Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Bacharel diz que “OAB está extinta” e pede registro de advogado direto ao Ministério do Trabalho



O bacharel em Direito, Antonio Carlos Jaudy, de Cuiabá (MT), protocolou um pedido de registro de advogado ativo junto ao Ministério do Trabalho em Mato Grosso, alegando que a Ordem dos Advogados do Brasil está extinta no País desde 1991, por um decreto do ex-presidente da República, Fernando Collor de Mello.

Jaudy, que é funcionário aposentado da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) representa, em Mato Grosso, o Movimento Nacional de Bacharel de Direitos (MNBD), que tem como principal bandeira a oposição à prova da OAB. Na argumentação apresentada ao Ministério do Trabalho, ele afirma que a OAB foi extinta pelo Decreto nº 11/1991, que revogou dois decretos anteriores que criaram a entidade.

Como não houve nenhum outro decreto de criação da OAB – cuja competência é do presidente da República, garante ele -, Antonio Jaudy sustenta que a OAB é um órgão extinto. “Ou seja, todos os atos da OAB, na verdade, são nulos de pleno direito, desde a expedição de registro de um advogado até as indicações às Cortes”, comentou o bacharel.

Como cabe ao Estado regular as profissões, ele pediu o registro de advogado ao Ministério do Trabalho. O órgão ainda não respondeu ao requerimento do bacharel.

Contraponto

O secretário-geral da OAB-MT, Ulisses Rabaneda, defendeu o direito de peticionar do bacharel em Direito, que é protegido pela Constituição Federal. Entretanto, desclassificou sua argumentação.

Contudo, ao fazê-lo, o requerente usou argumentos risíveis. Substituindo regras anteriores, a Lei nº 8.906/94, especificamente em seu art. 44, organizou e previu os fins da Ordem dos Advogados do Brasil”, argumentou Ulisses.

Ele ainda disse que petições, como a do bacharel, são demonstrações da importância da atuação da OAB para controlar o acesso à profissão. “Situações extravagantes como esta demonstram, na prática, como o Exame de Ordem é imprescindível” – arrematou.


Comentários

Jose Carlos Rodrigues - Aposentado 20.04.18 | 20:04:48

Sou pós graduado em Ciências Contábeis, Bel. Direito, 2º Ano Odonto; 2º Semestre Arquitetura, 1º Semestre Medicina, 1º Semestre Economia. Apoio de plano o pedido do bacharel Antônio Carlos Jaudy, gostaria de fazer fileira com ele em Goiás . A OAB realmente não existe e sim foi arranjado no STF . Ela não presta contas a ninguém, não é autarquia (como as suas co-irmãs, Conselhos de Classe ) nem fundação, associação, sindicato (este até pode ser porque é fechado.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

TJRS mantém multa a advogado gaúcho que abandonou o júri

Sanção financeira é de R$ 9.540,00 (dez salários mínimos).  O artigo 265 do CPP proíbe que o defensor se afaste do processo sem motivo imperioso. A questão penal envolve acidente de trânsito com o atropelamento de dois policiais rodoviários; um morreu. Causador do acidente estava alcoolizado e recebeu pena de 7 anos e 7 meses, no regime semiaberto.

Vínculo empregatício de advogada com escritório porto-alegrense

Ela foi recrutada como empregada na filial de Florianópolis (SC). Mas, sucessivamente, passou a “associada” e depois “sócia” da banca. Procedência da ação inclui horas extras (acréscimo de 100%) no regime horário das 8h30 às 20h30, com 90 minutos de intervalo, cinco dias por semana.

Deputado recebe permissão para atuar como advogado de Lula

O advogado, ex-presidente da OAB do Rio de Janeiro e deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) teve reconhecido o direito de ser incluído como advogado de Lula. Com isso, poderá visitar o ex-presidente, preso desde 7 de abril. A decisão do TRF-4 acolheu mandado de segurança interposto pela OAB do Paraná.

Cuidado para não perder o prazo!

Decisão do STJ estabelece a prevalência da intimação eletrônica sobre a publicação no Diário de Justiça, em caso de duplicidade. Mas o TST tem entendimento contrário: a publicação no Diário Eletrônico prevalece sobre a intimação via sistema do processo judicial eletrônico.