Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 10 de agosto de 2018.

TJRS confirma a execução provisória e imediata de pena de 13 anos e meio



Decisão, por maioria, da 8ª Câmara Criminal do TJRS definiu que o juízo de origem pode determinar o imediato cumprimento da pena de um condenado em segunda instância, mesmo que não esteja definida a execução provisória da pena na sentença condenatória e/ou no acórdão do Tribunal de Justiça. O julgado estadual avança ao definir que “o fato de existir recurso pendente no STJ também não impede a prisão antecipada”.

No habeas corpus fulminado pelo TJ gaúcho, a defesa de um homem – condenado por crime sexual – sustentava ser necessário aguardar o trânsito em julgado para iniciar o cumprimento da pena.

A condenação é de 13 anos e seis meses de reclusão, em regime inicial fechado; foi mantida a decisão, em sede de apelação. Foi interposto recurso especial, o qual não foi recebido, ensejando a interposição de agravo, ao STJ, que ainda pende de julgamento.

A sentença foi proferida na 1ª Vara Criminal de Passo Fundo, pelo juiz Rafael Echevarria Borba.

No juízo da origem foi determinada a extração das peças para a formação do PEC provisório e, com o seu aporte no juízo da execução, foi determinada a expedição de mandado de prisão em desfavor do paciente, para recolhimento em regime fechado.

Segundo a denúncia reproduzida no acórdão – de processo que tramita em segredo de justiça - P.M.N., brasileiro, nascido então com 54 anos de idade, no dia 30 de dezembro de 2013, na cidade de Coxilha (RS) cometeu crime sexual contra incapaz.

Prossegue a acusação: “Para consumar o delito, o denunciado, que é avô da vítima, valeu-se da circunstância de a menina ter sido deixada aos seus cuidados – enquanto os pais faziam compras em cidade próxima – e despiu-a e passou a acariciar seu corpo, inclusive na região genital, chegando a esfregar seu pênis na vagina da criança, que tinha, na época do fato, 4 anos de idade”.

O triste caso foi esclarecido após revelação feita pela menina a seus pais. Em reação, o pai da criança agrediu seu próprio genitor com um soco. Houve imediata ação do Conselho Tutelar local.

A relatora, desembargadora Isabel de Borba Lucas, votou pela concessão do HC, mas ficou vencida. O entendimento dela é o de que a decisão do STF não trata de determinação obrigatória. Ela também considerou que no acórdão que confirmou a condenação do homem por estupro de vulnerável, "não houve qualquer pronunciamento acerca da execução provisória da pena, nos termos do paradigma supracitado, sendo que o paciente, por este feito, encontrava-se em liberdade’’.

Mas o desembargador Dálvio Dias Teixeira abriu divergência, ao afirmar que a possibilidade de execução provisória da pena após a decisão da segunda instância foi assentada pelo Plenário do STF quando do julgamento do HC nº 126.292/SP, na sessão de 17 de fevereiro de 2016.

 

Segundo seu voto ‘‘nos termos do que restou estabelecido pelo Pretório Excelso, o princípio constitucional da presunção de inocência não impede que o acórdão condenatório produza efeitos, ainda que pendentes recursos a serem apreciados pelas Cortes Superiores, até porque estes não se prestam a discutir fatos e provas, mas tão somente matéria de direito’’.

 

A divergência foi acompanhada pela desembargadora Naele Ochoa Piazzeta. (Proc. nº 70076662550).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Prefeito vira réu em ação penal por fraude em concurso público

Fatos ocorreram no pequeno município gaúcho de Jacuizinho, com apenas 2.666 habitantes. Entre os réus estão a esposa do prefeito, o vice-prefeito, dois secretários municipais e suas esposas, o assessor jurídico, um técnico contábil e os sócios da empresa IDRH, responsável pelo concurso.