimento, a 15ª Câmara Cível do TJRS acolheu apelação de um captador de clientes para causas judiciais. Com a decisão que reformou a sentença, o advogado que contratou os serviços de agenciamento desembolsará R$ 10 mil para pagar o autor.

As informações foram reveladas pelo jornalista Jomar Martins no último sábado (27) na revista eletrônica Consultor Jurídico.

O texto, todavia, não revela os nomes do advogado e do agenciador. Estes são divulgados, hoje (30) pelo Espaço Vital.

São, respectivamente, Maurício Dal Agnol e Osmar Fernandes Viana. Este ajuizou ação de cobrança em face do advogado, cobrando comissões referentes a serviços prestados de captação de clientes para o ajuizamento de ações revisionais contra a Brasil Telecom.

A  contratação ocorreu em 2009, mediante a promessa de pagamento de 20% sobre o total recebido pelo réu a título de honorários contratuais. O requerente alegou que deixou de receber a comissão sobre sete processos judiciais, sendo credor de R$ 9,2 mil. Com correção e juros, a cifra atual é pouco superior a R$ 10 mil.

Maurício Dal Agnol alegou a impossibilidade jurídica do pedido, “porque o serviço de captação de clientes é atividade ilícita, sem proteção legal” – não existindo, portanto, no mundo jurídico.

Sentença proferida pela juíza Lizandra Cericato Villarroel, na comarca de Passo Fundo (RS), julgou a demanda improcedente, por entender que o contrato de serviços é nulo, já que se prestou para uma atividade proibida pelo Estatuto (artigo 34, incisos III e IV, da Lei 8.906/1994) e pelo Código de Ética e Disciplina da OAB (artigo 7º). O dispositivo veda a oferta de serviços profissionais que impliquem em ‘‘inculcação ou captação’’ de clientela.

Julgando a apelação do angariador Osmar Fernandes Viana, o desembargador relator Vicente Barroco de Vasconcellos, da 15ª Câmara Cível do TJRS, deu provimento ao recurso, por entender que a atividade é proibida para advogados, mas não para o autor da ação de cobrança.

Conforme o acórdão, "a ilicitude da conduta do advogado réu contratante não é aplicável ao autor contratado, de modo que este faz jus ao recebimento dos valores ajustados contratualmente em razão dos serviços prestados”. O acórdão explicita ainda que “vedar o direito do autor à percepção dos valores devidos em virtude de serviços prestados é beneficiar o réu por sua própria torpeza”.

Os advogados André Bervian Crestani e William Silveira Batista atuam em nome do agenciador. (Proc. nº 70075434480).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.