Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Assessor de juiz “julga necessário” esclarecer sobre demora processual



O Espaço Vital de sexta-feira (9) publicou “Carta de Leitora” da advogada Vera Cigana, deplorando a demora no julgamento de um recurso de embargos de declaração (mais de um ano e meio) e a presença inquietante de Madame Tartaruga, numa das varas da comarca de Caçapava do Sul (RS).

O assessor de juiz Daniel Ancara Viacava enviou mensagem em que diz que “julga necessários” alguns esclarecimentos. Mas em nenhum momento contesta a pertinência dos detalhes contidos na crítica sobre a lenta tramitação.

Há uma novidade revelada: entre o vai-e-volta no percurso interno ´cartório - gabinete do juiz - cartório´, a Corregedoria-Geral da Justiça estaria tolerando o prazo de 30 dias. A conferir. (Proc. nº 040/1.15.0000342-1).

Eis o texto recebido pelo Espaço Vital:

1. Em vista da publicação, julgo necessários os seguintes esclarecimentos. Em pesquisa ao saite do Tribunal de Justiça, constata-se que o referido processo foi entregue em cartório, com petição, no dia 31 de agosto de 2016. Entre os dias 31 de agosto e 24 de outubro de 2016, houve juntada de diversos documentos, inclusive entrega de autos em carga para cópia e remessa dos autos ao distribuidor.

2. O processo somente foi concluso ao juiz no dia 24 de outubro de 2016, e foi retornado ao cartório no dia 16 de novembro de 2016, ou seja, dentro do prazo de 30 dias exigido pela Corregedoria-Geral de Justiça. O processo foi novamente concluso em 06/03/2017 e devolvido ao cartório em 21/03/2017.

3. Ressalto, por fim, que o gabinete sempre empreendeu esforços no sentido de prestar uma jurisdição célere, não raramente com o magistrado e servidores trabalhando além da jornada de trabalho e em finais de semana, o que culminou, inclusive, no recebimento de menção honrosa por desempenho (3º Lugar) no Prêmio Melhor Unidade Jurisdicional.

Sem mais para o momento, coloco-me à disposição para esclarecimentos necessários.

Daniel Andara Viacava, assessor de juiz
d.viacava@tjrs.jus.br
Gabinete do magistrado Leonardo Bofill Vanoni”

>>>>>>>>>>
Nota do editor – O Espaço Vital não recebeu qualquer manifestação do juiz da causa, a quem compete solver os embargos de declaração. Tentou-se contato com o juiz-corregedor da região. Não houve resposta.

Leia na base de dados do Espaço Vital:
Demora para decidir embargos de declaração


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

   Para quem gosta de tartarugas

 

Para quem gosta de tartarugas

“Pelo menos um mês para juntar uma simples petição - e depois, só Deus sabe quanto tempo, para publicar o despacho”. E o desabafo de um advogado porto-alegrense: “o que será de nós, que dependemos destes criatórios de tartarugas para ganhar o pão de cada dia?”.

Juíza gaúcha nega a aplicação de lei que isenta custas em execução de honorários

Magistrada invoca precedentes antigos de 2011 e 2015. Um deles sustenta que “a natureza alimentar dos honorários não vai ao ponto de que se lhes possa estender os privilégios atribuídos ao crédito alimentar decorrente do vínculo familiar. A ser assim, em breve estaríamos autorizando a prisão de quem não pague honorários advocatícios”.