Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

Ex-gerente da Petrobras será mantido em prisão preventiva



O TRF da 4ª Região manteve na quarta-feira (11) a prisão preventiva do ex-gerente da Petrobras Roberto Gonçalves. A 8ª Turma negou o pedido de habeas corpus sob o entendimento de que o réu “exercia papel importante na engrenagem criminosa apurada na Operação Lava Jato” e que “os motivos que embasaram a prisão ainda persistem”.

Gonçalves foi condenado, em setembro do ano passado, a 15 anos e 2 meses de reclusão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa e teve a prisão preventiva mantida pela 13ª Vara Federal de Curitiba. No início de março, o HC já havia sido negado liminarmente pelo desembargador federal João Pedro Gebran Neto.

A defesa alegava que o réu confessou a prática dos delitos e colaborou com o juízo, que é o único acusado do processo que permanece preso e que a manutenção da prisão cautelar após o julgamento e sem existência de risco equivaleria ao cumprimento provisório da pena.

Segundo o juiz federal Nivaldo Brunoni, que substitui Gebran durante as férias deste, o acusado Gonçalves recebeu valores decorrentes de contratos da Petrobras com empresas, movimentando dinheiro entre contas no exterior, mesmo durante as investigações. “Enquanto não repatriados os valores, coexistem o risco à aplicação da lei penal e de reiteração delitiva já que, ao menos em tese, novas movimentações poderiam caracterizar novos crimes”, afirmou o relator.

Brunoni frisou que a sentença traz fundamentos idôneos e contemporâneos para determinar a manutenção da cautelar, e que “a liminar em habeas corpus constitui medida excepcional, que somente pode ser deferida quando demonstrada, de modo claro e indiscutível, a ilegalidade no ato judicial impugnado”. (Proc. nº 5008822-11.2018.4.04.0000 – com informações do TRF-4).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Prefeito vira réu em ação penal por fraude em concurso público

Fatos ocorreram no pequeno município gaúcho de Jacuizinho, com apenas 2.666 habitantes. Entre os réus estão a esposa do prefeito, o vice-prefeito, dois secretários municipais e suas esposas, o assessor jurídico, um técnico contábil e os sócios da empresa IDRH, responsável pelo concurso.