Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 10 de agosto de 2018.

Potins desta sexta-feira



• Bens para a companheira

Nos casos de ausência de descendentes ou ascendentes, é garantido à companheira o direito de recebimento dos bens deixados pelo companheiro falecido, ressalvada a existência de manifestação de última vontade. Portanto, o direito da companheira sobrevivente prepondera em relação aos parentes colaterais - como irmãos, tios e sobrinhos - em decorrência da ordem legal prevista pelo Código Civil.

O caso é oriundo de Minas Gerais, mas passa a balizar a jurisprudência nacional. O entendimento é da 3ª Turma do STJ ao negar o recurso especial de parentes de quarto grau contra acórdão que reconheceu à companheira o direito à totalidade da herança do falecido, incluídos os bens adquiridos antes do início da união estável.

Conforme o julgado superior, “não há mais que se considerar a concorrência do companheiro com os parentes colaterais, os quais somente herdarão na sua ausência”.

O acórdão também define que “o artigo 1.790, III, do Código Civil de 2002, que inseria os colaterais em terceiro lugar na ordem de vocação hereditária, não subsiste mais no sistema”. (O número do processo não é divulgado em razão de segredo judicial).

• Abril azarento

A expressão “abril vermelho” foi muito usada nos últimos anos pelo MST para marcar invasões de propriedade e manifestações pela reforma agrária.

Uma pergunta: com a negativa do habeas pelo STF em 4 de abril e com a decretação da prisão de Lula em 5 de abril, as bandeiras do PT darão outro sentido ao “abril vermelho”?

• Sensibilidade

O procurador da República Deltan Dallagnol, um dos integrantes da força-tarefa da Lava Jato, tinha deixado – sem nome do (a) destinatário (a) - uma sensível dica, um dia antes (3) do julgamento do habeas de Lula.

Ele disse para o G1: “Algo que pode sensibilizar os ministros é o desejo da sociedade, expresso de modo legítimo e democrático em manifestações nas ruas, de modo pacífico, contra a corrupção e a impunidade”.

Há quem diga que Rosa Weber captou a mensagem – embora tenha afirmado que já estava com seu voto pronto há 20 dias.

• Alfinetada jornalística

A liberdade que alguns ministros concedem a si próprios para não cumprir os compromissos e a agenda do STF sugere uma nova interpretação para a expressão trânsito em julgado: a possibilidade de adiar um julgamento relevante ou antecipar o voto para tomar o avião e atender a interesses privados”.

A frase é do jornalista Frederico Vasconcellos, ontem na Folha de S. Paulo. A crítica tem destinatários certos: Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes.

• Controvérsias à vista

No segundo dia do VI Fórum Jurídico de Lisboa, anteontem (4), o ministro Mauro Campbell, do STJ, abordou sensíveis temas: os desafios do país na seara do ensino jurídico e a fixação de critérios para a atuação de advogados nas Cortes Superiores. Para o ministro, "é inconcebível" o número atual de cursos de graduação e pós-graduação em Direito.

O ministro avaliou ser "inexorável que, em algum momento, seja utilizado o critério de tempo de atuação efetiva na advocacia para habilitação de atuação nas Cortes Superiores”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Potins desta sexta-feira

· Ciro Gomes prega que juízes e promotores voltem às suas caixinhas. E quer a restauração da autoridade do poder político.

· A cara feia de Cármen Lúcia.

· E a cara sorridente de magistrados mineiros bafejados por altos salários.

· A engraçada comédia dos candidatos à Vice-Presidência da República.

· Uma benção na sede do TRF-2, para afastar assombrações noturnas.

· Indenizações do DPVAT vão ter indenizações aumentadas. Mas o custo do seguro também vai subir.

Potins desta sexta-feira

 Negado vínculo de emprego entre carregador de tacos de golfe e o Country Clube de Porto Alegre.

 Um homem e sua união estável com duas mulheres

TRF-4 mantém liminar que impede governo do RS de arquivar a extinção da Fundação Piratini.

 CF da OAB diz que o modelo da Agência Nacional de Saúde e outras reguladoras está falido.

 Auxílio-acidente depois do auxílio-doença.

 MPF vai pedir, em agosto que Adriana Ancelmo volte para a prisão.

Potins desta sexta-feira

•  Cartazete em escritório de advocacia gaúcho explica a cobrança de R$ 150 por consulta: “É da mesma forma como acontece quando o(a) distinto(a) cidadão(ã) vai a um médico particular”.

• Pensões distintas para filhos do mesmo pai. O STJ flexibiliza o princípio da igualdade absoluta de direitos.

•  Um precedente do TST que vai mexer no adicional noturno.

•  Restrições ao prazo em dobro quando houver litisconsórcio de réus.

•  Os apertos de julho... E o que nos espera em agosto?

Potins desta terça-feira

 O futuro presidente Toffoli já começa a pensar no aumento para o Judiciário.

• Rodrigo Janot vem ao RS para falar sobre eleições e corrupção.

 Foi em Santiago (RS), a audiência criminal em que o réu não aceitava uma mulher juíza!

 O ano de 2014 que ainda não acabou em Porto Alegre.

 Desaprovação ao governo brasileiro só não é pior do que a de Bósnia-Herzegovina.

 O jeitinho para evitar o avanço no combate da corrupção no Brasil.

• Discriminação nos EUA contra mulheres grávidas empregadas.

 Colega de Rosa Weber no STF avalia que ela é a “ministra pêndulo”.

• Os 60 dias pedidos pela PGR que vão ajudar Michel Temer.

Potins desta terça-feira

 Gleisi Hoffmann quer que o Judiciário se sensibilize com o caos social e libere Lula.

• Na política brasileira, outubro chegou em junho.

 STJ decide se cidadã pode deixar de se chamar Tatiana, para ser Tatiane.

 Ainda sem título definitivo, vem aí as “memórias do cárcere de Lula”.

• As buscas no apartamento de Augusto Nardes: nada ostensivo...

 Brasileiros acreditam pouco na seriedade das eleições.

•  Benesses para os planos de saúde: 107% de aumento em sete anos.

Potins desta terça-feira

 Maior jornal da Inglaterra diz que “Sérgio Moro é “o homem que encerrou cinco séculos de impunidade no Brasil”.

 Governo acaba de criar mais um elefante branco: o SUSP, irmão do SUS.

•  STF vota na quinta-feira (24) proposta de nova súmula vinculante.

 Quando a “utilidade política” prevalece sobre a utilidade pública...

 Embaixadas para Temer, Moreira e Padilha – se Alkmin for Presidente da República. Mas ele nega.

• População com 60 de idade, ou mais, estará superando os moços de 16 a 24 anos, nas eleições de outubro.

 Impasse no TST para tentar orientar decisões uniformes em ações trabalhistas.

 Prorrogação do benefício de salário-maternidade, em decorrência de parto prematuro.