Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 10 de agosto de 2018.

Potins desta terça-feira



• Fim da impunidade?

O jornal britânico Financial Times – 130 anos de história, 2 milhões de leitores diários, sede em Londres – publicou no sábado, em sua página na internet, uma entrevista em vídeo, realizada no Brasil com o juiz Sérgio Moro. O entrevistador é o correspondente do jornal no Brasil, Joseph Leahy.

O magistrado brasileiro - que a tudo responde em inglês – foi apregoado como “o homem que encerrou cinco séculos de impunidade no Brasil”.

Quem quiser ver e ouvir, fica mais fácil ir ao YouTube, buscando por “Sérgio Moro, Financial Times”. O compacto é de 3 minutos. Vale a pena.

 Elefante à disposição

Não se preocupem os brasileiros com o quadro geral de insegurança que assola o país... O governo acaba de anunciar a criação do tal de SUSP – Sistema Único de Segurança Pública, seja lá o que isso queira dizer.

O leitor pode tratar o tal de SUSP como órgão, instituição, elefante branco, torneira aberta, ralo de despesas, ou algum título pomposo e respeitável.

Se a eficiência do SUSP acompanhar seu irmão da Saúde, o SUS, já será possível antever em que brejo estaremos metidos.

 Súmula vinculante

Na pauta da próxima quinta-feira (24) no STF, a aprovação – ou não – da proposta de súmula vinculante (115) do ministro Lewandowski sobre o foro privilegiado.

Pelo texto a ser submetido ao Plenário, surgindo indícios do envolvimento de autoridade que detenha prerrogativa de foro, "a investigação ou ação penal em curso deverá ser imediatamente remetida ao tribunal competente para as providências cabíveis".

Assim, caberia ao Supremo baixar os feitos relacionados a parlamentares em casos em que fosse excluída a prerrogativa.

A proposta foi apregoada em plenário em novembro de 2015, quando então pediu vista o ministro Teori Zavascki. O processo estava no gabinete dele, quando do acidente que aéreo. Redistribuído, o ministro Alexandre de Moraes devolveu os autos, que agora serão discutidos pelos ministros.

• Prevalência da “utilidade política”

Sabem a campanha institucional de dois anos de governo Temer, que começou na sexta passada? Pois parte de seus recursos financeiros foi remanejada de verbas publicitárias de outros ministérios. A “mão grande” maior foi aplicada no

contingenciamento de verbas do Ministério da Saúde, de onde vieram R$ 22 milhões.

Tal dinheiro seria para campanhas das vacinações, doação de órgãos e combate à febre amarela.

Por decisão do mais impopular presidente do Brasil, a verba de utilidade pública virou verba de utilidade... política.

 A importância da vírgula

Aliás, os convites para a cerimônia que celebrou os dois anos do governo Temer reabriram, internacionalmente, comentários sobre a importância da vírgula no vernáculo. Expedidas pelo cerimonial do Planalto, as mensagens traziam o mal inspirado slogan “O Brasil voltou, 20 anos em 2”.

Gaiatos usaram discretos corretivos de texto, suprimiram a única vírgula e a frase viralizou assim: “O Brasil voltou 20 anos em 2”. Outros convites, então, foram então expedidos às pressas, com novo mote: “Maio de 2016 > Maio de 2018 > O Brasil voltou”.

Mas o que voltou, mesmo, foi o ínfimo e igual índice de popularidade que tinha sido aferido em março: 4,3% apenas de avaliação positiva (ótimo/bom) do governo e do presidente. No ponto não há controvérsias.

• O trio terrível

Como em política brasileira tudo é possível, desde a semana passada se fala em eventual aliança de Geraldo Alckmin (PSDB) com o MDB. Ela seria recheada, na hora da sobremesa ou do licor, com a nomeação, para três embaixadas, de homens encalacrados com a Lava-Jato.

Com a estratégia, o trio Michel Temer, Moreira Franco e Eliseu Padilha garantiria foro privilegiado.

Alckmin teria sido, porém, peremptório: caso ele seja eleito em outubro, nenhum dos “três terríveis” virará embaixador.

Por via das dúvidas, convém recortar e guardar.

• A nova face

O envelhecimento chegará às filas das urnas. Em outubro próximo a população com 60 de idade, ou mais, estará superando os moços de 16 a 24 anos.

Ainda que prevaleça a ideia de que o Brasil é um país de jovens – que são decisivos nos processos eleitorais – dados do TSE mostram que a democracia brasileira tem faces cada vez mais maduras.

Os idosos representam 18,6% do eleitorado (27,3 milhões de votos), enquanto os jovens somam cinco milhões a menos: são 22,4 milhões, ou 15,3% dos que estarão aptos a votar.

• Impasse trabalhista

Nove ministros do TST concluíram a redação de uma possível instrução normativa para tentar orientar decisões uniformes em ações trabalhistas. Eles sugerem que a vigência da CLT modificada seria “imediata”, porém com uma data de corte: o 22 de novembro de 2017, dia da promulgação das mudanças na lei.

Para os processos iniciados até tal dia, “valeriam as situações pretéritas ou consolidadas sob a égide da lei revogada”. Mas não há unanimidade nem mesmo no noneto de magistrados, porque fixar 100% da jurisprudência por meio de tal norma seria “açodamento”.

 Benefício prorrogado

É possível a prorrogar o benefício de salário-maternidade, em decorrência de parto prematuro, pelo prazo correspondente à internação do recém-nascido em UTI neonatal. Isso deve acontecer quando for indispensável o cuidado materno após a alta hospitalar.

A decisão é da Turma Regional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais da 4ª Região. A prorrogação, foi concedida mesmo sem previsão legal específica. O caso é gaúcho.

Segundo o relator, juiz federal Fernando Zandoná, “a lei deve ser flexibilizada para proporcionar um indispensável e exclusivo contato entre a mãe e o recém-nascido, a fim de protegê-lo no momento inicial de seu desenvolvimento”.

O julgado analisa que, “nos casos em que a criança fica internada, dependendo da ajuda de aparelhos médicos pelo parto prematuro, a mãe é privada do primeiro contato porque o prazo acaba ou diminui antes que a criança saia do hospital”.(Proc. nº 5002059-47.2017.4.04.7107).

 Retrato da decadência

O quadro é desalentador. O Senado brasileiro virou a síntese da decadência da política. Levantamento feito pela revista IstoÉ mostra que 56 dos atuais 81 senadores possuem alguma pendência judicial.

Os encrencados estão mencionados ou acusados em casos de violência contra a mulher, ocultação de bens, peculato, crimes contra a fé pública, ocupação ilegal de apartamentos funcionais, crimes eleitorais, enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro.

E, claro, dezenas de inquéritos derivados das delações premiadas da Odebrecht.

Os delitos preferidos são a corrupção e atos de improbidade administrativa dos senadores: 49 deles respondem por crimes dessa natureza. A maioria, no entanto, se esconde atrás do foro privilegiado e os inquéritos e/ou processos abertos caminham a passos de tartarugas.

Limpos mesmo, só 25 senadores. É uma conjunção bem acabada da falência política.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Potins desta sexta-feira

· Ciro Gomes prega que juízes e promotores voltem às suas caixinhas. E quer a restauração da autoridade do poder político.

· A cara feia de Cármen Lúcia.

· E a cara sorridente de magistrados mineiros bafejados por altos salários.

· A engraçada comédia dos candidatos à Vice-Presidência da República.

· Uma benção na sede do TRF-2, para afastar assombrações noturnas.

· Indenizações do DPVAT vão ter indenizações aumentadas. Mas o custo do seguro também vai subir.

Potins desta sexta-feira

 Negado vínculo de emprego entre carregador de tacos de golfe e o Country Clube de Porto Alegre.

 Um homem e sua união estável com duas mulheres

TRF-4 mantém liminar que impede governo do RS de arquivar a extinção da Fundação Piratini.

 CF da OAB diz que o modelo da Agência Nacional de Saúde e outras reguladoras está falido.

 Auxílio-acidente depois do auxílio-doença.

 MPF vai pedir, em agosto que Adriana Ancelmo volte para a prisão.

Potins desta sexta-feira

•  Cartazete em escritório de advocacia gaúcho explica a cobrança de R$ 150 por consulta: “É da mesma forma como acontece quando o(a) distinto(a) cidadão(ã) vai a um médico particular”.

• Pensões distintas para filhos do mesmo pai. O STJ flexibiliza o princípio da igualdade absoluta de direitos.

•  Um precedente do TST que vai mexer no adicional noturno.

•  Restrições ao prazo em dobro quando houver litisconsórcio de réus.

•  Os apertos de julho... E o que nos espera em agosto?

Potins desta terça-feira

 O futuro presidente Toffoli já começa a pensar no aumento para o Judiciário.

• Rodrigo Janot vem ao RS para falar sobre eleições e corrupção.

 Foi em Santiago (RS), a audiência criminal em que o réu não aceitava uma mulher juíza!

 O ano de 2014 que ainda não acabou em Porto Alegre.

 Desaprovação ao governo brasileiro só não é pior do que a de Bósnia-Herzegovina.

 O jeitinho para evitar o avanço no combate da corrupção no Brasil.

• Discriminação nos EUA contra mulheres grávidas empregadas.

 Colega de Rosa Weber no STF avalia que ela é a “ministra pêndulo”.

• Os 60 dias pedidos pela PGR que vão ajudar Michel Temer.

Potins desta terça-feira

 Gleisi Hoffmann quer que o Judiciário se sensibilize com o caos social e libere Lula.

• Na política brasileira, outubro chegou em junho.

 STJ decide se cidadã pode deixar de se chamar Tatiana, para ser Tatiane.

 Ainda sem título definitivo, vem aí as “memórias do cárcere de Lula”.

• As buscas no apartamento de Augusto Nardes: nada ostensivo...

 Brasileiros acreditam pouco na seriedade das eleições.

•  Benesses para os planos de saúde: 107% de aumento em sete anos.

Novo slogan de Temer vira piada nas redes sociais

• A importância da vírgula: o presidente diz que “o Brasil voltou, 20 anos em dois”.

• Mas há quem ironize: “o Brasil voltou 20 anos em dois”.

 Uma busca e apreensão – por engano – na casa do secretário adjunto do CF-OAB.

 A prescrição que agrada banqueiros.

 Gilmar Mendes prevê uma avalanche processual nos foros e tribunais, Brasil afora.

 Quanto é dois mais dois?

• Uma análise de Joaquim Barbosa sobre o sistema político brasileiro.