Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

Os índices negativos de não participação direta e efetiva no pleito



Chargista Ivan Cabral - www.ivancabral.com

Imagem da Matéria

PRIMEIRO PONTO: As últimas eleições têm acusado o aumento de um índice ainda pouco explorado: a alienação eleitoral. Trata-se de um fenômeno que sempre esteve presente no processo eleitoral, podendo ser detectado sob três focos: 1) Abstenção, quando o eleitor não comparece às urnas; 2) Voto em branco, opção oficial que a urna eletrônica oferece ao eleitor; 3) Voto nulo, que a urna eletrônica teria, em princípio, minimizado, mas que vem ressurgindo com força.

Nas últimas eleições para o cargo de prefeito em Porto Alegre, por exemplo, os votos nulos foram superiores aos brancos. Tal resultado não foi privilégio de nossa cidade, repetindo-se em outras metrópoles. As últimas eleições têm acusado o aumento de um índice ainda pouco explorado: a alienação eleitoral.

No conjunto, esta fuga ao voto de escolha tem alcançado, por baixo, a média de 35% dos eleitores cadastrados junto à Justiça Eleitoral, índice que aumenta quando se está frente a eleições gerais.

De certa forma, tanto não comparecer às urnas como votar em branco ou anular o seu voto, podem, sim, ser consideradas opções políticas: ´Sou contra todos, sou contra voto obrigatório, pra mim tanto faz quem for eleito, são todos os candidatos merecedores de meu repúdio´, e por aí vai.

Mas nem por isso afasta a conclusão de alienação eleitoral do povo brasileiro. O povo está cansado, o povo está descrente, o povo não se sente partícipe da democracia. E isso é muito grave e perigoso, pois sempre haverá quem se beneficie desta ausência.

Não há, em política, espaço algum que não possa ser aproveitado, explorado ou transformado em vantagem. Em geral, beneficiam-se aqueles que já se encontram no poder, pois sua visibilidade maior é um fator a mais a favorecê-lo nas urnas. O alto índice de reeleitos, especialmente nos pleitos proporcionais, em todos os planos, federal, estadual, municipal, é a prova disso. Quanto mais o eleitor se afasta do processo eleitoral, maior o número de candidatos reeleitos, perpetuando-se no poder.

É ilusão o eleitor dizer: ´Não me responsabilizo com o quadro atual de políticos mandatários do poder´ - , porque se afastar, calar, omitir-se é forma, sim, de contribuir com o resultado final.

SEGUNDO PONTO: Irrelevante se mantida ou revogada, a prisão de Lula neste último final de semana – e suas consequências eleitorais imediatas, como focar na transferência de voto - pode ser um componente que se refletirá sobre a alienação nas eleições de 2018, aumentando os índices negativos de não participação direta e efetiva no pleito.

Aos motivos tradicionais e pré-existentes, dando azo à alienação eleitoral, agrega-se a programação de uma campanha eleitoral por parte da oposição a partir da vitimização, alimentando candidaturas não tão populares como certamente a de Lula seria (até por falta de opções) e exaltando a figura do líder perseguido, maltratado, preso e excluído injustamente do processo eleitoral.

É uma estratégia que tem seus riscos tanto para os próprios candidatos de esquerda como para os candidatos de direita.

Ambos não podem perder de vista, se almejam algum sucesso, o fenômeno da alienação eleitoral, fenômeno este que já subiu no telhado e pode significar a morte do gato.

Resta saber que gato.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

elaine@fhm.adv.br


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A automação e a inteligência artificial no Direito

O Brasil jurídico também já conta com o seu robô. É Victor, que foi desenvolvido em parceria entre o STF e a Universidade de Brasília. Ele vai ler todos os recursos extraordinários e identificá-los com as temáticas de repercussão geral, produzindo minutas de voto”.

O vale-tudo da pré-campanha eleitoral

“Pré-candidatos viajando pelo país, com caravanas ou jatinhos fretados, como se isso fosse de graça. E... como a arrecadação e os gastos são vedados, não há prestação de contas...”

 

Para não dizer que não falei...de futebol

“O Grêmio vencendo barreiras no planeta. Ver Porto Alegre no ranking do futebol mundial, entre metrópoles como Madrid, Barcelona, Munique, Buenos Aires, Liverpool e Rio de Janeiro dá um orgulho danado”.

O nome social e as eleições

“Julgada pelo TSE uma consulta definindo que os (as) candidatos(as) a cargos eletivos pelo sistema proporcional preencherão a distribuição de vagas (30/70%) de acordo com o gênero pelo qual se identificam”.

Que a voz da mulher seja ouvida!

Na política, as leis que protegem a distribuição de vagas entre candidatas e candidatos são insuficientes e não respeitadas. Há previsão de vagas, mas a visibilidade e os recursos necessários não lhes são alcançados, fazendo com que as candidatas ´morram na praia´, num jogo de faz de conta”.