Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 16 de outubro de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

FEPAM festeja proteção ambiental com ´banner´ de aves e mamífero que não são da fauna gaúcha



Montagem de Camila Adamoli sobre reprodução de banner da FEPAM

Imagem da Matéria

  A FEPAM de bengala...

Na última segunda-feira (4), a FEPAM – Fundação Estadual de Proteção Ambiental comemorou 28 anos. A data seria festiva não fosse o desmonte sofrido pelas instituições ligadas à proteção do meio ambiente, ciência e tecnologia, praticado pelo governo Sartori.

Num cartaz comemorativo à suposta efeméride, a FEPAM exibiu uma montagem fotográfica emoldurada por viscosas folhas verdes (inclusive de maconha), com três figuras animais: um lindo tucano, uma incognoscível ave (seria uma arara, ou um papagaio?) e...um tigre de bengala. Pelo menos dois deles não fazem parte da fauna gaúcha.

Para comparar mais o distanciamento da FEPAM com a realidade gaúcha, não custa lembrar que o tigre de bengala habita exclusivamente regiões da Índia, Nepal e Butão. Detalhe: do Rio Grande do Sul até os longínquos países, a distância média é de 14.929 quilômetros.

Esse distanciamento da realidade e esse caminhar de bengala demonstram a necessidade de que os órgãos técnicos sejam dirigidos por técnicos, e não por figuras camaleônicas ao habitat científico.

Talvez, o banner da FEPAM possa ser futurista e remeta ao exótico Rio Grande do Sul do futuro século 22. Então - quem sabe... - tigres de bengala aqui encontrarão abrigo do calor exaustivo dos areais das extensas lavouras de eucalipto.

Ou, noutra divagação, quem sabe em 2019 - para a comemoração de seus 29 anos - a FEPAM se disponha a aqui difundir os coalas, delicados marsupiais que se encontram em via de extinção desde o início da colonização inglesa da Austrália, quando surgiu o hábito de matá-los para usar sua pele.

 O Brasil que eu quero´

O cantor Xororó – aquele que faz dupla com Chitãozinho – está mobilizando artistas brasileiros para a gravação de uma música que levante a autoestima dos brasileiros.

Os versos do estribilho estão prontos: “O Brasil que eu quero/ É um país sem medo/ De corrigir seus erros, de crescer e de sonhar/ Somos brancos, amarelos, somos negros/ Somos um gigante pronto para despertar”.
Faz sentido.
Mas poderia ter um arremate: “O Brasil que eu quero/ É um país com todos os corruptos presos /E sem liminar do Gilmar /Que os possa soltar”.

 Gratuidade às claras

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (6), proposta para desobrigar que advogados paguem custas processuais em execução de seus honorários. O texto foi analisado em caráter conclusivo pela CCJ e vai diretamente ao Senado.

A autora da ideia, deputada Renata Abreu (Pode-SP), sustenta com pertinência que “de acordo com a legislação em vigor, ao proceder a cobrança de seus honorários, o advogado fica obrigado a pagar as custas processuais, o que lhe acarreta prejuízos indevidos, uma vez que tal procedimento decorre da desídia da parte descumpridora de suas obrigações legais. Para afastar essa injustiça, torna-se necessário modificar a norma vigente, isentando o advogado". (Projeto de Lei nº 8.954/2017).

A propósito, enquanto a controvérsia não é solucionada por lei federal, no RS já existe em vigor uma norma estadual (nº 15.016/2017) que teve essa intenção – mas que, afinal, na prática não é aceita por cerca de metade da magistratura estadual.

O imbróglio resulta em grande número de recursos e há decisões do TJRS notoriamente contraditórias.

É que o texto dessa lei gaúcha é um lamentável primor de falta de clareza para um dos objetivos a que se propôs. É uma lei pela metade.

Que ciúme, que seriedade!

Um grupo de grandes escritórios dos Estados Unidos agitou o mercado das grandes bancas advocatícias - chamadas no país de “BigLaw” - ao anunciar o próximo “salário-mínimo” dos advogados no primeiro ano de emprego.

A iniciativa começou na segunda-feira passada (4), com a banca Milbank, Tweed, Hadley & McCloy anunciando o piso de US$ 190 mil por ano (US$ 15.833 por mês, cerca de R$ 60 mil), a partir de 1º de julho. O maior salário, para empregados com até oito anos de casa passará a ser de US$ 330 mil anuais (R$ 1,2 milhão). As interessantes informações são do jornalista João Ozório de Melo, correspondente do Conjur nos EUA.

O Espaço Vital acrescenta: quem pode, pode! País sério, leis rigorosas, corruptos presos. É importante lembrar que nos EUA nenhum advogado privado trabalha para criminoso que não consiga explicar a origem lícita do dinheiro que remunerará o desempenho advocatício.

Comparando, então, comportamentos brasileiros e estadunidenses – advogado dos EUA que aceitar pagamento com dinheiro obtido ilegalmente pelo cliente, torna-se cúmplice do ilícito praticado. E passa a ser tratado como parte de uma quadrilha.

No Brasil é diferente: o dinheiro que advogados criminalistas recebem não se confunde com o dinheiro de seus clientes...


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O jeitinho aritmético ensinado por juiz para ganhar e manter gratificação

  Em vídeo postado no fim-de-semana nas redes sociais, o ex-presidente da AJUFE da 2ª Região orienta como assegurar mais um penduricalho.

  Tartarugas em ação: o tempo médio de duração dos processos, no Brasil, passou de 26 meses para 33 meses.

  Afinal, o lançamento ontem (15) da candidatura de Ricardo Breier à reeleição na OAB-RS.

Legitimidade da esposa para queixa-crime contra autor de postagem que sugere relação extraconjugal homossexual do marido dela

  Caso decidido pelo STF virou tititi em Brasília, pois envolve revelação feita por um senador sobre supostas relações homossexuais entre dois políticos.

  Decisão do STJ considera o proveito econômico para balizar os honorários de sucumbência.

  CNJ afasta juiz por “desvio de conduta”.

 Correção monetária para o ressarcimento de tributos só após o 360º dia.

Simulação de casamento: o caso do sobrinho (19 de idade) que formalmente casou com uma tia-avó (84 de idade) para, quando ela falecesse, embolsar uma pensão de R$ 6.584 mensais

 Advogada porto-alegrense será indenizada pela American Airlines, após furto do conteúdo de mala, em voo internacional.

 Emoções jurídicas: discussão sobre direitos autorais, em shows de Roberto Carlos durante cruzeiros marítimos.

 A cara Justiça brasileira: em 2017, gastou R$ 90,8 bilhões em 31 milhões de processos.

A impossível convocação de uma Assembleia Constituinte desejada por Haddad

 Em qualquer democracia que mereça o nome, a Constituição só pode ser alterada por emendas submetidas a dois turnos de votação na Câmara e no Senado e aprovada por quórum especial (60%) de três quintos.

 Nas cláusulas pétreas não se mexe. Elas estão no artigo 60 da Carta Magna.

 O futuro Presidente da República e os 3% que ele poderá dispor no orçamento.

 A arrecadação do Brasil, do ano que vem, foi estimada em R$ 3,26 trilhões. Do total, R$ 1 trilhão e 560 milhões serão usados para pagar juros, amortizações e refinanciamento da dívida.

A aritmética da oposição às eleições da OAB-RS: chapa com 71 homens e 71 mulheres

 A campanha que tem como um de seus motes “Mulher não vota em quem veta” está sendo cuidada pelo publicitário Alfredo Fedrizzi.

 Em busca da reeleição, Ricardo Breier terá uma mulher como companheira de chapa.

  Empresário Abílio Diniz, o 14º brasileiro mais rico, aproxima-se de Fernando Haddad.

  Henrique Meirelles já gastou R$ 45 milhões em sua campanha, mas tem apenas 2% das intenções de voto.

“No Supremo tem gabinete distribuindo senhas para soltar corruptos”

 Ministro Luís Roberto Barroso diz, em entrevista à Folha de S. Paulo, que “menos de 1% dos presos do sistema prisional brasileiro está lá por corrupção ou por crime de colarinho branco - tem alguma coisa errada nisso”.

• A sangria da Petrobras: só num acordo celebrado nos EUA, a estatal brasileira vai desembolsar US$ 2,95 bilhões: são seis vezes mais do que a operação Lava-Jato recuperou.

 A solução do pacote turístico embrulhado: multa por cancelamento não pode ser superior a 20%.

 Advogado invade gabinete do juiz, a quem coloca em nocaute.