Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.

Barbatimão jurídico



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Na semana passada, na comarca de entrância final, em processo de divórcio litigioso, o estagiário – que sempre faz minuciosos projetos de sentença - deparou-se, estupefato, em meio às petições, com uma confidência que um dos advogados da causa fizera à sua dileta noiva.

Além de outros quejandos, um trecho revelava assim: “Por ser rica em taninos, a casca do barbatimão é fortemente adstringente, sendo reconhecida pelo uso familiar, que dela fizeram prostituídas mulheres para reparar a relaxação dos órgãos genitais, e para fingirem possuir o que os seus primeiros desacertos fez com que elas perdessem para sempre”.

O texto seguia na tentativa de convencimento: “Basta uma consulta em blogs sobre o mundo vegetal para saber que o barbatimão é considerado a ´casca da mocidade´ ou o ´amigo da mulherada´. Ele é recomendado, dentre outras coisas, para restaurar a virgindade ou coisa apertada que o valha”.

Surpreso com a revelação que logo lhe foi comunicada pelo estagiário, o sempre presente juiz orientou aquele a que convidasse o advogado a comparecer rapidamente no gabinete, “a fim de esclarecer o mal-entendido”. A visita deu-se no mesmo dia e o inquinado trecho da petição foi mostrado ao profissional.

Este desculpou-se, agradeceu pela consideração e se explicou. Na hora, de próprio punho, o advogado requereu que “face ao manifesto erro de copia/cola, seja tarjado todo o trecho compreendido entre a 1ª e a 14ª linhas da sétima página da peça de memoriais (fls. 205)”. Assim, foi feito.

Antes que deixasse o gabinete, impropriamente o advogado resolveu falar mais, como se pretendesse justificar algo: “Doutor, essa especulação de que o barbatimão teria o poder de até recuperar a virgindade remonta ao tempo dos índios. Mas em tempos modernos, não passa de balela – pode crer”.

O juiz apenas estendeu a mão, sinalizando que o assunto estava encerrado e que havia chegado a hora da despedida.

Falastrão, o advogado ficou conhecido, na “rádio-corredor” forense pela alcunha de Doutor Barbatimão.

E só se fala nisso.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Leia na base de dado do Espaço Vital · Os riscos do “copia e cola” sem revisão posterior


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A primeira vez da juíza

 

A primeira vez da juíza

Literalmente a magistrada foi só, em seu próprio automóvel, para conhecer a casa onde aconteciam os embates de Eros, o deus do amor. Sem demora, numa suíte temática, ela constatou que a vedação acústica tinha problemas. O original caso teve desdobramentos no tititi da “rádio-corredor” da subseção da OAB local.

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

   Castigo financeiro e caligráfico

 

Castigo financeiro e caligráfico

Autor de 45 ligações obscenas a uma massagista, um homem torpe foi condenado a pagar reparação moral. A vítima concordou em reduzir e parcelar o valor indenizatório só depois que o depravado capitulou: teve que escrever 200 vezes, em apurada caligrafia, que as mulheres devem ser respeitadas.

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.