Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Potins desta terça-feira



• O outono de Cunha

A defesa de Eduardo Cunha conta os dias para ingressar, em maio no TRF-4, com o pedido para que o ex-deputado possa cumprir em casa o restante da pena de sua primeira condenação (15 anos e 4 meses), na Lava-Jato, por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. É aquele caso da propina de R$ 5 milhões, na venda de um campo de exploração de petróleo em Benin, na África.

Os advogados e o próprio Cunha sabem que o pleito de progressão de regime - por cumprimento de um sexto da pena - não resultará em liberdade, na prática. É que há diversas outras ações penais em curso contra ele.

A próxima a ser sentenciada é a do suposto desvio de dinheiro na compra de navios-sonda da Petrobrás.

• O sol quadrado

As possibilidades de Sérgio Cabral voltar a ver, todos os dias, o sol nascer redondo estão se esgotando. Nas próximas semanas, o TRF da 4ª Região julgará a primeira apelação do ex-governador carioca.

Já condenado a mais de 100 anos de cadeia na Lava Jato, ele enfrentará a 8ª Turma. São os mesmos desembargadores que aumentaram a pena de Lula.

• Madame Tartaruga, a bem-vinda

Madame Tartaruga esteve na sexta-feira na 2ª Vara Judicial de São Lourenço. Queria saber “as últimas” de uma ação penal em que estão denunciados um ex-juiz de direito, o pai dele, dois advogados e um servidor forense.

A ovípara quelônia de sangue frio - que ordinariamente anda rojando o ventre pelo chão - saiu satisfeita ao constatar que o processo, que ali aportou há mais de cinco anos, encontra-se parado há 15 dias.

Está num plácido local cartorário, para a difícil tarefa de “juntar documentos”.

A réptil logo fez uma anotação em sua agenda de chicanas: “Confraternizar com os amigos no dia 26 de abril”. Em tal data a ação completará seis anos de secundária tramitação na comarca. (Proc. nº 067/2.12.0000502-2).

• Mulher sem respeito

Decisão judicial que negou medidas protetivas a uma mulher ameaçada de morte pelo ex-namorado, também criticou a decisão dela de fazer o pedido, sem apresentar uma representação criminal.

Para o juiz plantonista Joseli Luiz da Silva, do Foro de Goiânia (GO), ao agir assim, a mulher não se dá ao respeito.

O magistrado também sugeriu que ela colocasse "para moer", (...) “porque legítima defesa é muito mais eficaz que qualquer medidazinha de proteção". Mais: “É um nada decidir que o agressor deve manter determinada distância”.

A perolar digressão jurisdicional continua: “Enquanto a mulher não se respeitar, não se valorizar, ficará nesse ramerrão sem fim - agride/reclama na polícia/desprotegida".

O juiz arremata: “Se a representante quer mesmo se valorizar, se respeitar, se proteger, então bata com firmeza, bata com força, vá às últimas consequências, e então veremos o quanto o couro grosso do metido a valente suporta". (Processo em segredo de justiça).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Potins desta sexta-feira

 Negado vínculo de emprego entre carregador de tacos de golfe e o Country Clube de Porto Alegre.

 Um homem e sua união estável com duas mulheres

TRF-4 mantém liminar que impede governo do RS de arquivar a extinção da Fundação Piratini.

 CF da OAB diz que o modelo da Agência Nacional de Saúde e outras reguladoras está falido.

 Auxílio-acidente depois do auxílio-doença.

 MPF vai pedir, em agosto que Adriana Ancelmo volte para a prisão.

Potins desta sexta-feira

•  Cartazete em escritório de advocacia gaúcho explica a cobrança de R$ 150 por consulta: “É da mesma forma como acontece quando o(a) distinto(a) cidadão(ã) vai a um médico particular”.

• Pensões distintas para filhos do mesmo pai. O STJ flexibiliza o princípio da igualdade absoluta de direitos.

•  Um precedente do TST que vai mexer no adicional noturno.

•  Restrições ao prazo em dobro quando houver litisconsórcio de réus.

•  Os apertos de julho... E o que nos espera em agosto?

Potins desta terça-feira

 O futuro presidente Toffoli já começa a pensar no aumento para o Judiciário.

• Rodrigo Janot vem ao RS para falar sobre eleições e corrupção.

 Foi em Santiago (RS), a audiência criminal em que o réu não aceitava uma mulher juíza!

 O ano de 2014 que ainda não acabou em Porto Alegre.

 Desaprovação ao governo brasileiro só não é pior do que a de Bósnia-Herzegovina.

 O jeitinho para evitar o avanço no combate da corrupção no Brasil.

• Discriminação nos EUA contra mulheres grávidas empregadas.

 Colega de Rosa Weber no STF avalia que ela é a “ministra pêndulo”.

• Os 60 dias pedidos pela PGR que vão ajudar Michel Temer.

Potins desta terça-feira

 Gleisi Hoffmann quer que o Judiciário se sensibilize com o caos social e libere Lula.

• Na política brasileira, outubro chegou em junho.

 STJ decide se cidadã pode deixar de se chamar Tatiana, para ser Tatiane.

 Ainda sem título definitivo, vem aí as “memórias do cárcere de Lula”.

• As buscas no apartamento de Augusto Nardes: nada ostensivo...

 Brasileiros acreditam pouco na seriedade das eleições.

•  Benesses para os planos de saúde: 107% de aumento em sete anos.

Potins desta terça-feira

 Maior jornal da Inglaterra diz que “Sérgio Moro é “o homem que encerrou cinco séculos de impunidade no Brasil”.

 Governo acaba de criar mais um elefante branco: o SUSP, irmão do SUS.

•  STF vota na quinta-feira (24) proposta de nova súmula vinculante.

 Quando a “utilidade política” prevalece sobre a utilidade pública...

 Embaixadas para Temer, Moreira e Padilha – se Alkmin for Presidente da República. Mas ele nega.

• População com 60 de idade, ou mais, estará superando os moços de 16 a 24 anos, nas eleições de outubro.

 Impasse no TST para tentar orientar decisões uniformes em ações trabalhistas.

 Prorrogação do benefício de salário-maternidade, em decorrência de parto prematuro.

Novo slogan de Temer vira piada nas redes sociais

• A importância da vírgula: o presidente diz que “o Brasil voltou, 20 anos em dois”.

• Mas há quem ironize: “o Brasil voltou 20 anos em dois”.

 Uma busca e apreensão – por engano – na casa do secretário adjunto do CF-OAB.

 A prescrição que agrada banqueiros.

 Gilmar Mendes prevê uma avalanche processual nos foros e tribunais, Brasil afora.

 Quanto é dois mais dois?

• Uma análise de Joaquim Barbosa sobre o sistema político brasileiro.