Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de maio de 2018.

O caixão das gavetas secretas



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Mauricio Antonacci Krieger, advogado (OAB-RS nº 73.357)

No leito da morte, Wilsom chama um de seus filhos a quem entrega uma carta. Nela pede que seu desejo, ali escrito, seja inteiramente atendido. Poucos minutos depois, o idoso morre. O filho abre o envelope e percebe -  qual testamento - o desejo do pai em dividir a herança e... um pedido inusitado: ser sepultado em um caixão, com duas escamoteadas gavetas, que já mandara fazer e deixara pronto.

No testamento particular, breves instruções com um pequeno mapa sinalizando o local onde estavam escondidos cinco mil dólares; estes deveriam ser colocados dentro das duas gavetas do caixão excêntrico e fechadas com cadeados. Destes, as chaves deveriam ser jogadas no rio que margeia a cidade. 

O documento insiste para que o desejo de última vontade seja cumprido, pois Wilsom era devedor dessa quantia para um irmão que falecera em 2010. No arremate, uma frase: “Quando eu chegar ´lá em cima´ quero acertar as contas com o mano, fazendo as pazes, assim vivendo nós em harmonia eterna”.

O filho segue as instruções do pai e o enterro acontece como o planejado: o provecto senhor é sepultado com os dólares dentro das duas gavetas do caixão.  Uma semana depois, outro filho de Wilsom entra com ação judicial, requerendo a exumação para a retirada de todo o dinheiro, arrolando-o no inventário, para futura partilha.

Há necessidade de urgência na prestação jurisdicional, a fim de evitar o furto, visto que muita gente sabe da história” – arremata a petição.

O filho que fizera o sepultamento do pai, contesta. Alega que a última vontade do genitor vale mais do que a quantia enterrada. O caso, ainda sem definição judicial, está sendo analisado por uma Vara de Família gaúcha. Muitos duvidam que o dinheiro ainda esteja lá.  

Na “rádio-corredor ”forense, palpiteiros tentam adivinhar a futura decisão judicial - que poderá abrir precedentes para que muitos outros “pão-duros” também enterrem joias e pertences.

Por enquanto, o administrador do cemitério exerce com lealdade suas funções de “fiel depositário do esquife e todo o seu conteúdo”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Exagero na relação conjugal

 

Exagero na relação conjugal

Meia-noite de uma sexta-feira, Sua Excelência e a esposa – ele cinquentão, ela quarentona - tentam apimentar o relacionamento sexual. Por isso combinam que ela, em decúbito ventral, será algemada num dos decorativos vãos da cabeceira da própria cama do casal

Charge de Gerson Kauer

Os vinhos da Lava-Jato

 

Os vinhos da Lava-Jato

O destacado advogado gaúcho, recém divorciado, atuante na defesa de gente alcançada por decisões de Sérgio Moro, entra com a jovem namorada num notório restaurante em Porto Alegre, olha a carta de vinhos e pede uma garrafa do mais caro dos itens disponíveis.

Charge de Gerson Kauer

Quando a vida vira Coca-Cola

 

Quando a vida vira Coca-Cola

O departamento de aposentados da grande e atuante associação de juízes realiza um encontro de colegas jubiladas. Por sugestão de desembargadora oriunda do Ministério Público, convidam-se também promotoras e procuradoras de justiça.

Charge de Gerson Kauer

Amor à prova de balas

 

Amor à prova de balas

O homem é denunciado por tentativa de homicídio contra a própria companheira. Um tiro de raspão na cabeça; o outro num dos olhos dela. A vítima fica com apenas 50% da visão. Mais tarde, após a condenação dele, a reconciliação do casal. Adivinhem como era o nome dele?