Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

O vale-tudo da pré-campanha eleitoral



Chargista Thomate – Charges On Line

Imagem da Matéria

PRIMEIRO PONTO: Nas eleições de 2016 já fora instituída, por reforma da lei eleitoral, a chamada pré-campanha. Eleições municipais, ainda que tenham um colorido especial, envolvendo uma maior proximidade entre os eleitores e os candidatos, não se prestam para a análise de determinados institutos, entre os quais a campanha eleitoral e a utilização de novas tecnologias.

O maior impacto, nesses casos, se dá nas eleições gerais, em especial por conta das destinadas aos cargos de Presidente da República e govenador do Estado, de grande repercussão.

Podemos antever, portanto, que as eleições de 2018 serão, no mínimo, inusitadas, prestando-se a grandes discussões jurídicas, políticas, econômicas, da ciência de computação, entre outras, que por certo se estenderão para além das eleições, porque novidades importantes se aproximam.

Num passado não tão remoto, o foco da eleição se dava no dia da eleição, com a captação de votos pela Justiça Eleitoral, e, na sequência, a contagem desses votos. Hoje, não!

A propaganda das campanhas eleitorais, agora alimentada pelas redes sociais, e o respectivo sistema de arrecadação e gastos dos recursos eleitorais são a bola da vez. Apenas para referir, a Lava Jato teve seu principal mote impulsionador exatamente a partir das prestações de contas de campanhas eleitorais.

Quem não lembra, quando um suspeito de corrupção era entrevistado na mídia, a resposta, comum e padronizada: “Minhas contas de campanha foram prestadas junto à Justiça Eleitoral e foram aprovadas!”...

SEGUNDO PONTO: Antes, é preciso distinguir: pré-campanha não é sinônimo de campanha antecipada. Essa última continua sendo vedada pela lei eleitoral.

Bonito, não? Mas qual a diferença? Nem os doutos sabem com precisão.

Tudo que se diz: na pré-campanha pode tudo, só não pode pedir voto. Uau!

Posso então dizer que sou pré-candidato - (candidato não, porque depende das convenções e do deferimento do registro... cá entre nós, há diferença?) -, que estou apto a exercer esse ou tal cargo, que programas defendo ou quais repudio, autoelogios, participar de programas de rádio e televisão, redes sociais.

Outdoors são expressamente vedados nas campanhas eleitoras, na pré-campanha pode!...

Mas não pode o pré-candidato receber doações e efetuar pagamentos (arrecadação e gastos de campanha, só depois de ser candidato).

Ora, como é que o interessado vai fazer pré-campanha sem dinheiro? Por conta do partido, cujas contas também são avaliadas? Por conta dos amigos? A única forma de arrecadação permitida nesse período é aquela denominada de financiamento coletivo por meio de sítios na internet ou aplicativos eletrônicos (conhecida popularmente como vaquinha eletrônica) - mas cujas quantias só podem ser liberadas quando o pré-candidato se tornar candidato, isto é, após o registro na Justiça Eleitoral.

Entretanto, o que vemos? Pré-candidatos viajando pelo país, com caravanas ou jatinhos fretados, como se isso fosse de graça.

Nas redes de televisão e rádio, liberadas quaisquer entrevistas, não havendo, como acontece no período de campanha, a exigência de convidar ou de manter proporcionalidade de tempo entre todos os candidatos.

Para o político, há de se concluir que vale mais a pré-campanha do que a própria campanha institucionalizada e regulamentada. E mais, como na pré-campanha arrecadação e gastos são vedados, não há prestação de contas.

Ou seja, está se vivendo, na pré-campanha, um vale tudo!


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

A automação e a inteligência artificial no Direito

O Brasil jurídico também já conta com o seu robô. É Victor, que foi desenvolvido em parceria entre o STF e a Universidade de Brasília. Ele vai ler todos os recursos extraordinários e identificá-los com as temáticas de repercussão geral, produzindo minutas de voto”.

Para não dizer que não falei...de futebol

“O Grêmio vencendo barreiras no planeta. Ver Porto Alegre no ranking do futebol mundial, entre metrópoles como Madrid, Barcelona, Munique, Buenos Aires, Liverpool e Rio de Janeiro dá um orgulho danado”.

O nome social e as eleições

“Julgada pelo TSE uma consulta definindo que os (as) candidatos(as) a cargos eletivos pelo sistema proporcional preencherão a distribuição de vagas (30/70%) de acordo com o gênero pelo qual se identificam”.

Que a voz da mulher seja ouvida!

Na política, as leis que protegem a distribuição de vagas entre candidatas e candidatos são insuficientes e não respeitadas. Há previsão de vagas, mas a visibilidade e os recursos necessários não lhes são alcançados, fazendo com que as candidatas ´morram na praia´, num jogo de faz de conta”.