Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 10 de agosto de 2018.

Suspensa a liminar que obrigava escritório de advocacia a pagar contribuição sindical



O ministro Lelio Bentes, do TST, suspendeu decisão da 4ª Vara do Trabalho de Campinas (SP) e liberou o escritório Gomes & Hoffmann, Bellucci, Piva Advogados de pagar contribuição sindical compulsória. O pagamento da verba, extinta pela reforma trabalhista, havia sido definida numa ação civil pública ajuizada contra a banca.

O Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos do Comércio (Seaac) de Campinas havia pedido tutela de urgência contra o escritório alegando a inconstitucionalidade dos artigos 579 e 582 da CLT, que foram alterados pela reforma trabalhista. A mudança na redação do dispositivo tornou facultativa a contribuição sindical dos trabalhadores.

A primeira instância concordou com o pedido de liminar e mandou o escritório descontar os valores referentes à contribuição de seus empregados e repassar o dinheiro ao sindicato, diante da "patente inconstitucionalidade" desse trecho da reforma.

O escritório impetrou mandado de segurança contra a decisão no TRT da 15ª Região, alegando que cumprir a determinação do primeiro grau causaria danos de difícil reparação, já que o dinheiro dificilmente conseguiria ser reavido depois, caso a ação seja julgada procedente. A corte rejeitou o pedido.

Contra essa decisão, a banca ajuizou uma reclamação correicional ao corregedor-geral do TST, ministro Lélio Bentes. Para ele, “o indeferimento da liminar gerou a situação de difícil reversibilidade, na medida em que manteve decisão de natureza satisfatória do mérito, impondo a imediata retenção e recolhimento da contribuição sindical, sem garantia para a hipótese de sua reversão”. (RCL nº 1000178-77.2018.5.00.0000).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre foto Google Imagens (Coletiva.net - 10/04/2017).

Improcedência definitiva da ação de Kenny Braga contra a Rádio Gaúcha

 

Improcedência definitiva da ação de Kenny Braga contra a Rádio Gaúcha

O valor da causa - englobando parcelas alegadamente não pagas e indenização por dano moral – foi de R$ 576 mil. O comentarista foi demitido em 10 de novembro de 2014, um dia depois do Gre-Nal, na Arena, vencido pelo Grêmio por 4 x 1. No programa Sala de Redação houve altercação – com palavras de baixo calão - entre o reclamante e seu colega Paulo Sant´Ana. 

Atrasos salariais reiterados causam dano moral

Inadimplência total de verbas rescisórias. TRT-RS aplica sua Súmula nº 104 e alcança a empresa Guerra Implementos Rodoviários, que já teve sua falência decretada.