Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 19 de junho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/jus_colorada_caricatura.jpg

Falta uma resposta do Ministério Público!



Chargista Ivan Cabral

Imagem da Matéria

• Gre-Nal é Gre-Nal - Contrariando todas as expectativas, no último sábado faltou o tão anunciado show. Foi surpreendente a atuação de alguns narradores que, à medida que o tempo do jogo passava, diziam: “Ainda dá para o Grêmio fazer um gol no primeiro tempo”.

O caso é que o tempo passou e os gols não apareceram. Não é difícil concluir que quando o adversário vermelho, mesmo não estando numa boa fase, possui uma longa história de conquistas em embates diretos, o peso da camiseta aparece.

Mesmo sem a participação do D’Alessandro, atleta que protagoniza muito nos Gre-Nais, o “futebol (europeu...)” do nosso adversário sumiu. O que entra para a história é mais um empate num confronto direto, em um momento de superioridade do adversário, que disputa outras competições. Então, nada mais verdadeiro, em todos os seus sentidos, de que Gre-Nal é Gre-Nal.

Depois do Gre-Nal, o adversário sentiu o resultado, tanto que em um jogo aparentemente fácil na Venezuela, safou-se graças a um lance isolado e de muita sorte.

 A janela da Copa do Mundo - A parada do campeonato brasileiro durante a realização da Copa do Mundo na Rússia pode ser muito útil aos times. Todavia, não é a parada em si que garante algo; é preciso trabalhar e muito.

No caso do Internacional, é visível que o time precisa de mais entrosamento e, ainda mais, o treinador precisa ter convicção na definição de um time. Também é visível a necessidade de aprimorar a preparação física. A parada vem em boa hora, talvez ela seja fundamental para afastar temores que rondam a nossa torcida.

Mas há um fato inegável: a parada não é privilégio exclusivo do Internacional; todos os demais times que disputam o campeonato brasileiro também usufruirão do tempo necessário para eventual aperfeiçoamento.

A parada é para todos e o melhor resultado será colhido por aquele que souber trabalhar.

 As investigações do MP no Internacional - Ao contrário do que eu pensava, as investigações procedidas pelo Ministério Público estadual e relativas aos procedimentos financeiros da gestão passada avançam em grande velocidade. Nesta quinta-feira (17) fomos surpreendidos com a notícia da existência de notas frias para mascararem retiradas de dinheiro no caixa do clube. Há indícios muito fortes e tenho esperança em resultados efetivos na recuperação da imagem do Inter.

Falta, todavia, uma resposta do Ministério Público ao aspecto mais sensível e propício a uma investigação: o futebol. É lá que são celebrados os grandes contratos, alguns, por si só, inexplicáveis, e é lá que alguns ex-dirigentes influentes passaram a exercer atividade profissional. É preciso coragem, mas os fatos encontram-se lá.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O Sputnik, Laika, Yashim e a Perestroika Vermelha

“No S. C. Internacional, em Porto Alegre - a 12.648 km de distância de Moscou - diante da mudança dos resultados dos jogos, pelo afastamento de algumas figuras carimbadas e como pela contratação de um profissional renomado analogicamente, vivemos uma Perestroika”.

Quatro anos sem Fernandão

“Se eu tivesse que defini-lo em uma única palavra, seria com inteligência. Ela estava muito acima da média dos demais jogadores que conheci”.

A fábrica de salsichas

“Quando sei de alguém que morreu ou sofreu alguma sequela causada pela emoção em uma partida de futebol, além da solidariedade, sinto pena, mas pena de mim e de tantos outros que perderam a fé”.

Minha casa não é minha, nem é meu esse lugar!

“Triste constatação: a de que a principal destinação da Arena é ser uma casa de espetáculos, com locação a terceiros”. Renato Portalupi reclamando do estado do gramado da Arena e o quanto ele foi prejudicial: “Um dos momentos mais constrangedores do futebol”.

Adeus ao Dr. Fábio

“Em um determinado momento, ele trouxe luz aos clubes e, mais do que isso, recursos financeiros antes inexistentes. Isso  proporcionou um crescimento jamais vivenciado pelos clubes de futebol”

Mulheres no futebol

“Pertenço a uma geração que testemunhou, anos 60, as maiores barbaridades em relação ao escasso e heroico público feminino. Felizmente, depois, os nossos estádios foram tomados por rostos bonitos, camisetas bem vestidas, graça e menos brigas (...) Mas teve o caso, no jogo da Libertadores desta semana, da prisão de um homem de 30 anos, por ter passado a mão na bunda de uma torcedora. A pena ridícula: proibição de entrar no estádio por 17 jogos”.