Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 14 de agosto de 2018.

Novo desembargador do TRF-4 é formado também em Engenharia Elétrica



TRF-4/Divulgação

Imagem da Matéria

O Plenário do TRF da 4ª Região elegeu ontem (26), por unanimidade, o juiz federal Osni Cardoso Filho para assumir a vaga do desembargador federal Amaury Chaves de Athayde, que morreu em 28 de fevereiro deste ano, aos 72 de idade.

A escolha foi pelo critério de antiguidade.

Cardoso Filho nasceu em São Paulo e tem 56 anos. É formado em Engenharia Elétrica e Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Aprovado no concurso do Ministério Público do Estado de Santa Catarina e no concurso para juiz federal da Justiça Federal da 4ª Região, em 1993, optou pela magistratura. Assumiu o cargo de juiz federal substituto na 2ª Vara Federal de Criciúma em setembro de 1993.

Promovido a juiz federal em 1994, permaneceu em Criciúma até junho de 1996, quando foi removido para a 3ª Vara Federal de Florianópolis, onde é juiz titular.

Foi juiz do Tribunal Regional Eleitoral, da 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Federais e da Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais, em Brasília. Exerceu o cargo de vice-diretor do Foro da Sessão Judiciária de Santa Catarina em 2012.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Rabi-Rabix.blogspot.com

Um por todos, todos por um!

 

Um por todos, todos por um!

Punições do CNJ atingem de juiz ‘barraqueiro’ a ‘vingativo’. Foram 102 sanções aplicadas nos últimos dez anos. A maior parte das punições (82) se deu no curso de 128 processos administrativos disciplinares. As queixas abriram 38 mil procedimentos prévios.

Supremo tem liminares que aguardam confirmação há 8 anos

Desde 2000, o STF recebeu 3.785 ações diretas de inconstitucionalidade. Das medidas concedidas, 75% ainda aguardam apreciação pelo plenário. Em foco há casos polêmicos, como a decisão da ministra Cármen Lúcia, em 2013, que impediu a aplicação da lei de distribuição de royalties do petróleo.

AMAERJ - Divulgação

As juízas ´youtubers´

 

As juízas ´youtubers´

Magistradas cariocas Mirela Erbisti e Tula Melo estão na mídia: são competentes, lindas, louras, mães, tatuadas, melhores amigas e têm um canal no Youtube: “Justo Eu”.