Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 10 de agosto de 2018.

Deputado recebe permissão para atuar como advogado de Lula



O advogado, ex-presidente da OAB do Rio de Janeiro e deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) teve reconhecido o direito de ser incluído como advogado de Lula. Com isso, Damous poderá visitar o ex-presidente, preso desde 7 de abril. A decisão do TRF-4 acolheu pedido da OAB do Paraná.

Em primeiro grau, Damous tinha sido proibido de participar da defesa. A juíza Carolina Moura Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, entendeu que “nenhum parlamentar pode exercer advocacia enquanto ocupar cargo legislativo”.

A OAB-PR, como impetrante de mandado de segurança, argumentou que “deputados e senadores só podem ser impedidos de advogar contra pessoas jurídicas de Direito Público, especialmente em face da Fazenda Pública, que paga seu salário”.

No TRF-4, o desembargador relator Gebran Neto considerou que, embora seja competência do juízo de primeiro grau “aferir a regularidade da representação (esta atribuição dele não se subtrai), de outro, é certo que tal verificação deve sofrer temperamentos em casos específicos”.

O julgado analisou e dispôs que “excetuando-se a possibilidade de haver algum litígio futuramente no que diz respeito à reparação do dano como condição à progressão de regime, cuja interessada é a Petrobras, de momento, tem-se uma pretensão punitiva do Estado, representado pelo Ministério Público Federal”.

Gebran também levou em consideração que o pedido partiu de uma seccional da própria entidade de classe (OAB), que tem por função a fiscalização de descumprimentos de seu estatuto. Por isso, não viu motivos para negar o direito de representação de Damous.

O julgado destaca que a concessão da autorização não implica na desconsideração das regras de visitação e entrevistas estabelecidas pela Polícia Federal. “A pluralidade de defensores não autoriza modificação exclusiva das regras de carceragem em favor de um apenado apenas” – refere.

Acerca da pluralidade de advogados, Gebran destacou também que as entrevistas pessoais e reservadas, garantidas pela Lei de Execução Penais, devem acontecer segundo o regulamento da unidade. (MS nº 5018366-23.2018.4.04.0000).


Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 18.05.18 | 11:41:52

A OAB do Paraná se prestar a este papel...??? Isso é uma VERGONHA!

Edson Francisco Rocha Filho - Advogado 18.05.18 | 10:06:43

Um deputado federal pode advogar em favor de um corrupto acusado de lesar, direta ou indiretamente, a União? Não há vedação a isso no Estatuto da Advocacia e/ou no Código de Ética?

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Morre o advogado Mathias Nagelstein

Ele teve sucesso na carreira política, ocupando cargos nos governos de Alceu Collares. Foi também juiz do Tribunal Militar do RS. Sem êxito concorreu em novembro de 2009 às eleições da OAB gaúcha.