Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 14 de agosto de 2018.

Mandado de segurança para estudante de Direito aprovado no Exame de Ordem



Os estudantes de Direito que forem aprovados no Exame de Ordem – mas que ainda não concluíram o curso de graduação - poderão retirar seus certificados de aprovação caso comprovem que, na data de inscrição para a prova unificada já estavam matriculados nos dois últimos semestres, ou no último ano do curso.

Tal é a conclusão de sentença que – confirmando liminar – concedeu mandado de segurança a Igor Kurtz Felker, estudante de Direito em Porto Alegre (RS).

Na petição mandamental vem informado e comprovado que ele se inscreveu para o Exame de Ordem em 04/06/2017, tendo realizado as provas objetiva (1ª fase) e prático-profissional (2ª fase), respectivamente, em 23/07/2017 e 17/09/2017, obtendo aprovação em ambas.

Igor efetuou a matrícula no 9º semestre do curso em 25/07/2017, alegando que, no dia da realização da prova da 1ª fase, já tinha concluído o 8º semestre e só não estava matriculado no 9º semestre em razão do calendário escolar. Destacou que ao realizar a prova da 2ª fase, em 17/09/2017, estava devidamente matriculado no 9º semestre.

Na conjunção, todavia, a OAB-RS indeferiu a solicitação de liberação do certificado do Exame de Ordem, fundamentando a negativa no não-preenchimento de um dos requisitos do edital.

Ao conceder a segurança, o juiz federal Gabriel Menna Barreto von Gehlen, considerou que “do Provimento nº 144/2011 do Conselho Federal da OAB, que regulamenta a realização do Exame de Ordem, depreende-se a possibilidade de que o mesmo seja prestado pelos estudantes de Direito dos últimos dois semestres ou do último ano do curso, inexistindo qualquer disposição sobre a inscrição no referido certame”.

O magistrado observa que “a comprovação quanto à condição acadêmica do candidato deve ter como marco temporal a data da sua efetiva submissão ao exame e não a data da inscrição”. O juiz também mencionou “o princípio da razoabilidade, para a solução do caso concreto”.

O julgado arremata “não se afigura razoável penalizar o impetrante, impedindo-o que se beneficie do resultado positivo (aprovação) do Exame da Ordem, prova de conhecida complexidade, notadamente porque comprovou possuir a capacidade intelectual exigida para o exercício profissional”.

O juiz também considerou que “a tutela jurisdicional pretendida pelo impetrante não acarretará qualquer prejuízo à OAB, tampouco aos demais estudantes que realizaram a prova, uma vez que não há número limitado de aprovados, sendo somente avaliada a capacidade e o conhecimento profissionais dos examinandos”.

Detalhe interessante é que mãe e filho uniram-se na impetração. O bacharel Igor Kurtz Felker tem como pais um casal de advogados – Reginald Felker e Bernadete Kurtz (ele falecido; ela atuante – ambos ex-conselheiros da OAB-RS). Bernadete, a mãe, foi a signatária da petição inicial. (Proc. nº 5065358-19.2017.4.04.7100/RS).

Leia a íntegra da sentença


Comentários

Cleanto Farina Weidlich - Advogado 08.05.18 | 12:11:57

Parabéns (que significa: para-o-bem) a todos da família Felker pela conquista. Vem aí mais um advogado que com certeza - assim como os pais - honrará a classe. E não pode passar, sem nota, a alta sensibilidade humanística e inteligência jurídica, constantes nos fundamentos da sentença de lavra do juiz federal Gabriel Von Gehlen. Enfim, uma verdadeira ode ao bom senso e a boa-fé, já que como defendido alhures, ... 'o processo tem que ter Justiça!'

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.

Morre o advogado Mathias Nagelstein

Ele teve sucesso na carreira política, ocupando cargos nos governos de Alceu Collares. Foi também juiz do Tribunal Militar do RS. Sem êxito concorreu em novembro de 2009 às eleições da OAB gaúcha.