Ir para o conteúdo principal

Edição de Sexta-feira, 20 de abril de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Espaço especial para a mala do juiz...



Google Imagens

Imagem da Matéria

 A mala do juiz

Os passageiros do voo nº 4156 da Azul, de Porto Alegre para Curitiba, na quarta-feira (11), já estavam acomodados quando uma das aeromoças disse a um senhor que ocupava o assento 2D (na segunda fileira do lado direito da aeronave) que sua bagagem seria acomodada em outro local, um pouco mais adiante.

É que vamos ter que colocar aqui a mala do juiz” – explicou a comissária.

Foi nesse momento que Sérgio Moro entrou no avião e se acomodou no assento (2A) junto à janela da primeira fileira do lado esquerdo da aeronave. Antes, o magistrado não circulara pelo setor de embarque.

O jornalista Pedro Venceslau, do Estadão, que estava na poltrona 2C, do outro lado do corredor, tentou entrevistar Moro, mas ele apenas disse que “não seria possível, pois preciso trabalhar, mesmo a bordo”. O lugar ao lado do importante e adorado (por muitos) viajor ficou vago.

Ao perceber quem era o juiz que chegara, o passageiro cuja mala fora deslocada, assentiu patriótico e afirmou, dirigindo-se discretamente a Moro: “Parabéns, o senhor fez muito pelo Brasil”. Em seguida, a porta foi fechada.

Os que viram cochicharam, apoiando a pertinência da colocação da mala do juiz próximo a ele, no compartimento superior.

Eram 11h da manhã, quando o avião taxiou e se foi à capital paranaense, para um tranquilo voo com céu de brigadeiro.

 Porto Alegre é demais

Porto Alegre nos dói! Uma arquiteta estacionou seu carro ontem (12), às 8h40, no centro da cidade. A quadra escolhida estava vazia.

Como o compromisso dela era às 9h, aguardou sentada no veículo e ficou observando. Um flanelinha ficou rondando. Logo chegou outro automóvel, cujo condutor, um idoso, dirigiu-se ao parquímetro. O guardador foi junto e fez a abordagem. Em seguida outros três automóveis, simples e velhos, estacionaram e seus condutores não pegaram tickets no parquímetro e se foram a passos.

A arquiteta saiu de seu carro, dirigindo-se à máquina. O prestativo flanelinha avisou: “O parquímetro está estragado, não vai dar para a senhora pegar o ticket”.

Ela foi em busca de outra máquina a 50 metros de distância e conseguiu cumprir sua tarifada obrigação de cidadã. Uma hora e meia depois, concluiu o relato ao Espaço Vital: “Está claro que alguém estraga o parquímetro, para pedir dinheiro em troca de supostos cuidados aos veículos, ou para dar cobertura àqueles que estacionam sem pagar”.

Quem seria(m)?

Detalhe: as cenas reais foram na Rua General Câmara, entre a Riachuelo e a Praça Marechal Deodoro. A 20 metros do TJRS; a 100 m da Assembleia; e a 150 m. do Palácio Piratini.

Como dizem (parciais) versos de José Fogaça: “Porto Alegre me dói... Não diga a ninguém”...

Melhor seria como cantam outros versos do mesmo poeta: “Porto Alegre me tem... A saudade é demais... É lá que eu vivo em paz!”

Em paz?

 Quando eles não querem...

O senador Lasier Martins (PSD-RS) protocolou projeto de lei que autoriza a prisão após a condenação em segunda instância.

Detalhando: 1) O réu poderá ser preso após decisão recursal por um colegiado; 2) Mas não será tratado como culpado antes que ocorra o trânsito em julgado.

Em síntese: não seria violado o princípio constitucional da presunção de inocência.

Romero Jucá (PMDB-RR) e seus amigos já se manifestaram contrários.

E – segundo a bem informada ´rádio-corredor´ do Conselho Federal da OAB – Marco Aurélio, Lewandowsky e Toffoli “não gostaram”.

 Extermínio

Foram 44.056 as mortes de pessoas no trânsito brasileiro, em cidades e em rodovias estaduais e federais, no ano de 2017.

São números oficiais da grande carnificina brasileira.

Não nos serve o consolo de que haja ainda três países em pior situação: China, Índia e Nigéria. Cada um destes, com mais de 45 mil óbitos/ano.


Comentários

Lauri Krüger - Advogado 13.04.18 | 14:32:35

Comento o tópico QUANDO ELES NÃO QUEREM. Ressalto que a proposição é de Lasier Martins, jornalista, letrado, com formação superior em mais de uma área. Imagine se fosse proposta por um leigo, por alguém de poucas luzes ou por um energúmeno qualquer...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Administradora de condomínios condenada por cobrar juros abusivos

 Condomínio do Edifício Érico Veríssimo receberá, de volta, os valores que lhe foram cobrados a mais. Repetição do indébito envolve rubricas indevidas de COFINS/CSLL/PIS/IR/ISS sobre os serviços auxiliares de administração.

 Uma tentativa de fraude bancária, via WhatsApp alcança colegas do advogado Lenio Streck.

• O cacoete de honorários advocatícios sucumbenciais no percentual mínimo.

 Novas banheiras de hidromassagem para Suas Excelências, os senhores deputados federais.

Depois da bagunça de Lula, como seria a prisão de Aécio?

• Tem gente apostando que o julgamento do senador do PSDB, no Supremo, será no dia 1º de abril...

• Como o jornalista gaúcho Fernando Albrecht se recupera da cirurgia de câncer no reto.

• Publicada a norma que estabelece o Programa Especial de Regularização Tributária das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

• Advogado de Lula fica distante de Curitiba na primeira semana de prisão.

Folgas no Supremo são de 88 dias por ano – além dos fins-de-semana

• O acúmulo das pausas dos ministros – incluindo o feriado (!) pela passagem do Dia do Advogado – resulta, afinal, em 196 dias úteis de trabalho anual.

• Em 2017, além das férias regulamentares, 10 ministros protagonizaram 136 faltas justificadas e/ou saídas antecipadas e/ou chegadas com atraso. Rosa Weber, a única que não faltou a qualquer sessão no ano passado.

• Mais um penduricalho chegando: um terço do salário básico para a realização de audiências de custódia.

Improcedência de ação por dano moral movida por Dunga contra o jornal Zero Hora

• Ele buscava reparação financeira por alegado dano moral decorrente de duas crônicas do jornalista Paulo Sant´Ana.

• Julgado do TJRS elogia Dunga como “personalidade que orgulha o Estado do RS”, mas alfineta a CBF e seus escândalos financeiros.

• Petição judicial mistura cláusulas potestativas com o Ponto G feminino.

• Advogado gaúcho Raimar Machado toma posse na Academia Brasileira de Direito do Trabalho