Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Ministro do STF suspende mudanças no local de cobrança de ISS



O ministro Alexandre de Moraes, do STF, suspendeu as mudanças no local de incidência e cobrança de ISS previstas na Lei Complementar nº 157/2016. Em liminar proferida na sexta-feira (23), o ministro entendeu que “a dificuldade na aplicação da lei ampliou conflitos de competência entre municípios, o que afronta o princípio constitucional da segurança jurídica”.

A liminar será enviada ao Plenário do STF para referendo – o que deve ocorrer após a Páscoa.

A ação direta de inconstitucionalidade foi ajuizada pela Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif) e pela Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (Conseg). A ação questiona a nova regra segundo a qual o ISS deve ser pago no município do tomador do serviço, e não no do prestador.

A mudança vale para os setores de planos de saúde de grupo ou individual, administrações de fundos e carteira de clientes, consórcios, cartões de crédito ou débito e arrendamento mercantil.

Antes da concessão de liminar, a cobrança do ISS tinha incidência no local do estabelecimento do prestador e não do domicílio do tomador.

Para o ministro Moraes, “tal alteração exigiria que a nova disciplina normativa apontasse com clareza o conceito de ‘tomador de serviços’, sob pena de grave insegurança jurídica e eventual possibilidade de dupla tributação ou mesmo ausência de correta incidência tributária”. (ADI nº 5.835 – com informações do STF).

Leia a íntegra da decisão.


MEDIDA CAUTELAR NA AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 5.pdf

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Lula não tem direito a dar entrevistas

Juíza que tem jurisdição sobre a execução da pena imposta ao ex-presidente nega pedido da Folha de São Paulo, SBT e Portal Uol.

Foi-se a Copa?

Versos de Carlos Drummond de Andrade, logo depois da Copa do Mundo de 1978 (Argentina campeã), vaticinaram que os brasileiros (derrotados) podem cuidar de outros problemas. O que acontecerá se Tóffoli assumir a presidência do STF em agosto de 2018?

Assédio em transporte escolar

TJRS confirma, em reexame necessário, sentença cível que determinou afastamento do condutor de veículo oficial que conduzia estudantes. Mas no juízo criminal houve a ocorrência da prescrição punitiva.