Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 19 de junho de 2018.

Mulher juíza, não!



Charge Gerson kauer

Imagem da Matéria

Aos 25 de idade, a jovem bacharel em Direito é aprovada em concurso para ingresso na magistratura gaúcha e é designada para uma vara criminal de comarca gaúcha, onde o machismo ainda tem alguns absurdos rompantes.

No início de uma tarde forense - em que estão pautadas 20 audiências para o oferecimento de suspensão condicional dos processos - adentra à sala um homem trintão. Ele está pilchado, botas, bombacha, lenço vermelho, bigode grande, “todo a gaúcho”. Carrega uma sacola de viagem.

A magistrada olha a denúncia: “Crime ambiental, consistente em maus-tratos contra o próprio cavalo de sua propriedade” – e começa a explicar sobre o benefício e suas condições. E esclarece, claro, que não era obrigatória a aceitação.

A juíza percebe, no entanto, que o homem não dá a mínima ao que ela lhe fala. Entrementes, ele procura alguma coisa dentro da sacola. Dela, de repente, retira um laço de couro e o lança em cima da mesa principal.

A magistrada assusta-se com o inesperado e com o barulho da argola batendo na madeira, e, nessa cena tragicômica, ainda tem que escutar – do homem que se ergue da cadeira – uma frase discriminatória: “Eu não aceito uma mulher juíza”.

Estão na sala de audiências, a juíza, a promotora, a defensora pública e a escrevente. Quatro mulheres mudas diante da postura ameaçadora de um homem só.

Há um hiato de cinco ou dez segundos, a magistrada reage com um olhar fulminante, eleva o tom de voz e adverte: ”Ou o senhor aceita uma juíza mulher, ou eu vou lhe prender por desacato à autoridade”.

O homem senta novamente, ?ca alguns instantes em silêncio e responde – meio conformado que – “então eu aceito a juíza mulher”.

Afinal, acordada a proposta de suspensão condicional do processo, o termo é assinado, a audiência é encerrada e o valentão sai. E só então aparece o guarda forense para informar: “Doutora, passei para lhe dizer que esse cara aí não bate muito bem”.

A juíza já aliviada agradece a informação e encerra o caso: “Bem que o senhor poderia ter me dito isso antes”...




Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Distribuição de chupeta (s)

 

Distribuição de chupeta (s)

A entrega de chupeta a um médico que, em audiência, se opunha à pensão alimentícia que teria que pagar. Mas - segundo a “rádio-corredor” forense - os bicos ortodônticos também eram oferecidos pelo juiz a advogados com quem ele estaria em linha de confronto jurídico. 

Charge de Gerson Kauer

   Recurso especial com sabor de queijo francês

 

Recurso especial com sabor de queijo francês

Não se tratou do já tolerado erro do “copia e cola”. Era uma folha à parte, íntegra e autêntica, contendo um ensinamento culinário: “Em uma tigela, misture três tomates maduros, três colheres de azeite e três colheres de manjericão fresco picado”.

Gerson Kauer

Reunião da turma de Direito

 

Reunião da turma de Direito

Por que, de 1988 a 2018, o mesmo grupo de advogados (as), magistrados(as) e promotores(as) decidiu, a cada dez anos, sempre comemorar o aniversário de formatura na... churrascaria Picanha Excelência.

Charge de Gerson Kauer

Barbatimão jurídico

 

Barbatimão jurídico

Em processo de divórcio litigioso, o estagiário – que sempre faz minuciosos projetos de sentença - deparou-se, estupefato, em meio às petições, com uma confidência que um dos advogados da causa fizera à sua dileta noiva. Era mais um caso de erro do “copia e cola”

Charge de Gerson Kauer

Exagero na relação conjugal

 

Exagero na relação conjugal

Meia-noite de uma sexta-feira, Sua Excelência e a esposa – ele cinquentão, ela quarentona - tentam apimentar o relacionamento sexual. Por isso combinam que ela, em decúbito ventral, será algemada num dos decorativos vãos da cabeceira da própria cama do casal