Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 10 de agosto de 2018.

Potins desta terça-feira



• Olhos no calendário

O gaúcho Claudio Lamachia está com uma inquietante indecisão: não sabe se filiará ao partido Podemos. Se a opção for afirmativa, terá que formalizá-la até o próximo sábado, 7 de abril. Exercerá, no caso, o direito constitucional assegurado a todo o cidadão brasileiro.

Acaso feito isso – se Lamachia quiser seguir como militante na política partidária – terá que se licenciar, até 5 de junho, da presidência nacional da OAB, a fim de disputar a convenção partidária como candidato ao Senado, pelo RS.

O passo seguinte será – entre 20 de julho e 5 de agosto – ter seu nome homologado na convenção partidária. É o que o atual astro mor do partido, senador Álvaro Dias, quer e garante.

• Olhos na Constituição

A filiação partidária é o ato pelo qual um eleitor aceita, adota o programa e passa a integrar um partido político. Esse vínculo é condição de elegibilidade (art. 14, § 3º, V, da Constituição Federal). A Justiça Eleitoral recebe as informações encaminhadas pelos partidos para arquivamento, publicação e verificação do cumprimento dos prazos de filiação para registro de candidaturas (Lei nº 9.096/95, art. 19).

Conforme o art. 16 da mesma lei, só pode filiar-se a partido o eleitor que estiver no pleno gozo de seus direitos políticos. E para concorrer a cargo eletivo, esse mesmo eleitor deve estar filiado ao partido no mínimo seis meses antes da data (7.10.2018) das eleições.

No RS seriam quatro candidatos disputando duas vagas. Em ordem alfabética: Ana Amélia (PP), Claudio Lamachia (Podemos), Germano Rigotto (PMDB) e Paulo Paim (PT).

• Bode eleitoral

Dilma Rousseff está às voltas com um “bode” – não o macho da cabra – mas aquele definido pelos dicionários informais, como “briga, encrenca, dúvida séria”.

É que a ex-presidente precisa definir, também até 7 de abril, qual será o seu domicílio eleitoral: especula-se Minas Gerais ou Piauí, estados onde os governadores são amigos dela.

O RS está, por ora, em plano secundário, face às avaliações regionais de que, no PT gaúcho, será difícil ela obter vaga para concorrer à Câmara ou ao Senado.

• Bode bicho

A propósito, em 2014, Dilma – num dos seus impagáveis discursos – contou, numa incursão ao Ceará, que o prefeito Edilardo Eufrásio, de Tejuçuoca (CE), lhe relatara – na condição de “comandante político da região produtora da terra do bode” – as agruras econômicas da região.

Foi então que deu bode no neurônio presidencial, proferindo a presidente mais uma de suas habituais pérolas: “Para que os bodes sobrevivam, nós vamos então fazer um Plano Safra que atenda todos os bodes”.

• Quitutes pascais

Não foi como nas Páscoas de outrora, mas os presos da Lava Jato que cumprem pena no Complexo Médico Penal, em São José dos Pinhais (PR), ganharam mimos gastronômicos no último domingo.

Cada um, entre eles, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, receberam três barras de chocolate e dois pacotes de biscoitos.

Inicialmente, os presentes só seriam distribuídos às internas.

Mas, afinal, em nome da isonomia e da igualdade dos sexos, a direção do presídio resolveu incluir os homens na festa.

• Pilhéria não é crime

Sem prejuízo de dano concreto a determinada pessoa, a liberdade de expressão tem primazia em casos de mínima ofensividade, para evitar que o Estado comece a amordaçar cidadãos por meio do Direito Penal. Assim entendeu a 8ª Turma do TRF da 4ª Região ao absolver um empresário paranaense acusado de discriminar indígenas em comentário no Facebook.

As informações foram veiculadas pelo jornalista Jomar Martins, correspondente do Consultor Jurídico no RS. O caso ocorreu em abril de 2013, quando uma das páginas da rede social veiculou fotografia de uma faixa com a seguinte inscrição: ‘‘Ou o Brasil acaba com a Funai ou a Funai acaba com o Brasil’’. Na sequência, foi postada uma frase: ‘‘Ou ensinar nossos cachorros a comer ‘índio’, em vez de ração, um a cada dois dias já tá bom!!!!kkkkkk”.

O Ministério Público Federal acusou o empresário de praticar crimes de preconceito de raça ou de cor (artigo 20 da Lei nº 7.716/89). O réu, porém, foi absolvido pelo juízo da 1ª Vara Federal de Guaíra (PR).

O MPF recorreu, mas o TRF-4 entendeu que o comentário não teve a intenção de promover preconceito ou discriminação contra indígenas. O relator, desembargador Victor Luiz dos Santos Laus, disse que a sugestão de adestrar cães para atacar indígenas não pode ser levada a sério, sendo “nítida a intenção de pilhéria”.

Para o magistrado, o réu queria se mostrar engraçado e, com isso, conseguir alguma popularidade por meio de ‘‘curtidas’’, e não prejudicar ou hostilizar determinado grupo social. (Proc. nº 5001026-06.2014.4.047017).

• Calúnia peculiar 

Quem acusa alguém de cometer abuso de autoridade para evitar o cumprimento de uma decisão judicial, e compara uma pessoa ao advogado de famoso réu envolvido em escândalo de corrupção, comete crime de calúnia. O entendimento é da 5ª Turma Recursal do Tribunal de Justiça da Bahia, ao condenar uma mulher a 8 meses de prisão por ofensas a vizinho, num grupo (200 pessoas) do WhatsApp, criado para debater assuntos de um condomínio, em Salvador (BA).

O caso teve início quando um morador se queixou de cerimônias religiosas feitas por moradores: “Os cultos são muito barulhentos e violam a convenção do condomínio”. Em resposta, uma das vizinhas rebateu publicamente trazendo outra história, criticando o vizinho e comparando-o ao advogado de Lula, porque ele cometia abuso de autoridade e não estava respondendo aos questionamentos que ela fazia.

A juíza da causa considerou ofensiva a comparação do vizinho aos advogados do ex-presidente, “sabidamente envolvido em escândalos, em especial, tráfico de influência e corrupção”. (Proc. nº 0003985-07.2017.8.05.0150).\

• Lembranças azuis

A Organização das Nações Unidas instituiu a data de 2 de abril como o Dia Mundial da Conscientização sobre o Autismo. O transtorno, conforme a ONU, afeta 70 milhões de pessoas em todo o mundo.

Para marcar a data, o TRT da 4ª Região (RS) está com sua página na internet em fundo azul. E, na noite desta segunda-feira (2) ilumina seu prédio-sede (Av. Praia de Belas, 1.100, em Porto Alegre) também na mesma cor. Esta é utilizada como símbolo do autismo, porque o transtorno tem prevalência quatro vezes maior em homens do que em mulheres.

Parabéns ao tribunal! Difundiu oportunamente que, no RS, existem diversas entidades que atuam na busca da melhoria de vida das pessoas com autismo, entre elas o Instituto Autismo & Vida (http://www.autismoevida.org.br), onde é possível encontrar uma lista de instituições associadas. Mais detalhes: contato@autismoevida.org.br .


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Potins desta sexta-feira

· Ciro Gomes prega que juízes e promotores voltem às suas caixinhas. E quer a restauração da autoridade do poder político.

· A cara feia de Cármen Lúcia.

· E a cara sorridente de magistrados mineiros bafejados por altos salários.

· A engraçada comédia dos candidatos à Vice-Presidência da República.

· Uma benção na sede do TRF-2, para afastar assombrações noturnas.

· Indenizações do DPVAT vão ter indenizações aumentadas. Mas o custo do seguro também vai subir.

Potins desta sexta-feira

 Negado vínculo de emprego entre carregador de tacos de golfe e o Country Clube de Porto Alegre.

 Um homem e sua união estável com duas mulheres

TRF-4 mantém liminar que impede governo do RS de arquivar a extinção da Fundação Piratini.

 CF da OAB diz que o modelo da Agência Nacional de Saúde e outras reguladoras está falido.

 Auxílio-acidente depois do auxílio-doença.

 MPF vai pedir, em agosto que Adriana Ancelmo volte para a prisão.

Potins desta sexta-feira

•  Cartazete em escritório de advocacia gaúcho explica a cobrança de R$ 150 por consulta: “É da mesma forma como acontece quando o(a) distinto(a) cidadão(ã) vai a um médico particular”.

• Pensões distintas para filhos do mesmo pai. O STJ flexibiliza o princípio da igualdade absoluta de direitos.

•  Um precedente do TST que vai mexer no adicional noturno.

•  Restrições ao prazo em dobro quando houver litisconsórcio de réus.

•  Os apertos de julho... E o que nos espera em agosto?

Potins desta terça-feira

 O futuro presidente Toffoli já começa a pensar no aumento para o Judiciário.

• Rodrigo Janot vem ao RS para falar sobre eleições e corrupção.

 Foi em Santiago (RS), a audiência criminal em que o réu não aceitava uma mulher juíza!

 O ano de 2014 que ainda não acabou em Porto Alegre.

 Desaprovação ao governo brasileiro só não é pior do que a de Bósnia-Herzegovina.

 O jeitinho para evitar o avanço no combate da corrupção no Brasil.

• Discriminação nos EUA contra mulheres grávidas empregadas.

 Colega de Rosa Weber no STF avalia que ela é a “ministra pêndulo”.

• Os 60 dias pedidos pela PGR que vão ajudar Michel Temer.

Potins desta terça-feira

 Gleisi Hoffmann quer que o Judiciário se sensibilize com o caos social e libere Lula.

• Na política brasileira, outubro chegou em junho.

 STJ decide se cidadã pode deixar de se chamar Tatiana, para ser Tatiane.

 Ainda sem título definitivo, vem aí as “memórias do cárcere de Lula”.

• As buscas no apartamento de Augusto Nardes: nada ostensivo...

 Brasileiros acreditam pouco na seriedade das eleições.

•  Benesses para os planos de saúde: 107% de aumento em sete anos.

Potins desta terça-feira

 Maior jornal da Inglaterra diz que “Sérgio Moro é “o homem que encerrou cinco séculos de impunidade no Brasil”.

 Governo acaba de criar mais um elefante branco: o SUSP, irmão do SUS.

•  STF vota na quinta-feira (24) proposta de nova súmula vinculante.

 Quando a “utilidade política” prevalece sobre a utilidade pública...

 Embaixadas para Temer, Moreira e Padilha – se Alkmin for Presidente da República. Mas ele nega.

• População com 60 de idade, ou mais, estará superando os moços de 16 a 24 anos, nas eleições de outubro.

 Impasse no TST para tentar orientar decisões uniformes em ações trabalhistas.

 Prorrogação do benefício de salário-maternidade, em decorrência de parto prematuro.