Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 19 de junho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Segredos que agradam baderneiros



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

 O estranho culto ao mistério

Desde abril de 2008 quando foram instalados os postos do Juizado Torcedor em Porto Alegre houve o registro – nos principais estádios de futebol do RS - de 1.577 ocorrências. Os atendimentos foram feitos no Estádio Olímpico, Arena, Estádio Beira-Rio e, em menor número, nos estádios do Novo Hamburgo e do Caxias onde temporariamente (2013 e 2014) o Inter teve o mando de seus jogos.

O Juizado do Torcedor centraliza as ocorrências de contravenções penais de menor potencial ofensivo como posse de drogas, arruaças, vandalismo, violência, e delitos de trânsito ocorridos antes, durante e após as partidas. Situações que configurem crime com pena superior a dois anos, como lesões corporais graves, são encaminhadas às varas criminais do Foro de Porto Alegre.

“A proposta e o serviço são bons e, em geral, o alcance de soluções rápidos. Mas, na prática, os efeitos poderiam ser melhores e com mais eficiência para a sociedade e para os que vão aos estádios em busca de lazer - se houvesse efetivo controle pelo Judiciário, pela Brigada Militar e pela Polícia Civil em relação aos beligerantes que são punidos ou que aceitaram transações que, muitas vezes, não são cumpridas nem controladas e que terminam voltando aos estádios”.

A análise sintetizada nas duas frases acima contém a essência das respostas a contatos feitos pelo Espaço Vital com advogados do Grêmio, Inter, defensores públicos e profissionais da Advocacia que já compareceram nos juizados para atuar em nome de pessoas lesadas e mesmo de bagunceiros.

Ao todo, dez operadores jurídicos se manifestaram. Chama a atenção que, desses dez, nove entendem que se os números dos atendimentos e/ou processos fossem divulgados - com possibilidade de acesso e publicação dos nomes dos envolvidos - os efeitos para a cidadania seriam muito melhores.

Se a mídia, os dirigentes futebolísticos, muitos agentes públicos e a cidadania em geral pudessem saber e divulgar os nomes dos brigões e baderneiros, o controle seria mais eficiente e os próprios delinquentes que perturbam as pessoas de bem restringiriam a reincidência ou até mesmo gradativamente reduziriam suas idas aos estádios” – resume um profissional da advocacia que defende causas gremistas.

“É desagradável constatar como muitos bagunceiros, com penas ou transações já cumpridas ou ainda pendentes, retornam aos estádios e, às vezes, aos juizados” – admite um servidor público que já atuou no sistema.

E um advogado do Inter lamenta que a publicidade completa e efetiva não faça parte da rotina dos Juizados do Torcedor em Porto Alegre. Ele evoca a postura pública do ministro Celso de Mello, do STF: “Não há no regime democrático possibilidade de se preservar ou de se cultuar o mistério”.

Um dirigente do Grêmio completa: “Veja-se que, no atual momento brasileiro, em casos como os da Lava-Jato e do combate à corrupção, o Poder Judiciário dá outro tipo de exemplo, com seus julgamentos realizados publicamente, sob permanente fiscalização da opinião pública, via meios de comunicação”.

 Opinião do Espaço Vital

A publicidade das deliberações do Juizado do Torcedor – veiculando números dos processos e nomes dos baderneiros - seria um fator de legitimação de todas as decisões proferidas, inclusive naquelas em que o desfecho é a transação.

O TJRS tem que querer. É aí que mora a demora. Afinal, os Juizados do Torcedor já tem dez anos de existência.

 Cuidados em casa

Uma boa notícia para clientes que penam nas curvas e negativas das operadoras de planos de saúde. É que já transitou em julgado a condenação da Unimed (noticiada pelo Espaço Vital na terça-feira passada, 29) definindo que as operadoras não podem limitar o tipo de tratamento que será prescrito para o enfrentamento de males como o mal de Alzheimer.

Observem: a prescrição do tratamento se constitui em incumbência exclusiva do médico que assiste o paciente.

O julgado da 5ª Câmara Cível do TJRS determinou o custeio, em favor de uma idosa em estágio avançado da doença, de todo o tratamento caseiro. Chama a atenção um dos comandos do acórdão: “A Unimed deverá fornecer o atendimento ´home care´ à autora, nos termos indicados pelo médico-assistente”. (Proc. nº 70075841577).

 

 O congestionamento dos leões

As redes sociais brasileiras foram inundadas, ontem (31) com um vídeo autêntico – feito em um parque da África do Sul - que mostra, pouco a pouco, uma dezena de imprevisíveis leões se acomodando sobre uma estrada pavimentada e, afinal, trancando vários veículos de apreciadores de safaris turísticos.

Um automóvel para; de repente já são cinco; chega também um caminhão; se aproxima um utilitário; aporta uma equipe de reportagem de uma emissora de tevê e...está gerado o congestionamento de trânsito nos dois sentidos.

Uma espirituosa mensagem brasileira então sugere: “Convoquem o Padilha e o Marun para resolver. Com um pouco de sorte nossa, de repente os dois ficam por lá mesmo – afinal ninguém sabe como será o humor dos leões, daqui a pouco”...


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O áudio polêmico do deputado federal Alceu Moreira (MDB-RS)

  Em gravação, o parlamentar (MDB-RS) diz como “passar” a verba destinada à Saúde para reformar a sede da Associação dos Caminhoneiros de Santo Antonio da Patrulha.

 A informação e a dica do deputado: “Não tem no orçamento da União dinheiro pra passar pra ´associação X´, tá, é complicado. Aí acertamos com os vereadores e com o prefeito”.

  OAB-RS pede que o Ministério Público Federal investigue os fatos.

 Quem é “Feruminho?

Político exitoso de sete mandatos, Pompeo de Mattos tem ação trabalhista contra o Banco do Brasil

  Na Justiça do Trabalho de Porto Alegre, o deputado federal (PDT-RS) busca até indenização pela perda de uma chance. E chegou a pedir gratuidade da justiça.

 A maldição do impeachment de Dilma segue “tarrafeando” políticos de vários partidos.

  Parabéns mulheres! Pesquisa revela que o tempo médio gasto, por elas, com afazeres domésticos e/ou cuidando de pessoas da família, totaliza 92 horas por mês.

  Ministério Público oferece denúncia contra cinco diretores da Net. E o que é que Embratel, Claro e Globo tem a ver com isso?

Uma ação de pequena entidade gaúcha contra a poderosa General Motors

 Propaganda dita “enganosa” da picape S10 General Motors estaria atingindo os ambientalistas, exibindo “uma carga pejorativa a quem cumpre o papel de suma importância, que é a defesa do meio ambiente”.

 O que pode estar embutido na campanha “Agro é Pop, Agro é Tech, Agro é Tudo, Está Aqui, Está na Globo”.

  Em outra frente um pedido ao CONAR – Conselho Nacional de Auto Regulamentação Publicitária para que suspenda a veiculação do comercial.

FEPAM festeja proteção ambiental com ´banner´ de aves e mamífero que não são da fauna gaúcha

 O desmanche no RS das instituições ligadas à proteção do meio ambiente, ciência e tecnologia.

 “O Brasil que eu quero/ É um país com todos os corruptos presos /E sem liminar do Gilmar /Que os possa soltar”...

 Projeto de lei federal com gratuidade judicial para advogados cobrarem seus honorários.

  Que ciúme! Salário inicial de advogado em grande escritório dos EUA: piso de US$ 190 mil por ano (US$ 15.833 por mês, cerca de R$ 60 mil), a partir de 1º de julho

A grande vitória jurídica do Grêmio no STJ

 O clube vence demanda ajuizada pelo filho de Lupicínio Rodrigues e pelo instituto que leva o nome do falecido compositor.

 A questão envolve direitos autorais sobre o Hino do Grêmio e a expressão “Imortal Tricolor”. Relator esclarece que a expressão foi uma loa a Eurico Lara (acima, a foto do grupo que tinha o goleiro como expoente).

 Em Caxias do Sul, a tartaruga forense está na “mesa da Elenita”.

  Ex-procurador investigado quer ser juiz federal.

 OAB-RS exclui mais uma advogada: a lista tem 50 nomes.

A íntima prevaricação entre o então juiz e seu fiel assessor

 A apreensão de um Mercedes Benz horas antes do Natal.

 O magistrado de plantão no 24 de dezembro em confraternização familiar a 326 km de distância.

• Uma folha assinada em branco pelo juiz, que o servidor aproveitou em causa própria.

 E um arremate cômico: cobrança de autos da “advogada Corregedoria-Geral da Justiça”.