Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Jornalistas dispensados logo depois de estabilidade pós-greve ganham indenização



Cinco jornalistas que eram empregados do Grupo Rede Brasil Amazônia-RBA e que foram dispensados pela participação ativa em greve da categoria vão receber R$ 15 mil, cada, a título de reparação por danos morais. A 6ª Turma do TST considerou que “a despedida consistiu em ato discriminatório e em conduta anti-sindical da empresa”.

A paralisação ocorreu de 20 a 28/9/2013. A greve se encerrou quando o sindicato dos jornalistas e a RBA assinaram acordo coletivo de trabalho, que concedeu aos empregados garantia provisória no emprego até 14/11/2013. Porém, no primeiro dia útil após o término da estabilidade, o empregador demitiu coletivamente quatro jornalistas que haviam participado ativamente da paralisação.

O juízo de primeiro grau considerou discriminatórias as dispensas, mas o TRT da 8ª Região (PA/AP) afastou a condenação por entender que a medida adotada pela RBA respeitou a norma coletiva.

Para a relatora do recurso de revista do sindicato ao TST, desembargadora convocada Cilene Ferreira Amaro Santos, “ficou evidenciado que a dispensa dos substituídos decorreu da participação no movimento grevista, conduta antisíndica do empregador que não se convalida com o simples fato de constar em cláusula coletiva previsão de garantia de emprego por determinado período após o término da greve”, afirmou.

Com base em precedente da própria 6ª Turma, a relatora entendeu que ficou configurado o rompimento da relação de trabalho por ato discriminatório. Portanto, votou no sentido de condenar as empresas Dol-Intermediação de Negócios, Portal de Internet, Gráfica, Editora e Publicidade Ltda. e Diários do Pará Ltda., integrantes do Grupo Rede Brasil Amazônia – RBA, a responder solidariamente pelo pagamento de R$ 75 mil, a título de danos morais.

A Rede Brasil Amazônia de Televisão (popularmente RBA TV) é uma emissora de televisão brasileira sediada em Belém (PA). Opera nos canais 13 VHF e 35 UHF digital, e é afiliada à Rede Bandeirantes, transmitindo a programação desta para o Estado do Pará. (ARR nº 294-05.2014.5.08.0005 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 08.05.18 | 11:14:08
Onde fica o livre arbítrio da empresa privada? Toda vez que o Poder Judiciário interfere, normalmente faz besteira.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Nulidade de cláusula com turnos de 12 horas em jornada de 15 dias consecutivos

Apesar de haver norma coletiva, julgado do TST diz ser “desprovida de validade a cláusula coletiva que, a um só tempo, ignora os limites constitucionais da jornada de trabalho; não permite o descanso adequado do trabalhador; e suprime direitos mínimos dos obreiros, a exemplo do descanso semanal remunerado”.