Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/jus_azul_foto2.jpg

A IVI esconde um elefante atrás de uma formiguinha



http://chargesdoedra.blogspot.com.br/

Imagem da Matéria

O comentário símbolo do Ivismo pós Gre-Nal foi o de Mauricio ´Guinaçu´ Saraiva para Benfiquinha, na Rádio Gaúcha: "O ponto de ouro que o Inter conquistou”. O goldenpoint?

Pois é. O goldenpoint. Mas, a que preço? Preço de humilhação: 22 faltas, 25% posse de bola (até os 35 minutos do segundo, o Grêmio teve 89% de posse de bola) e três pênaltis sonegados (ah, foram só dois)...

Que coisa! Clubismo obnubila a análise. A IVI está tão machucada com o sucesso do Grêmio e a beleza de seu futebol, que está escondendo um enorme elefante atrás de uma formiga anã. Nos últimos tempos, só um time jogou mais feio e mais retrancado no estádio do Grêmio: o glorioso E.C. 12 de Outubro da cidade de Itauguá, do Paraguai. Jogo de 2002 pela Libertadores, no Estádio Olímpico.

Quem viu pela tevê não tem a dimensão de quem foi ao estádio. Um time elegante, tocando a bola contra um time dando balão, fazendo faltas e, pior, seu goleiro fazendo cera a partir do segundo minuto de jogo.

A imprensa do centro do país foi implacável com o time do Inter pela sua postura em campo. O que disseram de D´Alessandro e o soco que deu em Luan é coisa que deve ficar nos anais da imprensa desportiva. Mas, por aqui, a IVI doura a pílula. Alguns (ex) técnicos – desempregados e/ou aposentados - (estou sendo eufemista) elogiaram a postura simpofista do Inter (SINPOF – Sindicato do Pontinho Fora, que só funciona aqui na república do Texas, patrocinado pela IVI Football Inc.).

Até Lauro Quadros achou normal, apostando que Inter vai para Libertadores. Pode até ir, mas o Lauro poderia fazer melhor, pois não?

Diogo Olivier passou a régua e lascou: “O que deu em Renato? E em D´Alessandro?”. E complementou: “Com 77% de posse de bola, 11 a 5 em finalizações e três pênaltis não marcados, é óbvio que o sentimento é amargo”.

Calma, Olivier! Muita calma no seu ivismo. Não compare ovos com caixa de ovos. Equiparar a indignação de Renato com a truculência e má-educação de D´Alessandro é uma manobra pequeno-despistadora. Um jornalista pode mais do que isso, pois não? Wittgenstein (que não joga no Borússia) dizia: “Sobre o que não se pode falar, deve-se calar. Silêncio é poesia”.

Bom, sem falar que tudo isso se deu sob o apito amigo e complacente do novo Eunápio de Queiroz, aquele que era conhecido como Larápio de Queiroz, nos tempos da Taça Brasil. Mas nem Eunápio – o verdadeiro - deixou de dar três pênaltis para um só time de futebol. Mas Reche, capitão da IVI, disse na Rádio Gre-Nal, segunda, nove e meia da manhã: “Ah, três pênaltis? Árbitro erra. É do jogo”.

Ops! Não há registro de que um árbitro tenha sonegado três pênaltis em um só jogo e para a mesma equipe. Desafio a que alguém encontre um registro que me desminta. E ele (Wilton Pereira Sampaio) será um dos árbitros de vídeo na Copa de Mundo. Patético!

Como bem disse o presidente Romildo: “Um erro pode ser uma falha humana; dois, você já admite suspeição; mas três, você já pode achar que é incompetência ou má fé. O árbitro estava com um problema oftalmológico dos mais graves hoje”.

Eunápio Larápio de Queiroz nunca deixou de dar três pênaltis. Veja-se que o passar do tempo faz com que até os árbitros percam o pudor. Mesmo sob os olhares das câmeras de televisão.

E Pedro Ernesto? Encampou o discurso da direção do Inter. E construiu uma tese: “Nos dois últimos Gre-Nais, o Grêmio só fez um ponto”. Bingo! Mata-mata conta ponto? E quem foi campeão gaúcho? ´Jenial´ - com ´j´ - isso, não? E sobre D´Alessandro, nada disse. A IVI tem, mesmo, uma cartilha. Seguida à risca.

A pérola final da IVI: para doirar (português castiço) a pílula do massacre, a Rádio Gaúcha votou em Moledo como o melhor do jogo. Ah, bom. A IVI sendo a IVI. No fundo, a IVI é como o escorpião que pede carona para o sapo. No meio da travessia do rio, o escorpião pica o sapo. Vai morrer junto. Mas, e daí?


Comentários

Lilian Da Silva Leivas - Jornalista 16.05.18 | 09:00:13

Ora, ora, o que seria de nós, gremistas, sem a IVI? Não é só o Grêmio que nos alegra. A IVI nos diverte muito. E essa associação - Grêmio vencedor/Inter destroçado/IVI tentando dourar a pílula - é que potencializa nossos deboches. Ou alguém escuta, lê ou vê algum "deles" levando-os a sério? Não dá! Tem que rir de cada frase. Porque todas sublimam a hecatombe colorada e buscam, nos subtextos, achar problemas no time ou direção do Grêmio. Eu agradeço muito pela existência desta IVI...

Marcio Wilk - Boy 15.05.18 | 15:36:24

Descobri há pouco tempo a Rádio Gre-Nal, moro no Mato Grosso e ouço no celular; motivou-me muito a narração do Haroldo de Souza que ouvia junto com meu pai na década de 70/80 pela Guaíba, lá em Santa osa. Porém, pude constatar que a IVI existe mesmo; além do Capitão Reche tem um sujeito que, gaguejando muito, deu a notícia que o o D'Ale "teria puxado o pescoço do Luan" em meio a uma confusão no final do Gre-Nal. Cara! Tem que ser muito baixo!

Angelo Oliveira - Eletrotécnico 15.05.18 | 09:58:46
E ao final de tudo, o goldenpoint rendeu uma posição ao Grêmio, entrando no G4 e fez o colorado despencar 3 posições, onde já estão lambendo o Z4. Mas quem comemora o empate são eles. Vai entender.
Banner publicitário

Mais artigos do autor

A IVI é o PRAVDA gaúcho

“Parte da torcida do Grêmio foi sendo emprenhada de ouvido. O PRAVDA, veículo oficial do regime soviético, fazia o mesmo. Criava realidades. Se um atleta da URSS chegava em segundo, a manchete era: ´Corredor russo deixou 15 adversários para trás´. Mas não falava de quem ganhou, mormente se fosse norte-americano”.

Reação ao bullying praticado pela IVI!

“Talvez por sermos maioria no Estado, devêssemos boicotar os produtos anunciados pelos membros da Imprensa Vermelha Isenta”. (...) E também “algumas considerações sobre o vício redibitório do André”. 

Ruim é cantar em churrascaria e ninguém dar bola

“Bressan, reserva, foi quem mais jogou (15) no Brasileiro. Foi mais do que o conjunto de titulares do Grêmio, como Ramiro (12), Luan (13). Sei que o André entrou 15 vezes no gramado – mas, na verdade, não jogou nenhuma”.