Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Condenação criminal de advogado gaúcho por assédio sexual contra estagiária



Imagem meramente ilustrativa – Arte de Camila Adamoli sobre foto Elmogaz

Imagem da Matéria

Crimes contra a dignidade sexual

Publicação feita pelo Diário da Justiça Eletrônico do TJRS no dia 15 de dezembro de 2017 - e cuja ação penal aguarda a certificação de possível trânsito em julgado – condenou criminalmente um advogado porto-alegrense por crimes contra a dignidade sexual, praticados por “pelo menos cinco oportunidades” na sede do Conselho Tutelar da 3ª Microrregião, em Porto Alegre. Ali o acusado exercia suas atividades de conselheiro tutelar. Ele tem 60 anos de idade.

A sentença proferida pela juíza Tatiana Gischkow Golbert, da 6ª Vara Criminal de Porto Alegre, afirmou que “o réu tem plena consciência da ilicitude dos atos praticados, e é capaz de se guiar por tal entendimento”. Considerou ser ele primário e sem antecedentes.

Numa das passagens, o acórdão – que é minucioso quanto a detalhes dos frequentes assédios - refere que, certa ocasião, o agora réu também ofereceu à vítima uma oportunidade de estágio em escritório de advocacia de um amigo dele. Como a estagiária, inicialmente, demonstrasse interesse, o acusado “tratou de esclarecer que ela teria, então, que ´dar´ - manter relação sexual – para o advogado titular desse escritório, pois todas as que lá trabalhavam faziam isso”.

Julgando a apelação do réu, a 6ª Câmara Criminal do TJRS confirmou a procedência da ação penal, mas redimensionou a pena para um ano e quatro meses de detenção. Esta será cumprida, inicialmente, em regime aberto, substituída por duas restritivas de direitos, consistentes em prestação de serviços à comunidade, conforme suas aptidões, à razão de uma hora de tarefa por dia de condenação.

O trabalho terá a duração de oito horas semanais e será realizado aos sábados, domingos e feriados, ou em dias úteis, nos horários estabelecidos pelo juiz (art. 149, § 1º, da LEP). O advogado condenado também pagará prestação pecuniária no valor de um salário mínimo em favor da FADEP. A sentença foi mantida em suas “demais disposições periféricas”.

A sanção penal de maior peso moral aparentemente se extrai de um dos comandos do voto da desembargadora relatora Bernardete Coutinho Friedrich: “Saliento que a circunstância de o presente processo criminal tramitar em segredo de justiça (art. 234-B do CP) não tem o alcance de determinar a abreviação do nome do réu, porquanto a medida visa proteger a intimidade da vítima, e não do acusado”.

Neste sentido, a magistrada transcreve voto proferido pelo ministro Marco Aurélio, do STF, no HC nº 113837/RS: “(...) Admito que a vítima de estupro deva ser preservada (...). Agora, preservar-se a figura do paciente e abandonar-se princípio medular, em se tratando de administração pública gênero, como é o da publicidade, é passo demasiadamente largo. Por isso, preconizo a retificação da autuação, para constar o nome do paciente por inteiro, não apenas as iniciais”.

A OAB-RS não tinha sido, até ontem (final da tarde), comunicada da decisão. Nos assentamentos da entidade, a situação do atual do advogado é “normal”. (Proc. nº 70072719974).

Ministério Público X Decolar.com


O Ministério Público do Rio de Janeiro ingressou na sexta-feira (2) com ação judicial contra a Decolar.com buscando milionária indenização coletiva por danos morais e materiais a consumidores. Por meio de atas notariais lavradas, nos momentos de compras simultâneas on line, no Rio e em Buenos Aires, a ação quer punir financeiramente a manipulação de preços de diárias de hotéis, conforme a origem geográfica do comprador.

Há comparações, ao longo de 18 meses de investigações, de que compras quando feitas no Brasil são 30 a 49% mais caras do que os preços ofertados aos argentinos. O Espaço Vital não obteve retorno à sua iniciativa de colher o contraponto da empresa.

Controlada pelo fundo de investimento Tiger Global Management, de Nova York, a Decolar.com é a filial brasileira da empresa argentina Despegar.com , maior agência de viagens da América Latina. Decolar é a tradução literal da palavra despegar (em espanhol), que é o movimento de uma aeronave alçar voo.

No grupo, são cerca de 4 mil profissionais; o faturamento anual é de aproximadamente US$ 4 bilhões. Mesmo sendo filial da célula argentina, a brasileira Decolar.com concentra 58% do volume de vendas de todo o grupo. A sede brasileira fica em Guarulhos; tem 650 funcionários.

Causa bilionária


Na semana posterior ao carnaval – provavelmente na terça 20 - o TST julgará um bilionário recurso numa causa que envolve as horas extras nos repousos remunerados da Petrobras (sempre ela...).

Dependendo do pêndulo judiciário, a condenação da estatal pode balançar dos R$ 2 bilhões a R$ 5 bilhões. Ou ser zerada, O pagamento – ora cobrado no Juízo trabalhista - está previsto num acordo feito no primeiro governo Lula.

Para o presidente da OAB do Rio, advogado Felipe Santa Cruz – que é o defensor da estatal - “tal acordo gerou distorções como salários variando de R$ 100 mil a R$ 150 mil”.

Dieta federal...   


A “rádio-corredor” da OAB de São Paulo irradiou ontem (5) um potim revelador de que a gastronomia da Polícia Federal não está para troféus.

A conclusão surgiu um dia depois que, na última quinta-feira (1º), os irmãos Batista passaram pela pesagem oficial.

Joesley emagreceu 12 quilos; Wesley está 20 quilos mais leve.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Publicidade também dos processos judiciais criminais

 Promotor de justiça pede ao TJRS que implemente, com urgência, a pesquisa por nome nas ações penais.

 CNJ pede a desembargador do TRT-RS que explique manifestação política em favor de um dos candidatos à Presidência da República.

 Carnaval político: em 2019 no sambódromo carioca, uma homenagem a Lula ou a um bode do Ceará?

 Pela primeira vez na História, o Brasil melhora no ranking da corrupção da Transparência Internacional.

O jeitinho aritmético ensinado por juiz para ganhar e manter gratificação

  Em vídeo postado no fim-de-semana nas redes sociais, o ex-presidente da AJUFE da 2ª Região orienta como assegurar mais um penduricalho.

  Tartarugas em ação: o tempo médio de duração dos processos, no Brasil, passou de 26 meses para 33 meses.

  Afinal, o lançamento ontem (15) da candidatura de Ricardo Breier à reeleição na OAB-RS.

Legitimidade da esposa para queixa-crime contra autor de postagem que sugere relação extraconjugal homossexual do marido dela

  Caso decidido pelo STF virou tititi em Brasília, pois envolve revelação feita por um senador sobre supostas relações homossexuais entre dois políticos.

  Decisão do STJ considera o proveito econômico para balizar os honorários de sucumbência.

  CNJ afasta juiz por “desvio de conduta”.

 Correção monetária para o ressarcimento de tributos só após o 360º dia.

Simulação de casamento: o caso do sobrinho (19 de idade) que formalmente casou com uma tia-avó (84 de idade) para, quando ela falecesse, embolsar uma pensão de R$ 6.584 mensais

 Advogada porto-alegrense será indenizada pela American Airlines, após furto do conteúdo de mala, em voo internacional.

 Emoções jurídicas: discussão sobre direitos autorais, em shows de Roberto Carlos durante cruzeiros marítimos.

 A cara Justiça brasileira: em 2017, gastou R$ 90,8 bilhões em 31 milhões de processos.

A impossível convocação de uma Assembleia Constituinte desejada por Haddad

 Em qualquer democracia que mereça o nome, a Constituição só pode ser alterada por emendas submetidas a dois turnos de votação na Câmara e no Senado e aprovada por quórum especial (60%) de três quintos.

 Nas cláusulas pétreas não se mexe. Elas estão no artigo 60 da Carta Magna.

 O futuro Presidente da República e os 3% que ele poderá dispor no orçamento.

 A arrecadação do Brasil, do ano que vem, foi estimada em R$ 3,26 trilhões. Do total, R$ 1 trilhão e 560 milhões serão usados para pagar juros, amortizações e refinanciamento da dívida.

A aritmética da oposição às eleições da OAB-RS: chapa com 71 homens e 71 mulheres

 A campanha que tem como um de seus motes “Mulher não vota em quem veta” está sendo cuidada pelo publicitário Alfredo Fedrizzi.

 Em busca da reeleição, Ricardo Breier terá uma mulher como companheira de chapa.

  Empresário Abílio Diniz, o 14º brasileiro mais rico, aproxima-se de Fernando Haddad.

  Henrique Meirelles já gastou R$ 45 milhões em sua campanha, mas tem apenas 2% das intenções de voto.