Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 16 de outubro de 2018.

Supremo mantém Antonio Palocci preso preventivamente



O STF, por 7 votos a 4, negou o pedido de liberdade ao ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci. Preso preventivamente desde setembro de 2016, Palocci foi condenado em junho de 2017 no âmbito da Operação Lava Jato. O juiz federal Sérgio Moro sentenciou o ex-ministro a 12 anos, 2 meses e 20 dias de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Na sessão de quarta-feira (11), quando o julgamento do habeas corpus foi iniciado, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu a manutenção da prisão de Palocci e citou que a restrição de liberdade era necessária à garantia da ordem pública e "para fazer cessar a prática do crime de lavagem de dinheiro para a aplicação da lei penal".

Relator do caso, Fachin votou nesse sentido, e foi acompanhado, ontem (12), por Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Alexandre de Moraes. Na sessão desta quinta-feira, a ministra Rosa Weber votou para não conceder o habeas corpus, somando o quinto voto contrário à liberdade de Palocci.

Dias Toffoli abriu a divergência, seguido por Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Marco Aurélio. Em seus votos, os ministros da minoria criticaram o "excesso de prazo da prisão preventiva” do ex-ministro, e defenderam que outras medidas cautelares, fora a do encarceramento, seriam suficientes para que Palocci não volte a cometer crimes.

A maioria para negar o habeas corpus foi formada com o voto de Celso de Mello. Apesar de ter se posicionado pelo conhecimento do habeas ontem, o ministro decano disse que a "jurisprudência do STF tem considerado que não representa ilegalidade na prisão preventiva alongada quando há razoabilidade nos argumentos jurídicos para justificar a medida". Ele entendeu que não havia motivos para acabar com a preventiva de Palocci.

Cármen Lúcia, presidente da corte, deu o último e sétimo voto, acompanhando a argumentação do ministro relator.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

 

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

Magistrado Felipe Keunecke de Oliveira estava na mira para ser morto numa das suas habituais idas à sede náutica do União, ou antes de um grande jogo noturno na Arena do Grêmio. A juíza do regime de exceção da Vara Criminal do Foro Regional do Alto Petrópolis em Porto Alegre – embora sem deferir a prisão dos advogados acusados – proibiu-lhes o exercício da profissão, o que já foi comunicado à OAB-RS. Leia também e-mail enviado, ao Espaço Vital, pela magistrada Betina Meinhardt Ronchetti, titular da vara mencionada.

Dois advogados condenados por organização criminosa

As penas somadas chegam a 55 anos de reclusão. Após o ajuizamento de milhares de ações, os acusados apropriavam-se ilicitamente de valores pagos a título de acordo com a parte contrária, ou após indenização por sentença judicial.

MPF pede nova condenação de Lula por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Pedido foi feito, ontem (4), em Curitiba, em ação penal que trata do terreno para o Instituto Lula. As razões finais de acusação abordam o “esquema criminoso de desvio de recursos públicos destinados a enriquecer ilicitamente". Defesa do ex-presidente diz, em nota, que o ex-presidente será absolvido quando for julgado por um "juiz imparcial, isento e independente".