Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 19 de junho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

A automação e a inteligência artificial no Direito



Arte de Camila Adamoli, sobre imagem Thinkstock

Imagem da Matéria

PRIMEIRO PONTO - A Ciência da Informação invadiu o Direito. Só não sabemos qual a dimensão dessa invasão e de seu impacto. O processo eletrônico – que ainda anda, em alguns segmentos da Justiça, a passos de tartaruga – nem mais desafio para o conhecimento representa. A informatização do processo já é domínio da tecnologia da informação. A novidade, se é que se pode chamar de novidade, fica por conta dos ´big data, do uso de algoritmos, da robótica, temas mais afeitos à ciência da informação.

No Direito Eleitoral, as eleições de 2018 estarão afetadas mais do que qualquer outra no passado por tecnologias de informação e de computação. O uso de informações constantes de ´big data, cujos dados, em rede, são imensuráveis, - podendo ser acessados e trabalhados a partir de sistemas operados pela técnica de algoritmos - tem o poder de construir ou destruir uma candidatura.

A arrecadação de recursos pelo sistema coletivo, via internet, conhecido popularmente como “vaquinha eletrônica”, está em funcionamento, dela se valendo pelo menos 48 candidaturas no país até o presente.

No âmbito do Direito do Trabalho, temas como a robotização de determinadas tarefas repetitivas e não criativas já estão em plena aplicação, dispensando a mão de obra humana. De outro lado, o tele trabalho, abrindo as fronteiras do mundo e se afirmando como transnacional também já é uma realidade.

No STF – a exemplo de determinados escritórios de advocacia que atuam principalmente com ações repetitivas - passa-se a utilizar, recentemente, da ferramenta de IA, com vistas à agilização da tramitação de processos.

SEGUNDO PONTO - É um mundo novo, ainda que por vezes valendo-se de velhas ferramentas!

A combinação entre os ´big data´ e os algoritmos – esses desenvolvidos pelos gregos – provoca uma nova realidade, produzindo uma informação infinita, sem limites. Bancos de dados e algoritmos não são, por si só, novidades.

Mas a ciência da computação possibilitou bancos de dados imensuráveis, cujos registros, operados pelos algoritmos – que correspondem a uma sequência finita de instruções bem definidas e não ambíguas, sujeitas a serem executadas mecânica ou eletronicamente, dentro de um determinado tempo e esforço –, produzem verdadeiros milagres.

Exemplo típico, como um grupo de jovens da Macedônia, visando ao lucro obtido com os impulsionamentos pagos, derreteram a candidatura de Hillary Clinton, nas últimas eleições dos Estados Unidos.

Sophia, uma verdadeira garota eletrônica, criada com robótica inovadora e tecnologias de inteligência artificial pelos cientistas da Hanson Robotics, está com sua agenda cheia para palestras no mundo inteiro até os próximos quatro anos. Ela recebeu cidadania da Arábia Saudita e é capaz de manifestar expressões humanas e desenvolver emoções a partir de tais interações.

O Brasil também já conta com o seu robô. Victor, que foi desenvolvido em parceria entre o STF e a Universidade de Brasília, vai ler todos os recursos extraordinários e identificá-los com as temáticas de repercussão geral, produzindo minutas de voto.

Cuida-se do mais complexo projeto de Inteligência Artificial do Poder Judiciário e, quiçá, de toda a Administração Pública.

Tais desafios impõem-se aos operadores do direito, mas também às instituições de ensino, formadoras dos novos profissionais, que devem se adaptar a este novo mundo.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O vale-tudo da pré-campanha eleitoral

“Pré-candidatos viajando pelo país, com caravanas ou jatinhos fretados, como se isso fosse de graça. E... como a arrecadação e os gastos são vedados, não há prestação de contas...”

 

Para não dizer que não falei...de futebol

“O Grêmio vencendo barreiras no planeta. Ver Porto Alegre no ranking do futebol mundial, entre metrópoles como Madrid, Barcelona, Munique, Buenos Aires, Liverpool e Rio de Janeiro dá um orgulho danado”.

O nome social e as eleições

“Julgada pelo TSE uma consulta definindo que os (as) candidatos(as) a cargos eletivos pelo sistema proporcional preencherão a distribuição de vagas (30/70%) de acordo com o gênero pelo qual se identificam”.

Que a voz da mulher seja ouvida!

Na política, as leis que protegem a distribuição de vagas entre candidatas e candidatos são insuficientes e não respeitadas. Há previsão de vagas, mas a visibilidade e os recursos necessários não lhes são alcançados, fazendo com que as candidatas ´morram na praia´, num jogo de faz de conta”.