Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/jus_colorada_caricatura.jpg

O banho de realidade que determinou a queda de prestígio do RS



Esporte Band - Reprodução

Imagem da Matéria

1. GRE-NAL é GRE-NAL

Nós gaúchos temos o hábito de “engrandecer” o que é nosso. Aqui, tudo é melhor e como não bastasse, já que o hino fala “em toda terra”, o melhor é em relação ao mundo.

A nossa história recente tem demonstrado que não é bem assim. Várias outras unidades da federação, como Santa Catarina por exemplo, assumem a dianteira no desenvolvimento econômico, na educação, na escolaridade, na saúde e na segurança. 

O banho de realidade que determinou a nossa queda de prestígio não retirou por completo os nossos traços de arrogância. Continuamos garganteando, intitulando-nos como os mais honestos, os mais trabalhadores, os mais sérios e assim por diante.

Temos o melhor pôr do sol do mundo! É bem verdade que jamais alguém comparou o nosso com qualquer outro nesse vasto mundão de lugares maravilhosos.

Somos a capital mais culta do país! É bem verdade que os teatros e as casas de espetáculos de Porto Alegre fecharam as suas portas. Que os grupos de teatro e de cinema encerraram as suas atividades e a/o Pablo Vittar, bem como outras “expressões artísticas” do memento, têm aqui o mesmo sucesso que no restante do país. 

Bem, mas em termos de gabolice, escutei repetirem no domingo passado que o Gre-Nal é o maior clássico do mundo!

Diante da total falta de fundamento para a assertiva gauchesca, a única explicação possível é a de que ele nos diz respeito e os demais clássicos do futebol mundial, não. Uma lógica egoísta, mas que nos permite bradar uma falsa verdade.

Como somos todos gaúchos, como somos nós que vamos ao estádio, com nós é que sofremos com a ansiedade provocada pela disputa ouvindo as locuções e comentários dos jornalistas esportivos locais, não custa nada acreditar nisso.

Deixemos assim, considerando mais uma mentirinha que aplicamos em toda terra.

Mas, o último “maior confronto desportivo do mundo” foi para lá de morno e inexpressivo. Tivemos um primeiro tempo em que o nosso adversário jogou mais e, no segundo, o nosso time foi superior. Assim, afastado o resultado, consideradas as duas partes do tempo, as equipes foram rigorosamente iguais.

Não houve superioridade no maior clássico do universo. Não percebi obstinação por parte de atletas, treinador e direção correspondente à grandeza do confronto.

Mas há um detalhe no Gre-Nal que revela muito mais a sua natureza de disputa aguerrida do que o futebol jogado. No início da partida, quando o árbitro promovia o sorteio do campo e do pontapé inicial, o Dale e o capitão do adversário, travaram um embate caloroso. Falas ríspidas, dedos na cara do outro, etc.

O que teria havido para tanto?

Segundo informado, o árbitro teria comunicado aos dois que haveria conferência das imagens pelo árbitro de vídeo. Diante disso, o capitão do adversário teria dito: “Que bom, assim o Dale não apitará o jogo!

O nosso Gringo, reagiu com toda a sua irresignação, dando o tom inicial da partida que começou minutos depois. Mas ficou nisso!

No campo, aquilo que faz a diferença não foi visto. A irresignação não foi aproveitada como chama no pavio para fazer explodir em campo a vontade de vencer.

Foi uma pena, pois em matérias de confronto o que vale é o resultado que vai para a estatística. Assim, o que constará é que fomos derrotados em nossa casa pelo tradicional adversário.

Haverá tempo para escrever outra página; há mais um Gre-Nal no próximo domingo. Que entre em campo a garra e o desejo de não perder nem lateral.

2. ADEUS XUXU

Na quarta-feira foi noticiado o falecimento do Xuxu, torcedor símbolo do Internacional. Já fazia algum tempo que ele estava doente. Na última vez que nos encontramos recebi dele um abraço e como sempre, um beijo no rosto.

Contou-me das dificuldades que estava passando e do sofrimento com a doença. Apesar de desfigurado e magro, falou do Internacional.

............................................................................................................................................................................................

- Roberto Siegmann escreve Jus Vermelha às sextas-feiras. Contato: roberto@SiegmannAdvogados.com.br

- Lênio Streck escreve Jus Azul às terças-feiras. Contato: lenios@globomail.com


Comentários

Ressoli Luís Baldo Cunha - Advogado 16.03.18 | 10:35:22

Discordo do "escritor torcedor colorado"... As duas equipes não foram iguais no clássico em hipótese alguma... demonstra total desconhecimento da técnica futebolística, o que aliás é normal para um colorado. Evidentemente, que a equipe que está perdendo por 2x0 no primeiro tempo, tem que tomar as rédeas do jogo e tentar reagir no segundo tempo... Ao Grêmio, apenas cabia se defender e contra-atacar...afinal, por que se desgastar se estava em vantagem? Deu um banho de bola no início...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O mistério da camiseta branca no mundial

“O futebol também tem como característica a superstição. Quem frequenta o vestiário testemunha jogadores rezando antes do início das partidas e ao final. É um rito constante e que abrange a todos, independentemente do credo religioso. Todos rezam um Pai Nosso e uma Ave Maria, no mínimo”.

A velhice prematura e as especulações para a Copa do Catar

“Neste inverno rigoroso do RS, chega a ser hilário considerar velho alguém no auge dos seus trinta e poucos anos. Mas é a realidade do futebol, esporte que cada vez mais se caracteriza como uma modalidade atlética”.

A sentença condenatória de Neymar

“Quanto às simulações de faltas, não vejo o futebol como uma ilha de virtudes.  Lembro da famosa ´mano de Dios´, do Brasileirão de 2005, dos dirigentes da FIFA, das confederações, dos ´tribunais esportivos´, e das negociatas com as grandes redes de comunicação”...

Um projeto para o Internacional

“O futebol e as miragens. Não é possível o Internacional continuar administrado com métodos superados. Hora de um ponto final às entrevistas fantasiosas que analisam a derrota na base da ficção”.  

Noventa milhões em ação, pra frente Brasil !

“Um time inesquecível, sem cabelos pintados, sem cortes exóticos, sem brincos e sem tatuagens. Apenas excelentes jogadores de futebol. Não sabíamos com quem eram casados, quem eram seus casos amorosos”...

O Sputnik, Laika, Yashim e a Perestroika Vermelha

“No S. C. Internacional, em Porto Alegre - a 12.648 km de distância de Moscou - diante da mudança dos resultados dos jogos, pelo afastamento de algumas figuras carimbadas e como pela contratação de um profissional renomado analogicamente, vivemos uma Perestroika”.