Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 16 de novembro de 2018.

Rede de cafeterias fechará 8 mil lojas por um dia



Imagem Euronews

Imagem da Matéria

A rede mundial de cafés Starbucks anunciou, na semana passada, que vai fechar oito mil lojas no dia 29 de maio, nos Estados Unidos, para realizar um treinamento aos funcionários sobre como evitar a discriminação racial. A iniciativa surgiu no meio de uma polêmica que envolve a prisão de dois negros dentro de uma das cafeterias no Estado da Filadélfia.

O caso despertou diversas acusações contra a empresa. Um vídeo publicado nas redes sociais mostrou policiais entrando no estabelecimento e algemando os homens na frente de todos os outros clientes. A prisão dos jovens, que esperavam um amigo dentro do local, também gerou protestos em frente à loja e convocação de boicote à rede.

"Embora fatos lamentáveis como estes que agora se abordam não se limitem à Starbucks, estamos comprometidos em sermos parte da solução" - declarou o CEO da empresa, Kevin Johnson, que pediu publicamente desculpas pelo ocorrido. Ele admitiu que “fechar as nossas lojas para uma formação contra práticas racistas é só um passo em um caminho que requer dedicação por todos os níveis da nossa empresa e dos sócios em nossas comunidades".

Veja as imagens do incidente na cidade de Filadélfia (Estado da Pensilvânia, EUA).

Para entender o caso estadunidense

•  Dois homens estavam sentados em uma cafeteria Starbucks na cidade de Filadélfia, nos EUA, sem consumir. Eles pediram para usar o banheiro da loja e um funcionário disse que este acesso só seria possível para clientes.

• Os dois homens, negros, disseram que estavam esperando por um amigo antes de começar a consumir. O gerente pediu que eles deixassem a loja e, quando estes se recusaram, chamou a polícia. Os dois foram levados, algemados, por policiais e passaram oito horas sob custódia.

• Vídeos do incidente viralizaram nas redes sociais. Neles, os homens aparecem protestando e pedindo explicações à polícia para a detenção. Não demorou para que a Starbucks fosse acusada de discriminação racial.

•  Depois de pedir perdão pelo ocorrido, a empresa anunciou o fechamento de todas as suas unidades nos Estados Unidos, por uma tarde, para que seus empregados recebam um treinamento sobre preconceito.

• No Twitter, uma pessoa que estava na loja no momento da detenção dos homens postou um vídeo, em que é possível ver os homens sendo algemados, sem resistência. "Eles não fizeram nada", diz uma cliente da cafeteria. Mais tarde, o presidente da Starbucks, Kevin Johnson, disse que as cenas são lamentáveis e o vídeo é "difícil de assistir". Segundo ele, a conduta na loja foi "equivocada". Em entrevista, Johnson afirmou que o gerente que chamou a polícia deixou de trabalhar para a empresa.

Leia nesta mesma edição do Espaço Vital

Zaffari é condenado por racismo, danos morais e má-fé processual


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas