Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 19 de junho de 2018.

Raul Jungmann com “jota” de jumento



Por Ramon G. von Berg, desembargador aposentado (TJRS) e advogado (OAB-RS nº 3.344)
ramon@vonberg.adv.br

Antes que o atento leitor pense que estou a chamar o ministro de jumento, desde já esclareço que não é isso. Portanto, se tiver a paciência de ler até o final, tudo será esclarecido.

Remeti correspondência a um jornal da Capital dizendo que alguém deveria dar um recado para uma prestigiosa jornalista que insistia em pronunciar a palavra "subsídio" como esse fosse grafada com “z”. Mostrei-lhes que o “s” depois de consoantes como “p” e “b” tem som sibilante - e isso se aprende desde o antigo curso primário.

Alguém teria dúvidas sobre como se pronunciaria subsolo, subsequente ou rapsódia?

Pois ela nunca mais cometeu esse erro ...

Agora vejo artistas “globais” cometendo propositadamente um erro da pronúncia de “mesmo”. Ora, antigamente só falava “mêmo” aquele cidadão menos aculturado, que não teve chance de frequentar escola. Então, o que dizer de comentaristas que abocanham verdadeiras fortunas para cometer tamanho pecado contra a língua?

Entrementes, está na “crista da onda”, um cidadão que tem seu sobrenome oriundo da língua germânica (Raul Jungmann). E há poucos comentaristas que pronunciam corretamente, falando jungman; usam o “j” de jumento ...

Caberia esclarecer a eles que, na língua de Goethe, o “j” tem som de “i”.

Outros pronunciam o nome de um dos ícones da indústria alemã como se fosse americana: BE-EME-DÀBLIU, quando esse tão querido deles, o tal “dábliu” não existe na língua germânica ....

O Estado, RORAIMA, que muitos pronunciam abrindo o ditongo “ai” (Raráima), quando deveriam pronunciar “RARÂIMA’, a exemplo de andaime ou polaina...

Vejo os comentaristas falando num tal de PISSICÓLOGO, que deve ser um profissional da pesca (piscicultura).

Por último, alguns se preocupam com um improvável TISSUNANI. Que fenômeno climático será esse?

E para arrematar, essa “pérola” dos nossos gênios televisivos: a atriz Samantha SCHMÜTZ, vem tendo seu sobrenome pronunciado como se fosse com “u” da uva - mas conforme deveria ser lido, seria um “i” de Iva, já que, qualquer ser aculturado certamente saberá que um ”u” tremado (especialmente na língua germânica) tem som de “i” .

E pobre do povo a quem só ensinam asnices como essas ...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cármen Lúcia fechou a roleta do STF

Jornalista Elio Gaspari revela, em artigo, as tentativas feitas por advogados – ao distribuírem ações e petições no Supremo. Os repetidos ajuizamentos, na esperança de que o caso caia nas mãos de um voto amigo. Ciência à OAB do “abuso do direito e defesa”. 

Um voto contra a corrupção

“Quando entra na conta a corrupção da elite político-empresarial, a percepção é muito maior. Pesquisa do Fórum Econômico Mundial colocou o Brasil como o 4º mais corrupto entre 141 países. No ranking de honestidade da Transparência Internacional, que avaliou 180 nações, o Brasil figurou na tímida 96ª posição”. Artigo de Deltan Dallagnol, mestre pela Harvard Law School e procurador da República (coordenador na Lava-Jato).