Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 19 de junho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/jus_colorada_caricatura.jpg

Quatro anos sem Fernandão



Gazeta Toledo

Imagem da Matéria

No dia 7 de junho nos defrontamos com a morte trágica de um dos maiores ídolos da história do S. C. Internacional, o Fernandão. Ele atingiu um patamar no esporte muito difícil de alcançar, sendo uma unanimidade dentre aqueles que o conheceram.

Tive o privilégio de conhecer o Fernandão; lembro da primeira vez que conversamos no interior do vestiário logo que aqui chegou.

Na ocasião ele descrevia acerca da forma de treinar futebol na Europa. Afirmou que onde jogou o tempo destinado ao treino com bola, ao preparo físico, era praticamente o mesmo destinado à formação teórica. Segundo ele, além de jogar o atleta precisava conhecer futebol, entender o que o adversário estava fazendo em campo e qual a melhor forma de neutralizá-lo.

Essa sua compreensão esbarrava na realidade que verifiquei no Internacional e que, com certeza, não era diferente em outras equipes.

Estive presente em inúmeras preleções e palestras de treinadores e, segundo me afirmavam os experts, o tempo máximo de concentração para captação dos ensinamentos por parte do jogador médio brasileiro, era de cinco minutos. A partir disso, era chover no molhado.

Mas o que a nossa conversa revelou, independentemente da sua opinião, era de que definitivamente estava diante de uma pessoa diferente. Estava diante de um homem preparado, com um caráter marcante e que definia as suas relações com os seus colegas, com a direção e com a torcida.  A isso chamamos de carisma.

Fernandão exarava uma grande energia, magnetizando seus interlocutores.

Se eu tivesse que defini-lo em uma única palavra, seria com ´inteligência´. Ela estava muito acima da média dos demais jogadores que conheci. No vestiário e no campo exercia uma incontestável liderança. Os demais jogadores confiavam em suas palavras e não necessitava de nenhuma encenação para protagonizar grandes momentos.

Um deles que é exibido repetidamente foi no vestiário do Internacional no Japão, quando do mundial FIFA. Não foi um discurso, não foram berros, mas frases profundas que desafiaram o coletivo. O resultado o mundo todo soube.

A tragédia de sua morte nos colheu de surpresa e nos emocionou. Ele tinha pela frente um futuro que estava apenas iniciando. Com certeza a ele estava reservado um lugar de destaque entre os técnicos. As qualidades para tanto tinha de sobra.

A sua morte atingiu além de seus familiares e amigos mais próximos, a torcida colorada e mundo desportivo. Fernandão deixou saudades e é alvo da nossa eterna lembrança.

Há pouco conversava com alguém que conheceu pessoalmente o Ayrton Senna. Ele foi descrito como alguém que mesmo quieto, enchia o ambiente onde estava, como se magneticamente atraísse aos demais. Disse-me que seu olhar era diferente de tudo que já tinha visto.

Senna tinha as mesmas qualidades intrínsecas do Fernandão, inteligência, obstinação, sabedoria e carisma. Foram homens de uma mesma e rara estirpe.         

Tive a sorte de conhecê-lo, de vê-lo jogar, de com ele conversar.  Ele foi protagonista de um tempo que ficou marcado na história.

A homenagem da JUS VERMELHA ao eterno ídolo.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O Sputnik, Laika, Yashim e a Perestroika Vermelha

“No S. C. Internacional, em Porto Alegre - a 12.648 km de distância de Moscou - diante da mudança dos resultados dos jogos, pelo afastamento de algumas figuras carimbadas e como pela contratação de um profissional renomado analogicamente, vivemos uma Perestroika”.

A fábrica de salsichas

“Quando sei de alguém que morreu ou sofreu alguma sequela causada pela emoção em uma partida de futebol, além da solidariedade, sinto pena, mas pena de mim e de tantos outros que perderam a fé”.

Minha casa não é minha, nem é meu esse lugar!

“Triste constatação: a de que a principal destinação da Arena é ser uma casa de espetáculos, com locação a terceiros”. Renato Portalupi reclamando do estado do gramado da Arena e o quanto ele foi prejudicial: “Um dos momentos mais constrangedores do futebol”.

Falta uma resposta do Ministério Público!

“É preciso coragem! A necessidade de uma investigação no futebol do Inter. É lá que são celebrados os grandes contratos, alguns inexplicáveis. E é lá que alguns ex-dirigentes passaram a exercer atividade profissional”. 

Adeus ao Dr. Fábio

“Em um determinado momento, ele trouxe luz aos clubes e, mais do que isso, recursos financeiros antes inexistentes. Isso  proporcionou um crescimento jamais vivenciado pelos clubes de futebol”

Mulheres no futebol

“Pertenço a uma geração que testemunhou, anos 60, as maiores barbaridades em relação ao escasso e heroico público feminino. Felizmente, depois, os nossos estádios foram tomados por rostos bonitos, camisetas bem vestidas, graça e menos brigas (...) Mas teve o caso, no jogo da Libertadores desta semana, da prisão de um homem de 30 anos, por ter passado a mão na bunda de uma torcedora. A pena ridícula: proibição de entrar no estádio por 17 jogos”.