Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 10 de agosto de 2018.

Condenação de um juiz nos Estados Unidos por aplicar pena leve...



Chargista Duke

Imagem da Matéria

Por Antonio Silvestri, advogado (OAB-RS nº 17.672)
asilvestri@terra.com.br

Na Califórnia (EUA), um juiz de direito foi deposto por ter condenado um agressor sexual a uma pena considerada muito leve. E de quem partiu a iniciativa? Da população! Lá, a democracia tem espaço.

Já aqui, neste país tropical, abençoado por Deus, não um juiz, mas um ministro da Corte Suprema solta um criminoso por dia (na média) e fica tudo por isso mesmo. Ele solta amigo, solta afilhado, solta parente do amigo, solta esposa do afilhado - é uma verdadeira fábrica de solturas.

Mas o povo estufa-se em delírios, dizendo que se vive em uma democracia.

Democracia? Será? Os gregos que a criaram há milênios devem estar esperneando na sua santa paz celestial. Com certeza, essa espécie de poder que emana do povo (demos + kratos) não estava na lista das ideias dos conterrâneos de Platão, Sócrates, Aristóteles e companhia.

A nós, operadores do Direito - sejamos advogados, promotores, magistrados - envergonham-nos tais atitudes. Emociono-me ao assistir a juízes, promotores, policiais na sua luta, sua dedicação, seu esforço, não raro sem condições apropriadas e às vezes à míngua de recursos físicos, para chegar ao ponto de colocar as mãos em incontestáveis bandidos, ladrões, assassinos... - ás vezes, confessos).

Os atos delituosos desses bandidos matam crianças de fome; deixam doentes em corredores de hospitais; geram insegurança pública, assistem a falta de vagas em escolas, nada fazem ante a repetição de acidentes em pseudoestradas - e, no entanto, horas depois, num simples canetaço, alguém que se julga habitar em andar superior ao de Jesus Cristo mandá-los para a rua desfrutar de plena liberdade sob o argumento de que não cometeram crime mediante violência.

Seria importante tornar público qual o conceito de violência para quem se ocupa de soltar bandidos com tanta facilidade.

Será que matar crianças de fome, doentes mediante tortura em filas e por aí são crimes leves?

Sou um simples e anônimo advogado. Mas, a quem eventualmente vier a ler-me, confesso que estou pensando em entrar em depressão.

Perdoem-me a ironia, mas o que anda acontecendo em nosso país, partindo lá de cima, lá das alturas supremas, é coisa que conduz à depressão. Com que espécies de conceitos estamos vivendo? A um operador do Direito que no dia da sua formatura jurou advogar com o intuito de andar de braços com a justiça, o que lhe pode restar de esperança?

Sinceramente, não consigo ver à minha frente outro caminho que não o de ingressar no abismo da depressão. Há décadas exerço meu direito de cidadão. Afinal, sou povo e é do povo que emana o poder em uma democracia, não é mesmo? Mas o que consegui até aqui? Talvez um olhar de pena lançado pelos que me cercam. Sinto-me tal qual o búfalo africano que, atacado por uma leoa, vê toda a manada sair em disparada.

É, se os búfalos tivessem a consciência da força da sua união perante uma única leoa, insurgir-se-iam (unidos) contra ela e a derrotariam. Mas eles não sabem do que são capazes. E, por isso, correm. E o atacado que se dane! Sinto-me esse búfalo.

Sou apenas um sofredor por ter tido o azar de alcançar a consciência. Sozinho, não sou nada. E o poderoso Supremo continuará soltando bandidos independentemente da minha luta.

Aqui, é Brasil; não é Califórnia. Lá, vive-se uma democracia. Aqui, pensa-se que se vive numa democracia. Lá, o povo faz. Aqui, cada um espera que o outro faça.


Comentários

César Augusto Hülsendeger - Servidor Público Estadual 08.06.18 | 10:59:33
Esse juiz foi eleito. A população se utilizou do recall. Vamos eleger juízes no Brasil? Sério? Cuidado com o que pedes aos deuses; eles podem te atender.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge do saite Mais Vale Saber

Do sonho ao pesadelo

 

Do sonho ao pesadelo

“Voo atrasado, ou cancelado e extravio de bagagem. As companhias aéreas fazem um cálculo do custo/benefício, preferindo transferir ao consumidor o ônus advindo de suas falhas, ao invés de ampará-lo”. Artigo do advogado Júlio Sá.

Justiça na era digital: a tecnologia como personagem processual

“Considera-se ´tempo morto´ a fase em que o processo fica parado no cartório, aguardando rotinas ordinatórias. Não é difícil que uma simples comunicação processual por carta leve meses, principalmente se em outro Estado da federação”.Artigo do advogado Renan De Quintal.

Diversidade e complexidade: um movimento de oposição para mudar a composição da OAB-RS

Os problemas da classe são objetivos e vão muito além da inauguração de sedes. Eles estão na ponta do exercício profissional cuja voz não chega até o pomposo CUBO (...). Para preservar interesses dos grandes escritórios, a entidade não se dispõe a discutir projeto de lei sobre o piso de contratação”. Artigo das advogadas Luciane Toss e Bernadete Kurtz.

Preocupante dicotomia nas eleições da OAB-RS

“Eu quero somente uma Ordem que destine recursos aos advogados que andam morrendo de fome e perdendo a saúde, sem condições de subsistência. Gostaria que a nossa OAB destinasse recursos aos colegas do interior que passam por dificuldades ainda maiores que as nossas da Capital”. Artigo da advogada Suelena Cioccari Lannes.

Montagem revista IstoÉ

Os três trapalhões

 

Os três trapalhões

“Por que esses personagens (Neymar, Eunício de Oliveira e Rogério Favreto) fazem o mundo rir do Brasil e massacram ainda mais a nossa autoestima tão em baixa”. Artigo de Antonio Carlos Prado, diretor executivo da revista IstoÉ.