Ir para o conteúdo principal

Edição de Sexta-feira, 20 de abril de 2018.

Potins desta terça-feira



• O outono de Cunha

A defesa de Eduardo Cunha conta os dias para ingressar, em maio no TRF-4, com o pedido para que o ex-deputado possa cumprir em casa o restante da pena de sua primeira condenação (15 anos e 4 meses), na Lava-Jato, por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. É aquele caso da propina de R$ 5 milhões, na venda de um campo de exploração de petróleo em Benin, na África.

Os advogados e o próprio Cunha sabem que o pleito de progressão de regime - por cumprimento de um sexto da pena - não resultará em liberdade, na prática. É que há diversas outras ações penais em curso contra ele.

A próxima a ser sentenciada é a do suposto desvio de dinheiro na compra de navios-sonda da Petrobrás.

• O sol quadrado

As possibilidades de Sérgio Cabral voltar a ver, todos os dias, o sol nascer redondo estão se esgotando. Nas próximas semanas, o TRF da 4ª Região julgará a primeira apelação do ex-governador carioca.

Já condenado a mais de 100 anos de cadeia na Lava Jato, ele enfrentará a 8ª Turma. São os mesmos desembargadores que aumentaram a pena de Lula.

• Madame Tartaruga, a bem-vinda

Madame Tartaruga esteve na sexta-feira na 2ª Vara Judicial de São Lourenço. Queria saber “as últimas” de uma ação penal em que estão denunciados um ex-juiz de direito, o pai dele, dois advogados e um servidor forense.

A ovípara quelônia de sangue frio - que ordinariamente anda rojando o ventre pelo chão - saiu satisfeita ao constatar que o processo, que ali aportou há mais de cinco anos, encontra-se parado há 15 dias.

Está num plácido local cartorário, para a difícil tarefa de “juntar documentos”.

A réptil logo fez uma anotação em sua agenda de chicanas: “Confraternizar com os amigos no dia 26 de abril”. Em tal data a ação completará seis anos de secundária tramitação na comarca. (Proc. nº 067/2.12.0000502-2).

• Mulher sem respeito

Decisão judicial que negou medidas protetivas a uma mulher ameaçada de morte pelo ex-namorado, também criticou a decisão dela de fazer o pedido, sem apresentar uma representação criminal.

Para o juiz plantonista Joseli Luiz da Silva, do Foro de Goiânia (GO), ao agir assim, a mulher não se dá ao respeito.

O magistrado também sugeriu que ela colocasse "para moer", (...) “porque legítima defesa é muito mais eficaz que qualquer medidazinha de proteção". Mais: “É um nada decidir que o agressor deve manter determinada distância”.

A perolar digressão jurisdicional continua: “Enquanto a mulher não se respeitar, não se valorizar, ficará nesse ramerrão sem fim - agride/reclama na polícia/desprotegida".

O juiz arremata: “Se a representante quer mesmo se valorizar, se respeitar, se proteger, então bata com firmeza, bata com força, vá às últimas consequências, e então veremos o quanto o couro grosso do metido a valente suporta". (Processo em segredo de justiça).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Potins desta terça-feira

 Advogado revela novo ponto de domínio dos flanelinhas em Porto Alegre.

• Eleições para a OAB-RS serão na última semana de novembro, no Gigantinho.

 Novas banheiras de hidromassagem para deputados federais.

 Fale com “Mister Bud”: ele anuncia os benefícios e malefícios da maconha.

• Mais da metade dos 640 mil orelhões espalhados pelo Brasil não são utilizados um minuto sequer.

• Qual o ministro preferido de Temer? Dou-lhe um, dou-lhe dois, dou-lhe três...

 Cinco procedimentos no CNJ contra desembargadora que ofendeu a falecida vereadora Marielle e pessoas com síndrome de Down.

Potins desta terça-feira

• FAB confirma ocorrência de diálogos ofensivos a Lula, durante voo de Congonhas a Curitiba.

• Advogado do ex-presidente pede apuração do “atentado”.

• Jorge Luis Dall´Agnol será o próximo presidente do TRE-RS.

• O enterro legislativo da Medida Provisória nº 808.

• Interessante decisão do TST em ação envolvendo demissão durante a vigência de contrato temporário.

Potins desta sexta-feira

• Todos os bens para a companheira, se o falecido não tiver deixado descendentes ou ascendentes.

• PT e MST deixarão de usar a expressão “abril vermelho”?

• A sensibilidade de Deltan Dallagnol, à espera do voto decisivo de Rosa Weber.

• Uma nova interpretação para a expressão ´trânsito em julgado´?

• Ministro do STJ diz ser “inconcebível" o número atual de cursos de graduação e pós-graduação em Direito.

Potins desta terça-feira

• 7 de abril, o Dia D no eventual calendário político de Claudio Lamachia.

• Duas vagas a serem disputadas por quatro pretendentes: Ana Amélia, Germano Rigotto, Paulo Paim e, se for o caso, pelo atual presidente nacional da OAB.

• O bode eleitoral de Dilma Rousseff: concorrer pelo RS, Minas Gerais ou Piauí.

• Quitutes pascais e penais no Complexo Médico Penal, em São José dos Pinhais (PR).

• Louvável iniciativa do TRT-RS na conscientização sobre o autismo

• Defender que “cachorros comam índios” é mera liberdade de expressão.

• Uma calúnia peculiar: comparar o vizinho com “os advogados do Lula”.

Reprodução das redes sociais

Potins desta terça-feira

 

Potins desta terça-feira

• Cirurgião vai deixar o paciente de peito aberto e promete voltar no dia 4 de abril.

• A boa vida de Paulo Roberto Costa: livre para se mudar a Portugal.

• Indenização para mecânico cuja rotina de trabalho incluía “eventualmente carregar cadáveres e sempre fazer refeições próximo ao mortuário”.

• Por que a direção da Papuda impediu que Paulo Maluf leia ´Memórias da 2ª Guerra Mundial´, de Winston Churchill.

• Súmula nº 171 do STF à moda Dilma.

• Obrigação de ministro é julgar.

Potins desta sexta-feira

• Acordo trabalhista sem incidência de contribuição previdenciária.

• Governo brasileiro cassa cidadania de homem que está foragido da Justiça dos EUA.

• Quarentena de três anos para magistrados e promotores.

• Alguém se habilita nos leilões judiciais de quatro imóveis de José Dirceu?

• Vereador condenado por se apropriar do salário de funcionário-fantasma.