Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Capítulo final do caso do magistrado gaúcho que mandou prender o gerente da agência bancária onde era cliente



Imagem meramente ilustrativa – Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Prendam o gerente do Banco do Brasil!

Afinal, quase 13 anos depois, terminou no STF nesta semana um caso de abuso de autoridade praticado por um magistrado gaúcho. O caso foi numa tarde hibernal, em 5 de julho de 2005, em Lavras do Sul. (RS). Cadastrado, na Serasa, pelo Banco do Brasil por inadimplência, o juiz da comarca, Jairo Cardoso Soares, afinal colocou suas contas em dia. Mas, insatisfeito com a demora do banco na reabilitação cadastral, o magistrado – sem prévia demanda judicial, nem amparo legal, nem tutela jurisdicional - armou uma operação em causa própria.

Utilizou duas viaturas e mobilizou oito pessoas, entre oficiais de justiça, policiais civis e militares, o delegado de polícia local, e testemunhas, levando-os à agência do Banco do Brasil, ali determinando que prendessem em flagrante o gerente Seno Luiz Klock. Este foi levado recluso a um quartel da Brigada Militar.

Detalhe impressionante foi a manifestação do delegado de polícia Alcindo Romeu Dutra Martins. Ele concluiu que "o autuado Seno Klock efetivamente infringiu o art. 171 do Código Penal e por ter curso superior (bacharel em Direito) e ser crime inafiançável será recolhido ao Pelotão da Brigada Militar, ficando à disposição da Justiça". Assim foi feito.

A liberação do gerente da agência do BB ocorreu cerca de 10 horas depois, por decisão da juíza Alessandra Couto de Oliveira, de uma comarca vizinha. Ela ratificou a prisão em flagrante (!), mas concedeu ao preso o benefício da liberdade provisória, afinal obtida só às 2 horas da madrugada seguinte.

A ação penal - por abuso de autoridade - contra Jairo prescreveu, e a demanda cível – após recursos, tartarugas e pilhas processuais – resultou, em abril de 2015, numa condenação cível de R$ 64.800 (valor nominal), a ser paga ao gerente, solidariamente, pelo Estado do RS e pelo juiz, mais a honorária de 20%. A conta final se aproxima dos R$ 100 mil (cálculo extraoficial). O julgado assegura também ação regressiva do Estado contra o magistrado.

Na última terça-feira (20), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo, fulminou o recurso de agravo de instrumento interposto contra a negativa de trânsito de recurso extraordinário. O agora aposentado juiz – após 29 anos de carreira na magistratura - inscreveu-se regularmente na OAB-RS (nº 19.604).

Exerce a advocacia na cidade de Três de Maio (RS), para onde tinha sido compulsoriamente removido pelo TJRS após o incidente de 2005 em Lavras do Sul. (Número no STF: ARE 1113654).

Para ler outros detalhes e o acórdão da condenação cível do então juiz, clique aqui. 

Perseguição digital

Um arquiteto acusado de perseguir uma professora universitária pela internet - ato batizado de ´cyberstalking´ - assinou acordo para encerrar ação cível contra ele em Minas Gerais: ele assumiu ter criado 32 e-mails e 60 perfis falsos em redes sociais.

Em decorrência, pagará indenização de R$ 10 mil e publicará uma retratação no Facebook. E a vítima usará a própria conta para contar o que ocorreu.

O caso começou quando a mulher passou a ser alvo de várias publicações ofensivas, inclusive com montagens baseadas em imagens pessoais, nas redes sociais Facebook, Instagram e Tinder.

Textos inventavam encontros amorosos e a participação da professora em grupos de encontro e sexo, além de mensagens que a xingavam de “imbecil”, “cadelinha” e “cobra”, por exemplo. (Processo em segredo de justiça).

Atestados sem limite

O TJ do Distrito Federal criou um precedente que vai agradar o funcionalismo público brasileiro: “Viola o direito à vida limitar o número de atestados médicos quando determinado servidor comprova necessidade de tratamento psiquiátrico contínuo”.

O acórdão afastou a aplicação do Decreto nº 37.610/2016 que só permite a funcionários públicos distritais apresentaram 12 atestados por ano.

A norma determinava que quem ultrapassasse esse limite teria as ausências consideradas como falta. Uma servidora, porém, questionou: ela começou tratamento psiquiátrico em agosto de 2011, passando a ser submetida a sessões de psicoterapia.

Precisa de uma sessão por semana. (Proc. nº 0709760-19.2017.8.07.0016).

Prazos em dias úteis

A CCJ do Senado aprovou nesta quarta-feira (21) o projeto de lei que altera a Lei dos Juizados Especiais Cíveis e estabelece a contagem de prazo para a prática de qualquer ato processual apenas de dias úteis, inclusive para a interposição de recursos.

O autor da proposta, senador Elber Batalha, defende a necessidade de uniformizar o sistema processual brasileiro quanto à contagem de prazos processuais em matéria cível. Tal porque a Lei nº 9.099/95 não previu expressamente a aplicação subsidiária do CPC/15.

A relatora, senadora Simone Tebet, informou que o projeto será importante para uniformizar os procedimentos adotados pelos tribunais estaduais. Segundo ela, há Cortes que adotam os dias úteis e outras consideram os dias corridos, causando confusão, principalmente, entre os advogados.

Apesar do argumento, o senador Randolfe Rodrigues foi o único a votar contra a proposição. Segundo ele, “seria necessário discutir melhor o assunto, visto que há no meio jurídico quem seja contra a mudança”. Ele explicou que mudar a contagem do prazo compromete a natureza e o funcionamento dos juizados.

O projeto será encaminhado à Câmara dos Deputados, se não houver recurso que pretenda, antes, a votação pelo plenário do Senado. (PLS nº 36/18).


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Publicidade também dos processos judiciais criminais

 Promotor de justiça pede ao TJRS que implemente, com urgência, a pesquisa por nome nas ações penais.

 CNJ pede a desembargador do TRT-RS que explique manifestação política em favor de um dos candidatos à Presidência da República.

 Carnaval político: em 2019 no sambódromo carioca, uma homenagem a Lula ou a um bode do Ceará?

 Pela primeira vez na História, o Brasil melhora no ranking da corrupção da Transparência Internacional.

O jeitinho aritmético ensinado por juiz para ganhar e manter gratificação

  Em vídeo postado no fim-de-semana nas redes sociais, o ex-presidente da AJUFE da 2ª Região orienta como assegurar mais um penduricalho.

  Tartarugas em ação: o tempo médio de duração dos processos, no Brasil, passou de 26 meses para 33 meses.

  Afinal, o lançamento ontem (15) da candidatura de Ricardo Breier à reeleição na OAB-RS.

Legitimidade da esposa para queixa-crime contra autor de postagem que sugere relação extraconjugal homossexual do marido dela

  Caso decidido pelo STF virou tititi em Brasília, pois envolve revelação feita por um senador sobre supostas relações homossexuais entre dois políticos.

  Decisão do STJ considera o proveito econômico para balizar os honorários de sucumbência.

  CNJ afasta juiz por “desvio de conduta”.

 Correção monetária para o ressarcimento de tributos só após o 360º dia.

Simulação de casamento: o caso do sobrinho (19 de idade) que formalmente casou com uma tia-avó (84 de idade) para, quando ela falecesse, embolsar uma pensão de R$ 6.584 mensais

 Advogada porto-alegrense será indenizada pela American Airlines, após furto do conteúdo de mala, em voo internacional.

 Emoções jurídicas: discussão sobre direitos autorais, em shows de Roberto Carlos durante cruzeiros marítimos.

 A cara Justiça brasileira: em 2017, gastou R$ 90,8 bilhões em 31 milhões de processos.

A impossível convocação de uma Assembleia Constituinte desejada por Haddad

 Em qualquer democracia que mereça o nome, a Constituição só pode ser alterada por emendas submetidas a dois turnos de votação na Câmara e no Senado e aprovada por quórum especial (60%) de três quintos.

 Nas cláusulas pétreas não se mexe. Elas estão no artigo 60 da Carta Magna.

 O futuro Presidente da República e os 3% que ele poderá dispor no orçamento.

 A arrecadação do Brasil, do ano que vem, foi estimada em R$ 3,26 trilhões. Do total, R$ 1 trilhão e 560 milhões serão usados para pagar juros, amortizações e refinanciamento da dívida.

A aritmética da oposição às eleições da OAB-RS: chapa com 71 homens e 71 mulheres

 A campanha que tem como um de seus motes “Mulher não vota em quem veta” está sendo cuidada pelo publicitário Alfredo Fedrizzi.

 Em busca da reeleição, Ricardo Breier terá uma mulher como companheira de chapa.

  Empresário Abílio Diniz, o 14º brasileiro mais rico, aproxima-se de Fernando Haddad.

  Henrique Meirelles já gastou R$ 45 milhões em sua campanha, mas tem apenas 2% das intenções de voto.