Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Condenação da RGE em R$ 1 milhão por terceirização ilegal



O Ministério Público do Trabalho (MPT) obteve a condenação da Rio Grande Energia S.A. (Grupo CPFL Energia) ao pagamento de R$ 1 milhão por dano moral coletivo. A concessionária responsável pelo fornecimento de energia elétrica em 264 municípios do Estado intermediava ilegalmente mão de obra de trabalhadores. O valor será revertido ao Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT) ou outra finalidade compatível.

A decisão da 1ª Turma do TRT da 4ª Região deu provimento ao recurso ordinário interposto pelo MPT e reformou sentença da 24ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, que havia indeferido pedido de indenização.

Para os magistrados, "a intermediação de mão de obra (mero fornecimento de trabalhadores) é sempre ilegal, quer seja na atividade meio ou fim, formando-se vínculo diretamente com o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário”. A exegese decorre dos artigos 2º e 3º da CLT, que não foram alterados pela Lei nº 13.467/17 (reforma trabalhista), conforme pacificado no item I da Súmula nº 331 do TST.

A ação civil pública foi ajuizada antes da reforma trabalhista, mas a decisão do TRT-4 é posterior.

Para entender o caso

• O MPT havia obtido, em janeiro de 2017, no 1º grau, a condenação da RGE em ação civil pública ajuizada por terceirização ilícita. Inquérito civil (IC) constatou terceirização de atividades-fim da empresa. A denúncia partiu da 2ª Vara do Trabalho de Gravataí (RS) dando conta de centenas de ações trabalhistas contra a empresa, principalmente postulações de vínculo de emprego.

• Entre as atividades terceirizadas irregularmente estavam ligação, corte e religação de unidades consumidoras, regularização de ligações clandestinas, manutenção de linhas de transmissão, manutenções de emergência, projetos em redes de distribuição e em linhas de distribuição urbanas e rurais, e construção de redes de distribuição rural.

• A condenação impôs à empresa a obrigação de interromper as terceirizações destas atividades, sob pena de multa de R$ 50 mil por trabalhador atingido, no prazo de 180 dias após o trânsito em julgado da ação. A empresa também deveria pagar campanha pública, divulgando o conteúdo da condenação, no prazo de 15 dias após o trânsito em julgado, sob pena de multa de R$ 5 mil por dia. (Proc. nº 0020876-43.2015.5.04.0024 – com informações do MPT e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Bruno Galvão

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

 

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

Caso envolve a relação empregatícia de 20 anos de um trabalhador com a Unimed Federação das Cooperativas. O acórdão do TRT-4 (RS) cassa a exigência de valores líquidos dos pedidos. Julgador lamenta as “últimas várias condenações milionárias de trabalhadores em honorários advocatícios, que são um claro recado para que as pessoas pensem duas vezes antes de entrar com ação na Justiça do Trabalho”.

Danos morais coletivos causados por sindicato contra 1.500 trabalhadores

Cobrança irregular de honorários pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Roraima. A ação de conhecimento, que tramita há 28 anos, trata da classificação de cargos e diferenças salariais. A controvérsia sobre a verba advocatícia é de cerca de R$ 20 milhões.