Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 14 de agosto de 2018.

Incompatibilidade de cargo de assistente do Detran com a advocacia



A 2ª Turma do STJ negou provimento a agravo interno interposto por Rodrigo Costa Macedo, assistente de trânsito do Detran de Pernambuco, que teve sua inscrição na OAB negada, sob o fundamento de incompatibilidade do cargo por ele ocupado com a advocacia.

A sentença de primeiro grau, confirmada no acórdão de apelação, deu provimento ao pedido do assistente de trânsito e determinou sua inscrição definitiva no quadro de advogados da seccional da OAB em Pernambuco. Para o TRF da 5ª Região, “as funções atribuídas ao assistente de trânsito não teriam natureza policial”.

A OAB-PE interpôs recurso especial no STJ, alegando que a decisão do TRF-5 violou o artigo 8º, V; o artigo 11, IV, e o artigo 28, V, da Lei nº 8.906/94, sob o argumento, em síntese, de que no Detran o assistente de trânsito exerce atividade de fiscalização, tendo atribuições como vistoria, notificação, autorização e licença, constituindo verdadeira expressão do poder de polícia.

Nesse contexto, sua função seria incompatível com a atuação como advogado.

Em decisão monocrática, o relator no STJ, ministro Francisco Falcão, deu provimento ao recurso especial da OAB. Ele citou declaração fornecida pelo Detran-PE que confirmou que o assistente de trânsito exerce atividades inerentes à fiscalização e outras que se inserem na conceituação do poder de polícia, conforme estabelecido no artigo 78 do Código Tributário Nacional.

Segundo o dispositivo, “considera-se poder de polícia a atividade da administração pública que, limitando ou disciplinando direito, interesse ou liberdade, regula a prática de ato ou abstenção de fato, em razão de interesse público concernente à segurança, à higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina da produção e do mercado, ao exercício de atividades econômicas dependentes de concessão ou autorização do poder público, à tranquilidade pública ou ao respeito à propriedade e aos direitos individuais ou coletivos”.

O ministro disse que o STJ já possui entendimento sedimentado no sentido de ser incompatível o exercício da advocacia com a ocupação de cargos ou funções que estejam vinculados, de forma direta ou até mesmo indireta, à atividade policial de Por unanimidade de votos, o colegiado da Segunda Turma manteve a decisão do relator. (REsp nº 1688947 – com informações do STJ e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.

Morre o advogado Mathias Nagelstein

Ele teve sucesso na carreira política, ocupando cargos nos governos de Alceu Collares. Foi também juiz do Tribunal Militar do RS. Sem êxito concorreu em novembro de 2009 às eleições da OAB gaúcha.