Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/jus_azul_caricatura.jpg

Além da América, regauchamos a província!



Imagem Pixabay

Imagem da Matéria

A semana que passou foi de massacre. A IVI desceu para sambar. Muitas décadas de mágoas engasgadas, o moderno e o tradicional... (lembro de um samba de Martinho da Vila). “Renato vai embora!” Viva!

Dava para sentir a baba correndo de alguns ´ivistas´: “Que se vaya; que se vaya! O Rio é melhor. Renato gosta mais de lá”.

Esse discurso obnubilou a disputa do campeonato gaúcho. ´Só se fala em outra coisa´ - diria o Guri de Uruguaiana. Renato vai...

Alívio. É que Renato (Re-Nato, que renasce) disse, como D. Renato I: “Fico!”. Pelo menos até o final do ano. O suficiente para ganhar mais alguns títulos.

Registro: desde quando uma disputa de título pode ficar em segundo plano a partir de um boato da saída do técnico? A resposta é simples a resposta: o boato virou fato. Pós-verdades. Relato (falei relato e não renato) vira fato.

E ganhamos o Gauchão. Quatro taças em 19 meses. Recorde. Mas temos que ficar atentos. Agora começa o Brasileirão, Série A. Ops...

Mas, o nome não é Campeonato Brasileiro Série A? Para a IVI, é Brasileirão Série A, para justificar a novilingua do ano passado, em que transformaram a segundona em Brasileirão B, sendo que, por vezes, esqueciam o B. E virava tudo Brasileirão. À noite, todos os gatos são pardos...

Gremistas, preparem-se para o massacre que vem aí. Para quem tem pouco, um conto é milhão. Se o Inter arrancar bem no Brasileirão, rios de tintas serão gastos pela IVI exaltando os feitos relevantes. Se o Grêmio, por azar, tropeçar em alguns momentos – afinal, disputará três competições – temos que estar preparados para enfrentar as hordas ´ivistas´. Dirão, ao mínimo deslize, que a gangorra mudou. E já começarão a fazer comparações.

Claro: compararão ovos com caixa de ovos. E, para isso, esconderão os títulos recentes do Grêmio. Um tropeço do Grêmio será equivalente a uma queda. Portanto, o Jus Azul de hoje é uma advertência.

Temos que reconhecer que a IVI sabe o que faz. Até para noticiar prisões ou agressões praticadas por ex-atletas da dupla o bicho pega: ex-jogador do Grêmio é pego em... Ao mesmo tempo, ex-jogador do Inter não se mete em bronca.

Por exemplo, Argel foge de blitz. Claro: é o técnico do Criciúma. Fosse ex-Grêmio, já saberíamos a manchete. São sutilezas. A IVI fala nas entrelinhas. Vai minando. Afinal, são décadas de domínio. Mas estamos na trincheira. Com saites como o imparcial e independente Espaço Vital – e com blogs como o Corneta do RW e O Tricolor – tais histórias ´no passarán´.

Cada dia o rei está mais nu. Mas, “mais nu” – isso existe? Afinal, nu é nu... Pois é. A resposta é: mais ou menos.

A verdadeira IVI sempre tem uma carta na manga, mesmo que esteja sem manga. Aparentemente.

....................................................................................................

Lênio Streck escreve Jus Azul às terças-feiras. Contato: lenios@globomail.com

Roberto Siegmann escreve Jus Vermelha às sextas-feiras. Contato: roberto@SiegmannAdvogados.com.br


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Sobre o que não podemos falar, devemos calar

“E tem o Tiago Leifert, que é um Bozo sem a fantasia. E agora a tevê ´democratizou´, trazendo mulheres para o time de analistas. Claro: preconceituosamente, somente belas mulheres”.

Milton Neves e o almoço do século, que a IVI escondeu!....

“Crepúsculo de jogo na Imprensa Vermelha Isenta (da Avenida Ipiranga, do Morro Santa Tereza, da Rua Orfanotrófio e da Rua Caldas Júnior). As cortinas da desinformação se fecham melancolicamente. É o paredão de não-notícias”.

Um palavrão necessário: epistemologia do futebol

Em suma, sem uma epistemologia, não se diferencia Leandro Behs, de Ernest Hemingway. Enquanto não tivermos uma epistemologia, nosso Pulitzer é a IVI. Pode-se dizer que Taison é melhor que Messi. Pode-se dizer chamar D´Alessandro de ´estadista´.  Pode-se comparar Danilo Fernandes a Eurico Lara”.

A IVI esconde um elefante atrás de uma formiguinha

O empate no Gre-Nal se deu sob o apito amigo e complacente do novo Eunápio de Queiroz, aquele que era conhecido como ´Larápio de Queiroz´, nos tempos da Taça Brasil. Nem Eunápio - o verdadeiro - deixou de dar três pênaltis para um só time de futebol. Mas Luis Carlos Reche, capitão da IVI, contemporizou: “Ah, três pênaltis? Árbitro erra. É do jogo”.