Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 14 de agosto de 2018.

Encaminhamento de PEC que pode definir o impasse sobre a prisão em segunda instância



O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou, nesta segunda-feira (9) que a Casa vai discutir uma proposta de emenda constitucional (PEC) sobre a possibilidade de prisão em segunda instância. A ideia - de acordo com ele - é “deixar a matéria pronta para votação em plenário assim que a intervenção federal na Segurança Pública do Rio acabar”.

A previsão inicial é que isso aconteça no final do ano. Enquanto houver intervenção, o Congresso não pode fazer alterações na Constituição.

Mais adiantou que “mesmo com a intervenção no Rio nós vamos começar esse debate, porque acredito que o local para se resolver esses conflitos - já que há uma posição muito dividida no próprio Supremo - é o Parlamento. Assim, é na Câmara e depois no Senado que a gente deve avançar nesse debate, e deixar claro, já que há uma demanda da sociedade, qual é o novo marco em relação a esse tema”.

De acordo com Maia, a PEC deve ser votada na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara em no máximo um mês. Se for aprovada, segue para a comissão especial.

Como se sabe, em 2016, o STF autorizou, por 6 votos a 5, a prisão após condenação em segunda instância, sem necessidade de esperar o trânsito em julgado, ou seja, todos os recursos cabíveis.

Questionado sobre qual sua posição no debate sobre a prisão em segunda instância, Maia disse que “não me manifestarei por ser o presidente da Câmara”.


Comentários

Iolanda Ramos Noble - Advogada 10.04.18 | 15:44:40

Quanta urgência! Pelo visto, além de Lula ninguém mais será preso, porque a intervenção no Rio, por absoluto fracasso, e agora com esse incentivo, certamente será levantada em breve!

Ciro Gatto Umpierre - Advogado 10.04.18 | 15:43:09

Pelo visto, os parlamentares já estão pensando em preparar a própria cama para dormir, tentando afastar - é claro - a prisão em segunda instância. Diga-se de passagem, eles são bons em legislação, haja vista que não é fácil prender um político, atualmente - ou, melhor, mantê-lo preso, graças à "ótima" legislação constituinte. Esta, aliás, demorou, mais foi bem feita por eles, e em favor deles próprios.


 


 

Jairo João Bocasanta - Contabilista 10.04.18 | 14:56:45

Ultimamente o STF tem pautado falta de convicção de seus ministros, mas, penso que deve valer o que já foi decidido e formada a jurisprudência.  Senão a cada pouco haverá mudança de entendimento e isso não é bom para a segurança jurídica.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STF proíbe a condução coercitiva de réus e investigados

Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança. Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança.

STF cassa censura a publicações jornalísticas

Duas decisões do ministro Luís Roberto Barroso, em reclamações, liberam publicações jornalísticas envolvendo dois governadores. Flexibilidade do conceito de segredo de justiça, quando houver interesse público, inclusive como fator inibidor de transgressões futuras.