Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Culpados e inocentes: uma demora de 14 anos a favor de Romero Jucá



Chargista SponHolz

Imagem da Matéria

O Supremo deu, esta semana, mais um (mau) exemplo de sua ineficiência para julgar (e até mesmo absolver) políticos com foro privilegiado. Depois de 14 anos, a corte arquivou um inquérito que apurava se Romero Jucá recebeu propina em obras no seu Estado. O notório senador não foi considerado nem culpado, nem inocente – porque o caso prescreveu.

Os registros mostram que o acúmulo de trabalho no gabinete de Gilmar Mendes ajudou na cronologia que assou a pizza servida ao presidente do PMDB. Há mais dez inquéritos em tramitação contra  ele.

Depois disso, Gilmar assumiu a presidência do STF e ainda aguardou, até setembro de 2011, para pautar a questão de ordem que levantou: ele propôs devolver o caso à primeira instância, mas foi derrotado na votação.

Durante os cinco anos em que foi retardado o inquérito, o calendário correu contra a investigação e ... a favor de Jucá.  Para conferir, basta acessar a página de informações processuais do tribunal. (Inquérito nº 2.116).

A propósito

O senador roraimense ainda responde no STF a dez inquéritos e acredita que todos eles serão arquivados.

Há quem diga que sua nova profecia tem grandes chances de virar realidade.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Diogo

Eliana Calmon conhece bem o Judiciário – e está com medo

 

Eliana Calmon conhece bem o Judiciário – e está com medo

Em entrevista ao Brazil Journal, a ex-corregedora nacional de justiça fala sobre o STF, corporativismo, a “louca Justiça do Trabalho”, bandidos de toga, CNJ, etc. Temerosa da próxima gestão de Dias Tóffoli na presidência do Supremo, Eliana assegura haver promiscuidade do Judiciário com a classe política. “Mas não foi o PT que inventou isso. O PT aprofundou todas essas mazelas estatais colocando-as a serviço do poder de um partido”.

Charge Humor Político

O rachão do Supremo

 

O rachão do Supremo

Em criativa matéria de página inteira, o jornalista Diego Escosteguy apresentou esta semana, em O Globo, uma análise – tal qual time de futebol – dos onze ministros do Supremo. O atual “trio de ouro” é formado pelo goleiro Gilmar, pelo zagueirão Lewandowski e pelo volante Toffoli. Nas arquibancadas, torcedores voltaram a pedir a saída da metade do time titular – que, não raro, muda o resultado no tapetão.

As secretárias fazendo audiências e a juíza auferindo vantagens indevidas

STF nega seguimento a mandado de segurança interposto por magistrada, investigada pelo CNJ, por delegar atos jurisdicionais. “Tal delegação – além de usurpar o exercício de função pública – permite também que a magistrada aufira vantagens indevidas, porque remunerada para exercer as referidas atividades”.